Cônsul alemão preso por suspeita na morte do marido é transferido para presídio

O cônsul Uwe Herbert Hahn, do Consulado da...

Com dois de Haaland, City estreia no Inglês com vitória sobre o West Ham

O astro Erling Haaland não demorou a mostrar seu...

Após nove anos, reforma de santuário em Ouro Preto está em fase final

Após nove anos, entra na fase final a reforma...

Bale dá arrancada e faz belo gol pelo Los Angeles na MLS; veja o vídeo

O galês Gareth Bale fez o segundo gol com...

Deputado é denunciado no Rio por violência política de gênero

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O deputado estadual Rodrigo Amorim, do PTB-RJ, foi denunciado pela Procuradoria Regional Eleitoral no Rio de Janeiro, órgão do Ministério Público Eleitoral. De acordo com a denúncia, conforme o Artigo 326-B do Código Eleitoral, o parlamentar praticou crime de violência política de gênero contra a vereadora de Niterói Benny Briolly, do PSOL.ebcebc

Na denúncia encaminhada, na noite de sexta-feira (1°), ao Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) os procuradores informaram, que, em discurso no dia 17 de maio, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), o deputado assediou, constrangeu e humilhou Benny Briolly, “por menosprezá-la e discriminá-la por sua condição de mulher trans”.

Para o Ministério Público Eleitoral, a intenção do crime foi “impedir e dificultar o desempenho” do mandato da vereadora.

Os procuradores regionais eleitorais Neide Cardoso de Oliveira e José Augusto Vagos destacaram que, além de transmitido ao vivo pela TV Alerj, o discurso foi retransmitido em diversas mídias, em especial na internet, o que resultou em grande repercussão, e que vitimizou diretamente uma funcionária pública no exercício das suas funções.

O Código Eleitoral determina penas de um a quatro anos de prisão e multa para o crime de violência política de gênero. As penalidades podem ser aumentadas se houver agravantes, e os réus podem se tornar inelegíveis por oito anos. “A imunidade material parlamentar por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos proferidos no recinto da Casa Legislativa não alcança as condutas imputadas”, afirmaram os procuradores regionais.

Neide Cardoso de Oliveira e José Augusto Vagos acrescentaram que, se a interpretação correta do pronunciamento contra a vereadora não ocorrer, fica descaracterizado o crime. “Admitindo-se que o deputado, ou qualquer parlamentar, possa assediar, constranger, humilhar e subjugar outra parlamentar mulher e impedi-la de exercer seu mandato, agredindo-a de forma aviltante, invalida-se a norma penal e o crime de violência política de gênero”, afirmaram na denúncia.

Resposta

A assessoria de imprensa de Rodrigo Amorim encaminhou à Agência Brasil comentário sobre a situação que envolveu o deputado e a vereadora. Diz o texto: “o deputado Rodrigo Amorim informa que foi alvo de falsa imputação de crime, de acordo com o investigado pela Polícia Civil e pela Alerj, por Benny Briolli (forma como a resposta se referiu). Quanto à decisão do MPE, o deputado ainda não foi notificado, não tendo como se manifestar.”

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Mais de 23 milhões de eleitores estão aptos a votar voluntariamente em 2022

Dos mais de 156 milhões de pessoas aptas a participar do processo eleitoral em outubro de 2022, ao menos 23,34 milhões de eleitores e eleitoras atenderão ao compromisso...

Desembargador Roberto Frank é eleito presidente do Coptrel

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), desembargador Roberto Maynard Frank, foi eleito na tarde desta sexta-feira (5) o novo presidente do Colégio de Presidentes dos...

Feira: Homem é condenado a 26 anos por homicídio de guarda municipal

Reginaldo Pereira, um dos acusados de matar o ex-comandante da Guarda Municipal de Feira de Santana, foi condenado a 26 anos de reclusão, nesta quinta-feira (5).  Ele foi sentenciado...