Países ocidentais prometem R$ 7,9 bilhões em auxílio à Ucrânia

Países ocidentais se comprometeram nesta quinta-feira, 11, a oferecer...

Filme do ‘Flash’ com Ezra Miller pode ser cancelado pela Warner; entenda

Após cancelar o filme de Batgirl e outras produções,...

Com gol nos acréscimos, Athletico-PR vence o Estudiantes e avança à semifinal da Libertadores

A última vaga às semifinais da Copa Libertadores foi...

Anvisa recebe cinco pedidos para diagnóstico da varíola dos macacos e inicia análises

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) apresentou, nesta...

Ministros britânicos renunciam após Johnson nomear acusado de assédio para cargo importante

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O ministro da Saúde, Sajid Javid, e o ministro das Finanças, Rishi Sunak, do Reino Unido, renunciaram nesta terça-feira, 5, aos seus cargos em protesto contra o primeiro-ministro conservador, Boris Johnson, que nomeou para um cargo importante um líder conservador que precisou abdicar de sua posição por conduta imprópria. Chris Pincher admitiu ter apalpado dois homens enquanto estava embriagado, um deles um deputado. Esse é mais um escândalo político para o chefe de Governo já enfraquecido. Tanto Javid como Sunak anunciaram sua decisão dizendo que perderam a esperança de romper com uma cultura de tolerância aos escândalos que mantêm Johnson na defensiva há meses.

Esse é mais um dos problemas que Johnson enfrenta. No mês de junho o premiê ficou próximo de perder seu cargo ao passar por uma moção de censura apresentada por conservadores rebeldes. Para Javid, essa experiência deveria ter lhe dado a oportunidade de demonstrar “humildade, firmeza e de [seguir] um novo caminho”. O primeiro-ministro, de 58 anos, ainda enfrenta uma investigação parlamentar que determinará se mentiu em sua defesa sobre o Partygate. A erosão de sua imagem resultou em derrotas dos conservadores em duas eleições parciais no fim de junho, uma delas no reduto histórico dos Tories, que foi parar nas mãos dos Trabalhistas. Esta crise política se soma às dificuldades que o país enfrenta para se adaptar à sua saída da União Europeia (UE) em 2020, com tensões com o bloco dos 27 sobre a fronteira terrestre entre a República da Irlanda e a província britânica da Irlanda do Norte.

*Com informações da AFP

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Países ocidentais prometem R$ 7,9 bilhões em auxílio à Ucrânia

Países ocidentais se comprometeram nesta quinta-feira, 11, a oferecer mais de 1,5 bilhão de euros (R$ 7,9 bilhões, na cotação atual) em dinheiro, equipamentos e treinamento para aumentar as...

Pedra da fome reaparece na Europa em meio à seca e acende alerta: ‘Período de miséria’

Além das altas temperaturas que atingem os países da Europa, o continente também sofre com a seca dos rios que tem feito itens que estavam submersos reaparecerem, como uma...

Langya, novo vírus de origem animal, já foi identificado em 35 pessoas na China

Um novo vírus de origem animal já está em circulação. O langya (Langya henipavirus (LayV)) causa sintomas como: febre, cansaço, tosse, náusea e dor de cabeça. Segundo informações de...