Países ocidentais prometem R$ 7,9 bilhões em auxílio à Ucrânia

Países ocidentais se comprometeram nesta quinta-feira, 11, a oferecer...

Filme do ‘Flash’ com Ezra Miller pode ser cancelado pela Warner; entenda

Após cancelar o filme de Batgirl e outras produções,...

Com gol nos acréscimos, Athletico-PR vence o Estudiantes e avança à semifinal da Libertadores

A última vaga às semifinais da Copa Libertadores foi...

Anvisa recebe cinco pedidos para diagnóstico da varíola dos macacos e inicia análises

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) apresentou, nesta...

Texto da PEC que amplia benefícios vai ser mantida pelo relator na Câmara

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O deputado Danilo Forte (União-CE), relator da PEC que amplia benefícios e cria voucher para caminhoneiros, afirmou nesta terça-feira (5) que o texto aprovado pelo Senado será mantido em seu parecer para que possa acelerar o pagamento dos auxílios previstos no texto. Estado de emergência também será mantido.

 

De acordo com o texto aprovado no Senado na última quinta-feira (30), o Auxílio Brasil vai ter um aumento de R$ 200, passando assim de R$ 400 para R$ 600. Além disso, dobra o valo do vale-gás e também cria um auxílio de R$ 1 mil para os caminhoneiros (lembre aqui).

 

Segundo relator da proposta na Câmara, o texto pode ser votado ainda esta semana na comissão especial e ser apreciado pelos deputados no Plenário. Caso os parlamentares não votem essa semana, a expectativa da data limite é que seja até o início da semana que vem. Forte acredita que a matéria vai ser aprovada pelos parlamentares com facilidade.

 

Além disso, o parlamentar ainda criticou a oposição por querer postergar a decisão e adiar o pagamento de benefícios a quem mais necessita. “Não acredito que a oposição seja tão mesquinha a ponto de negar os recursos. Precisamos aprovar rapidamente, para o pagamento ser feito já no próximo mês”, disse.

 

OPOSIÇÃO RECUSA ACORDO

Em contrapartida, os partidos da oposição decidiram por não fechar um acordo de procedimento para votação da PEC e defende ainda que mantenha a tramitação do texto aconteça dentro dos prazos originais para que haja um amplo debate sobre o assunto. Para a oposição, a proposta tem caráter meramente eleitoreiro.

 

“A oposição defende o prazo igual das outras PECs. Não houve acordo de procedimento porque entendemos que se trata de um estelionato eleitoral”, afirmou o líder da Minoria, deputado Alencar Santana (PT-SP), que avalia que a PEC é um ‘estelionato eleitoral’.

 

Já o líder do PT, deputado Reginaldo Lopes (MG), afirmou que ninguém é contra atender os mais necessitados, mas destacou que o governo quer usar a consciência dos mais pobres para ‘burlar as leis eleitorais’. “O estado de emergência é uma desonestidade intelectual. […] Eu me recuso a votar um negócio desse, é um absurdo”, criticou.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Após furto, FGM fará réplica do busto de Glauber Rocha; Cláudio Veiga terá homenagem

Roubado no início de 2015, o busto de bronze e granito que imortalizou o cineasta baiano, Glauber Rocha ganhará uma réplica. A nova peça será instalada onde a...

Zema tem 46% e Kalil 24% no primeiro turno em MG, aponta Quaest

Se a eleição para o governo de Minas Gerais fosse nesta sexta-feira (12/8), ​​o governador Romeu Zema (Novo) seria reeleito já no primeiro turno com 46% dos votos válidos,...

Bolsonaro: ‘Carta pela Democracia foi lida na micareta do PT’

Presidente Jair Bolsonaro (PL) disse, pelo Twitter, que a Carta pela Democracia foi lida em uma micareta do Partido dos Trabalhadores (PT) e que teria algumas "páginas rasgadas", "pricipalmente...