‘Rumo ao acesso’, avisa Marco Antônio, autor de dois gols contra o Brasil-RS

Cria das categorias de base do Vitória, o...

Um dia para celebrar a democracia no Brasil

O dia 11 de agosto de 2022 vai...

Sedã avança cruzamento e esmaga Lamborghini na Inglaterra; veja vídeo

Na cidade de Leeds, na Inglaterra, um sedã...

Volante Léo Gomes assiste vitória rubro-negra no meio da torcida

Suspenso na partida contra o Brasil de Pelotas,...

Mitomania: conheça a mentira patológica

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O dia 1º de abril é conhecido como o Dia da Mentira, ocasião em que pessoas pregam “peças” e inventam histórias entre amigos. A verdade é que, todo mundo mente para evitar situações constrangedoras ou até mesmo para agradar alguém, e essas pequenas mentiras fazem com que a prática seja socialmente aceita.

 
A partir do momento em que as invenções se tornam permanentes e o indivíduo passa a vivenciá-las, a situação pode se reverter para um transtorno chamado mitomania.

De acordo com a psicóloga Sarah Lopes, do Hapvida Saúde, a mitomania é um quadro psiquiátrico, e pessoas próximas devem fazer o alerta, já que muitos que possuem a doença não estão cientes de suas criações.

“O distúrbio envolve uma mania por mentiras, mesmo que não haja necessidade alguma. Semelhante ao quadro compulsivo, o sujeito, na maioria das vezes, não percebe que está mentindo”, explica.

O hábito obsessivo e excessivo se difere da prática consciente. “O mentiroso compulsivo é aquele que sempre cria algo diferente da realidade. E, mesmo diante da verdade, não se convence e cria novas histórias para tentar corrigir o lapso anterior”, descreve a especialista.

O mitomaníaco tem como sintoma, mentir sem necessidade e com objetivos aparentemente supérfluos para enaltecimento próprio, criando ou valorizando excessivamente os fatos.

A especialista ressalta que apesar da mentira não ser levada à sério, a doença existe: “a mitomania pode ser vista até como brincadeira, muitas vezes acaba sendo a marca registrada de alguém, mas, é um transtorno psiquiátrico e deve ser tratado”.

A partir de avaliação clínica é feito o diagnóstico para iniciar o tratamento, e a família e amigos podem contribuir com informações para identificação do problema. O tratamento dependerá do grau da patologia. Na maioria das vezes a psicoterapia pode ser eficiente, porém nos casos graves, recomenda-se o uso de psicotrópicos.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Estes são os quatro signos mais independentes do zodíaco

É muito normal depender do apoio dos outros para se conseguir fazer certas coisas, no entanto, existem algumas pessoas que não se identificam com esta ideia. Normalmente, são extremamente...

Acordar na madrugada para comer pode ser distúrbio de sono, diz médica

Acordar no meio da noite para revirar a geladeira em busca de alimentos pode ser um distúrbio de sono, porque o organismo da maioria das pessoas está preparado para...

Ultraprocessados podem acelerar em quase 30% o declínio cognitivo, diz estudo

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Macarrão instantâneo, salgadinhos, comida congelada e refrigerantes costumam fazer parte da alimentação de muitos, principalmente aqueles com uma rotina corrida. No entanto, um...