Ator de ‘Homem-Aranha’, Tom Holland anuncia pausa nas redes sociais para cuidar da saúde mental

Tom Holland, ator principal do último filme de “Homem-Aranha”...

Santos joga mal e é derrotado pelo América-MG na estreia de Luan 

O América-MG fez valer o mando de campo e...

Moro abandona ataques a Bolsonaro e faz investidas contra Lula

O ex-juiz Sérgio Moro (União Brasil), candidato ao Senado...

Bandidos roubam armas de agência bancária e se escondem em academia na BA

Dois criminosos invadiram, na madrugada deste domingo (14), uma...

Francesas vão às ruas pela garantia do direito ao aborto neste sábado

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

Neste sábado, 2, foram marcadas manifestações pela garantia ao aborto em diversas cidades francesas. O direito a essa medida parecia uma conquista imutável, até que na sexta-feira, 24, a Suprema Corte americana revogou o decreto que permitia a interrupção da gravidez, nos EUA. Desde 2020, o tribunal é formado por seis juízes conservadores e três liberais ou progressistas, o que justifica a reviravolta sobre a questão. A medida deixou as francesas em alerta. Essa semana, Aurore Bergé, chefe do partido governista Renascimento na Assembleia Nacional, anunciou  vai apresentar uma proposta para incluir a lei de descriminalização do aborto, de 1975, na Constituição do país. Imediatamente, ela recebeu o apoio da primeira-ministra Elisabeth Borne. Apesar de uma lei ter mais força que um decreto, nada impede que ela seja modificada, e deixe de ser um direito adquirido. Vale lembrar que a França é o berço da tríade de valores modernos de igualdade, liberdade e fraternidade.

Nos EUA, a medida da Suprema Corte dividiu o país, que virou palco de manifestações que pipocaram pela maioria dos Estados. Ela anulou o histórico caso Roe vs. Wade, que descriminalizou o aborto, em 1973, levando cada Estado promulgar sua própria legislação. O presidente Joe Biden declarou que a decisão é um “erro trágico”. Nessa onda conservadora, existe o temor que mais retrocessos estejam a caminho, entre eles, o não reconhecimento do casamento gay.

Conheça a decisão Roe vs. Wade

Aconteceu nos anos 1970, no Texas. Na época, a mãe solteira Jane Roe, grávida do terceiro filho, resolveu entrar com recurso contra o promotor de Dallas Henry Wade. Ela atacava a constitucionalidade do Estado interferir na sua escolha de ter ou não o filho. Três anos depois, o caso chegou à  Suprema Corte, que menos conservadora do que a de agora, decidiu por 7 votos a 3 a favor de Jane. Criou-se então uma jurisprudência, que determinou o direito ao aborto constitucional.

 

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Salman Rushdie foi extubado, está melhor e já consegue falar, diz agente

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O escritor anglo-indiano Salman Rushdie foi extubado neste sábado (13) e já consegue falar, afirmou o agente dele, Andrew Wylie. As informações são de que...

Noivo de Anitta, Murda Beatz diz que EUA ainda não entendem o poder dela

LUCAS BRÊDASÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Shane Lee Lindstrom está encantado com o Brasil. Conhecido no universo da música pop e do trap como Murda Beatz, o noivo canadense...

Salman Rushdie continua em ‘estado crítico’, mas mostra primeiros sinais de recuperação

Salman Rushdie permanece em “estado crítico”, mas não está utilizando respirador desde o último sábado, 13, informou o filho do escritor, Zafar Rushdie. Através do Twitter, Zafar expressou o...