Prefeita Cordélia Torres sanciona lei que reajusta 18% do salário dos profissionais da educação

Em uma solenidade que aconteceu nesta sexta-feira (19),...

Evento debate caminho para tratamento adequado das demandas de assistência à saúde

Cerca de dois terços dos tribunais possuem especialização...

Ana Marcela Cunha fecha patrocínio com a XP Investimentos visando Paris 2024

A baiana Ana Marcela Cunha tem um novo...

Em carreata, Jerônimo Rodrigues garante que vai ganhar no primeiro turno

O candidato ao governo da Bahia Jerônimo Rodrigues...

TJMG confirma liberdade de detidos em operação de pirâmide financeira

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) informou nesta quarta-feira (6/7) que todos os detidos durante a operação Mercadores do Templo – que desarticulou um esquema criminoso de pirâmide financeira – foram liberados.

 

A ação foi articulada no início de maio pelas polícias Civil e Militar em parceria com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Belo Horizonte, Pouso Alegre e Governador Valadares, além do Ministério Público do Distrito Federal e do Pará. 

Após dois anos de investigação, 28 mandados de busca e apreensão e de prisão haviam sido cumpridos em Unaí, Belo Horizonte, Contagem, Guanhães, todas em Minas Gerais, além de Belém (PA) e Brasília (DF). Na ocasião, oito prisões preventivas foram decretadas, incluindo a do mentor do esquema, um pastor, que, ao ver a polícia, fugiu em alta velocidade em um veículo de luxo, mas acabou alcançado. Agora, todos estão em liberdade.

 

O tribunal acatou os argumentos do advogado Santiago André Schunck, que alegou falta de fundamento jurídico válido. “A decisão vem ao encontro daquilo que estamos afirmando desde a realização da operação Mercadores do Templo. As prisões foram arbitrárias”, afirma o advogado.

 

Anteriormente, em nota, o Ministério Público informou que “as empresas do grupo criminoso ofereciam serviços financeiros de altíssima e ilusória rentabilidade, sob a promessa de juros remuneratórios de 8,33% ao mês para pessoa física e 10% ao mês para pessoa jurídica”.

 

Contudo, ainda segundo o MPMG, o modo de atuação utilizado pelos investigados se assemelha ao modo de agir das grandes organizações criminosas responsáveis por delitos altamente complexos, conhecidas como ‘Esquemas Ponzi’ ou pirâmides financeiras.

 

Após a operação, houve também o bloqueio das contas bancárias e a recuperação de artigos financeiros que somam mais de R$ 2 milhões e cerca de R$ 65 milhões em movimentações financeiras.

 

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Homem troca nudes, cai em golpe e perde R$ 19 mil em Uberlândia

Um homem caiu em um golpe e perdeu R$ 19 mil, depois de trocar fotos íntimas na internet com um perfil de uma mulher. Ele foi ameaçado de prisão...

BH: Polícia Civil recupera R$ 1 milhão em jóias, relógios e outros objetos

Uma operação da Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) recuperou, nessa quinta-feira (18/8), objetos avaliados em R$ 1 milhão, furtados de dois apartamentos do bairro Serra, região Centro-Sul de...

Santa Casa de Piumhi fecha CTI por falta de verbas do Estado

A Santa Casa de Misericórdia de Piumhi fechou na quarta-feira (17/8) os atendimentos no Centro de Terapia Intensiva (CTI) por 90 dias. O motivo é a crise financeira....