Santa Inês: Ação contra pornografia infantil prende homem com 5 HDs com fotos

Uma operação deflagrada pela Delegacia Territorial (DT) para...

Justiça do Paraná nega prisão domiciliar de bolsonarista que matou Marcelo Arruda

O Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) negou...

Brasileiro sub-17: Bahia perde para o Atlético-MG em Belo Horizonte

O time sub-17 do Bahia perdeu mais uma...

Geraldo Júnior decreta luto na Câmara pelo falecimento do ex-vereador Batista Neves

Três dias de luto foram decretados pelo presidente...

Varíola dos macacos: Com avanço da doença, festas LGBT+ já reveem os protocolos

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

Em São Paulo, já há festas de sexo que suspenderam as próximas datas até que haja vacina disponível (o governo prevê receber o primeiro lote de aproximadamente 20 mil doses em setembro). A Brutus, que ocorre mensalmente na Casa da Luz, no centro, anunciou que a próxima edição do dia 13 será com “redução de riscos” e “posição política”. O dark room, ambiente escuro onde os frequentadores fazem sexo, estará fechado. As paredes do estabelecimento estarão cobertas com informações sobre a varíola. Nas redes sociais, a organização pediu que quem se sentir mal, com febre ou tiver lesões não compareça.

“Precisamos trabalhar, é parte do nosso sustento. Ninguém na comunidade LGBT+ deve abdicar da vida por conta disso. É preciso se cuidar, se preservar, evitar contato, mas isso também não acontece só nas nossas festas”, aponta o produtor da Brutus Alexandre Bispo, de 48 anos. “Não podemos assumir que somos o problema desse contágio porque em breve vai estar entre todo mundo.” Ele dá quase como certa a queda no número de frequentadores.

SAUNA

No Largo do Arouche, também na região central, o Hotel Chilli, que funciona como hospedagem curta para homens solteiros e oferece sauna, cinema, bar e pista de dança, com sexo liberado em todas essas áreas, o funcionamento continuará o mesmo. “Não existe medicação, não é fácil, mas também não é esse grande desespero”, opina o dono, Douglas Drummond.

Ele lembra que, diferentemente do início da pandemia de coronavírus, ainda não foram estabelecidos protocolos sanitários do poder público para espaços como o Hotel Chilli, saunas ou festas. “Não dá pra adivinhar o que eu preciso fazer. A partir do momento em que isso for indicado, não tem o que pensar. Saúde pública é saúde pública”, afirma.

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS), por meio da Coordenadoria de IST (Infecções Sexualmente Transmissíveis)/aids, realizou ontem uma reunião com empresários do setor de entretenimento sobre a monkeypox (varíola dos macacos).

De acordo com a pasta, o encontro “teve o objetivo de orientar os profissionais para que adotem medidas de cuidado, prevenção, transmissão, além de prestar esclarecimentos sobre o processo de notificação e isolamento”.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

As drogas mais perigosas da atualidade (inclusive medicamentos)

Tanto substâncias ilícitas quanto legais podem ser prejudiciais se usadas em excesso. Nos Estados Unidos, por exemplo, overdoses acidentais de drogas causaram mais mortes do que acidentes de carro....

Receita: Calzone Quatro Queijos

Éfã de receitas elaboradas para dividir com amigos e familiares? Então a sugestão é o Calzone Quatro Queijos parece uma pizza mais bem recheada, dobrado ao meio antes de...

Os erros mais comuns quando compra e guarda o frango

Da mesma forma que o frango é uma proteína fácil de preparar e bastante versátil, pode ser também uma dor de cabeça no que diz respeito asa bactérias. É importante...