Ex-sem-teto Givaldo Alves vende ‘Pau de Mendigo’ sem aval da Anvisa

Após ficar famoso por ter mantido relações sexuais...

São João de Porto Seguro recebe 80 mil pessoas em show de Amado Batista

O cantor Amado Batista, que completa 47 anos...

Bolsonaro diz que anunciará Braga Netto como candidato a vice

Jair Bolsonaro (PL) afirmou na noite deste domingo (26/6)...

Zema sanciona lei para refinanciar parte de dívidas do Estado com a União

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
O governador de Minas, Romeu Zema (Novo), sancionou a lei aprovada pela Assembleia Legislativa que autoriza o Estado a aderir ao artigo 23 da Lei Complementar 178, permitindo que o governo refinancie suas dívidas. Mas advertiu que somente com a aprovação de adesão total ao Plano de Recuperação Fiscal do governo federal haveria uma solução a longo prazo para o caixa do Estado.

“Para 2023, quando a gente considera o desembolso de mais de R$ 10 bilhões, não há como fazer esses pagamentos sem mexer nos gastos do Estado, o que inclui as despesas com as políticas públicas.”

 
Além do valor renegociado, Minas Gerais terá que voltar a pagar todos os meses as parcelas da dívida com o governo federal que estavam suspensas. No total, a dívida do Estado com a União é de R$ 141,5 bilhões.
Durante entrevista coletiva, na manhã desta segunda-feira (20/6), concedida pelos secretários Luisa Barreto, do Planejamento e Gestão, e Gustavo Barbosa, da Fazenda, o governador voltou a criticar o presidente da Assembleia Legislativa, Agostinho Patrus (PSD). “Até hoje, por não entender a proposta, ou por ter medo de que fosse aprovado e colocado em pauta, não levou sequer o projeto a plenário para votação. E os deputados em Minas nem tiveram a chance de opinar.” 
 
O projeto pedindo autorização da Assembleia para adesão ao programa de recuperação fiscal proposto pelo governo federal, com objetivo, segundo o governo, de negociar com a União melhor forma de pagamento da dívida, foi encaminhado ao Legislativo em 2019.
 
Ao declarar que o artigo da lei é “necessário, mas insuficiente”, o governador justificou tratar-se de uma alternativa que obriga o pagamento ainda em 2022 de R$ 4,8 bilhões à União.

“A lei é parcial, mas alternativa necessária, porque, a qualquer momento, podem cair as liminares que suspendem pagamentos das parcelas da dívida, junto ao STF”, o que obrigaria o Estado a quitar R$ 31 bilhões não pagos desde junho de 2018. Montante que somado a juros e multas chegaria a R$ 40 bilhões.

 
O governador disse que se o estado aderisse ao regime de recuperação fiscal, junto com o artigo 23, teria que pagar neste ano R$ 900 milhões e não R$ 4,8 bilhões. E, no ano que vem, R$ 2,7 bilhões e não R$ 10,9 bilhões.
 

Perdão do custo de inadimplência

O secretário da Fazenda Gustavo Barbosa explicou que o artigo 23 trata da dívida não paga desde 2018 em função de liminares. E que a adesão significa o perdão do custo de inadimplência de R$ 9 bilhões, e os R$ 30 bilhões restantes serão parcelados em 30 anos, com a condicionante da desistência pelo  Estado das ações para que a dívida não seja paga.

 
“Assinar o artigo e aderir ao pagamento anual do estado com a União chega a R$ 11 bilhões, a partir do momento da adesão e com suspensão de pagamento nos primeiros 12 meses, e, depois, 11,11% ao ano”, explica o secretário
 
Barbosa disse ainda que a “necessária” adesão total ao plano de recuperação fiscal não afetará políticas remuneratórias dos poderes e que a gestão de caixa centralizado (exigência do projeto do governo federal) não interfere em outros poderes. “O conselho fiscal apenas acompanhará o desenrolar do plano, sem afastar a competência do órgãos fiscalizadores.”
 
Luísa Barreto, secretária de Planejamento e Gestão, apresentou os impactos da adesão ao artigo 23, que classificou como medida de responsabilidade para afastar o risco de cobrança imediata de R$ 40 bilhões, mas que “não resolve os problemas das contas estaduais a longo prazo”. E voltou a defender a adesão completa ao plano.
 
A secretária contextualizou os impactos calculados em R$ 10,8 bilhões que o estado terá que desembolsar em 2023, representando “pagamento de 100% da folha de pessoal da educação por um ano, e sobraria R$ 1 bilhão, corresponde a 75% de todas as despesas que Minas Gerais executa com o mínimo constitucional da educação e manutenção e desenvolvimento do ensino”.
 
O montante, segundo a secretária, cobriria por um ano e quatro meses todas as despesas de saúde. Folha de pessoal, manutenção de hospitais e compra de medicamento, além de  pagar toda folha da segurança pública (polícias Civil e Militar, sistema Prisional e Corpo de  Bombeiros) e “com uma sobra”.
“Conseguiríamos financiar toda a política de segurança pública do estado por mais 18 anos e adquirir 110 mil viaturas policiais, além pavimentar mais de 5.400 km de rodovias estaduais e financiar 80% de todas as despesas relativas aos demais poderes do estado além de órgãos autônomos.” 

O que é o Plano de Recuperação Fiscal de MG?

Proposto pelo governo federal, o RRF oferece melhores condições para o pagamento das dívidas do governo estadual com a União, mas, como contrapartida, o Estado deve adotar medidas para conter o crescimento de suas despesas por um período de nove anos.
 
O artigo 23 da Lei Complementar 178, de 13 de janeiro de 2021, prevê o refinanciamento, sem adesão ao RRF, em 360 meses (30 anos) dos valores não pagos, desde que o Estado desista espontaneamente das liminares e volte a pagar os valores integrais das parcelas da dívida.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Bolsonaro diz que anunciará Braga Netto como candidato a vice

Jair Bolsonaro (PL) afirmou na noite deste domingo (26/6) que vai anunciar “nos próximos dias” o ex-ministro Walter Braga Netto como vice em sua...

Bolsonaro diz que foi obrigado a dar ‘graça’ a Daniel Silveira

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou, neste domingo (26/6), que foi obrigado a conceder a "graça presidencial" ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ). A declaração...

‘Aqui não é comício’, diz Elba Ramalho em meio a gritos de ‘Fora, Bolsonaro’

A cantora Elba Ramalho interrompeu um coro de "Fora, Bolsonaro" do público durante show no Parque de Exposições, em Salvador, neste domingo. Ela...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com