Prefeita Cordélia Torres sanciona lei que reajusta 18% do salário dos profissionais da educação

Em uma solenidade que aconteceu nesta sexta-feira (19),...

Evento debate caminho para tratamento adequado das demandas de assistência à saúde

Cerca de dois terços dos tribunais possuem especialização...

Ana Marcela Cunha fecha patrocínio com a XP Investimentos visando Paris 2024

A baiana Ana Marcela Cunha tem um novo...

Em carreata, Jerônimo Rodrigues garante que vai ganhar no primeiro turno

O candidato ao governo da Bahia Jerônimo Rodrigues...

Reunião de líderes no Senado deve definir CPI do MEC nesta terça

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (MDB), deve se reunir nesta terça-feira, 5, com líderes partidários para discutir a abertura da CPI do MEC. A expectativa é que o requerimento de instalação da comissão, que vai apurar supostas irregularidades na gestão do ex-ministro Milton Ribeiro à frente do Ministério da Educação, seja lido ainda nesta semana em plenário. A responsabilidade de instaurar a CPI deve ser dividida entre os líderes partidários e Pacheco. O presidente da casa também terá uma reunião com a Advocacia-Geral Senado sobre a CPI.

O requerimento da CPI do MEC é de autoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede) e foi entregue na última semana à mesa diretora do Senado com 31 assinaturas, quatro a mais do que o necessário: “O Senado tem uma particularidade, dois terços do Senado não disputarão a eleição neste ano. E como eu já disse, tem um impositivo nessa CPI que é a necessidade de retaguarda para a investigação. A nossa função primeira é a de sermos Senadores, foi por isso que os amapaenses me colocaram lá, os paulistas colocaram outros, os baianos colocaram outros e os fluminenses colocaram outros”, afirmou o Senador no evento de lançamento da candidatura de Marina Silva.

“O Senado tem uma tarefa importante, sobretudo quando a democracia está sob ameaça, que é fazer a fiscalização e conduzir a investigação”, alertou o senador. A CPI do MEC está na fila atrás de outras CPIs que podem ser instaladas. Uma sobre obras paradas, outra sobre destinação de recursos do FIES, a terceira sobre a atuação de ONGs no Brasil e uma quarta sobre o crime organizado.

Na tentativa de barrar a CPI, a base do governo de Jair Bolsonaro (PL) apresentou dois requerimentos pedindo que os pedidos de instalação das outras CPIs sejam atendidos primeiro. Mas, as solicitações esbarram no período eleitoral. Resta a dúvida se, após o recesso parlamentar que começa no dia 17 de julho, os senadores voltarão para Brasília para encaminhar as investigações.

*Com informações da repórter Marília Sena

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Roma diz que governo federal tem papel importante na geração de empregos na Bahia

O ex-ministro da Cidadania e candidato a Governador da Bahia, João Roma (PL), nesta sexta-feira (19), em evento no bairro dos Barris, em Salvador, destacou o papel do...

Em carreata, Jerônimo Rodrigues garante que vai ganhar no primeiro turno

O candidato ao governo da Bahia Jerônimo Rodrigues (PT) realizou uma carreata nesta sexta-feira (19) nos municípios de Itapicuru, Olindina, Nova Soure, Cipó, Ribeira do Amparo e Ribeira...

Lula nega “guerra santa” por votos: “Não faz parte da minha cultura”

Em entrevista nesta sexta-feira (19/8), em seu escritório de campanha, em São Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato do PT à Presidência da República, disse que...