Bia Haddad vence número 1º do tênis feminino no WTA de Toronto e faz história

A brasileira Bia Haddad Maia teve uma vitória histórica...

Bolsonaro ironiza ato na USP: ‘Constituição é melhor que qualquer pedaço de papel’

O presidente Jair Bolsonaro (PL) realizou sua tradicional transmissão...

Jequié: Caminhões da construtora responsável pelo asfaltamento do município pegam fogo

Duas caçambas pegaram fogo na tarde desta quinta-feira...

Zanetti vai bem nas argolas no Brasileiro de Ginástica, mas diz ainda buscar melhor forma

Dono de duas medalhas olímpicas - ouro em...

Justiça nega pedido de liberdade a procurador que agrediu chefe em São Paulo

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O Tribunal de Justiça de São Paulo negou um pedido de liberdade solicitado pela defesa do procurador Demétrius Oliveira de Macedo, procurador que agrediu a procuradora-geral de Registro, Gabriela Samadello Monteiro de Barros, no último dia 20 de junho. Através de decisão do juiz Raphael Ernane Neves, o órgão não aceitou o requerimento que pedia o encaminhamento do réu a uma prisão domiciliar ou a um hospital psiquiátrico. Também houve uma petição para que Demétrius fosse mantido em uma sala sem grades ou portas fechadas por ser um advogado inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Em sua decisão, o juiz pontua que conceder liberdade ao réu implica na não aplicação da lei penal. “[…] quando preso já havia ele deixado o distrito da culpa [escapado para uma clínica psiquiátrica], mostrando que poderia tomar rumo para onde não seria localizado para responder aos termos da acusação que lhe pesa. Persiste a necessidade da prisão para garantia da ordem pública, em busca de se prevenir que o requerido retome o comportamento delitivo contra a vítima ou contra as testemunhas”, destacou. A defesa também teve sua solicitação para que o processo corra em sigilo negado.

Entenda o caso

Demétrius Oliveira Macedo, procurador de 34 anos de idade, foi filmado agredindo sua chefe no último mês. Em vídeos que circularam nas redes sociais, é possível acompanhar o agressor desferindo socos e chutes na procuradora-geral. Três dias após o ocorrido, o rapaz foi encontrado em uma clínica psiquiátrica e foi detido por agentes da Polícia Civil. A Justiça, inclusive, acatou a um pedido do Ministério Público de São Paulo no fim do último mês e tornou o procurador réu sob a acusação dos crimes de tentativa de feminicídio, injúria e coação no curso do processo, além de acusá-lo de ‘agredir para matar’. A defesa do acusado, porém, alega que o rapaz sofreu um ‘surto psicótico’.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Anvisa recebe cinco pedidos para diagnóstico da varíola dos macacos e inicia análises

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) apresentou, nesta quinta-feira, 11, o balanço dos pedidos de registro de produtos para o diagnóstico da varíola dos macacos. Ao todo, cinco...

Jovem sofre acidente às vésperas de intercâmbio e morre no dia do voo em SC

A jovem Sabrina Romanovski, de 21 anos, sofreu um acidente de trânsito às vésperas do intercâmbio que faria para Portugal e morreu, na madrugada desta quinta-feira, 11, no dia...

Lotofácil 2596, Quina 5921 e outras loterias: confira os números (11/8)

A Caixa sorteou nesta quinta-feira (11/8) os concursos Lotofácil 2596, Quina 5921, Timemania 1820, Dupla Sena 2403 e Dia de Sorte 641.O evento foi realizado no Espaço da Sorte,...