Salvador amplia 4ª dose de vacina contra Covid-19 para população com 18 anos ou mais

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) anunciou a...

Relação de gestores com contas reprovadas pelo TCE-BA tem 543 nomes; veja lista

Entre os gestores baianos, 543 deles estão na...

Na 5ª colocação, técnico do Londrina se mantém confiante no acesso: ‘Vamos jogo a jogo’

Atualmente na quinta colocação da Série B, com...

Jequié: PM apreende cerca de 130 quilos de maconha em bagageiro de ônibus turístico

128 tabletes de maconha foram apreendidos na noite...

Kátia Alves critica falta de comando na segurança pública da Bahia

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

A pré-candidata a deputada federal, delegada Kátia Alves (União Brasil), criticou a falta de comando na segurança pública na Bahia. Em entrevista à rádio Sociedade na manhã de hoje, ela lembrou que o ex-secretário da pasta, Maurício Barbosa, foi afastado em 2020, acusado de envolvimento nos esquemas de venda de sentenças investigados pela Operação Faroeste.

Na avaliação da delegada, o atual secretário, Ricardo Mandarino, não definiu um projeto de segurança pública para o Estado. “Há um sucateamento da Polícia Civil, que vive um ‘estado de coma’, com o fechamento de delegacias à noite, finais de semana e feriado, deixando a população desassistida”, pontuou.

A pré-candidata afirmou ainda que hoje, na Bahia, mais de 10 mil homicídios estão sem autoria definidas por conta da centralização das investigações em um único departamento. “Isso gera impunidade, que, por consequência, gera violência”.

Ela disse também que os policiais militares estão cada vez mais desestimulados e com impactos na saúde mental, sobretudo pela desvalorização da categoria, que não tem reajuste salarial há sete anos.

Integração das polícias
Kátia Alves, que foi a primeira mulher a assumir a Secretaria de Segurança Pública da Bahia, na gestão do então governador César Borges (1998-2002), defendeu também a integração das polícias Civil e Militar no combate ao crime.

“A polícia tem que trabalhar com inteligência. Tem que saber onde o crime acontece e como acontece, para agir de forma preventiva. Hoje, temos a disposição a tecnologia, a rapidez na comunicação, câmeras de monitoramento, que podem auxiliar nesse trabalho. Com as polícias trabalho juntas, o resultado é o melhor possível”, afirmou.

Ela reiterou que é preciso mudar o modelo de gestão da segurança pública no Estado. “Precisamos valorizar os policiais, que estão sendo desvalorizados, lembrando sempre que a segurança pública é responsabilidade do governador do estado”, concluiu.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Vítima diz que Gabriel Monteiro apontou arma para ela durante sexo

Uma das quatro vítimas que acusam de estupro o vereador do Rio de Janeiro Gabriel Monteiro (PL) contou em depoimento à polícia que o parlamentar apontou uma arma...

Acidente de carro faz poste cair atravessado em pista de Stella Maris

Um acidente de trânsito provocou a queda de um poste no bairro de Stella Maris e interditou a rua Rua Missionário Otto durante a manhã desta segunda-feira (15). Apesar da situação ter...

Mãe e filha são mortas a facadas em Maragogipe; companheiro é suspeito

Uma mulher e a filha de 17 anos foram mortas a facadas em Maragogipe, no Recôncavo baiano, neste final de semana. O suspeito de praticar o crime é...