Ciro diz que anúncio de vice só será feito durante convenção do PDT, no fim de julho

Cumprindo agenda em Salvador nesta sexta-feira (1), o...

Preço da gasolina segue em queda no DF e pode ser encontrado a R$ 6,69

O preço praticado da gasolina entra no primeiro dia...

‘Não se priorizou o combate à fome no Brasil’, diz representante da FAO no país

Para o representante da Organização das Nações Unidas para...

Os riscos às contas públicas de PEC que turbina gastos sociais em ano eleitoral

O Senado aprovou nesta quinta-feira (30/6) a PEC (proposta de emenda...

Varíola dos macacos: caso suspeito é descartado em Ouro Preto

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
Análises feitas pela Fundação Ezequiel Dias (Funed) descartaram suspeitas de um caso de monkeypox, conhecida como varíola dos macacos, em Ouro Preto, na Região Central de Minas Gerais. A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) havia divulgado que o caso estava em investigação na noite de quarta-feira (15).

Ouro Preto se junta a Belo Horizonte, Uberlândia e Ituiutaba com casos descartados após análises laboratoriais. Até o momento não existem confirmações em Minas.

Nenhuma das pessoas examinadas no estado tinha histórico recente de viagem ao exterior. O paciente de Ouro Preto esteve em São Paulo antes de apresentar sintomas.

Após o aparecimento de erupções cutâneas cobrindo a maior parte do corpo, com formação de bolhas e febre, o homem, que é estudante, foi atendido no Hospital Santa Casa da Misericórdia de Ouro Preto e posteriormente transferido para o Hospital Referência Eduardo Menezes, em Belo Horizonte, na terça-feira (14/6).

O Estado de Minas conversou com o Secretário de Saúde de Ouro Preto, Leandro Moreira, que descartou a varíola dos macacos no município.

“Saiu agora à tarde o resultado oficial da amostra que foi enviada à Funed de um possível caso de ‘varíola dos macacos’ aqui em Ouro Preto. Deu negativo. O paciente permanece estável e em tratamento no Hospital Eduardo Menezes. A secretaria de saúde continuará acompanhando o caso até a sua alta”.

Monkeypox (varíola dos macacos)

Segundo o Instituto Butantan, a Monkeypox (varíola dos macacos) é “uma zoonose silvestre” – ou seja, um vírus que contamina macacos e pode, incidentalmente, acometer humanos.

A infecção ocorre geralmente em regiões florestais da África Central e Ocidental. A doença é causada pelo vírus da varíola dos macacos, pertencente à família dos ortopoxvírus.

Existem dois tipos de vírus: o da África Ocidental e o da Bacia do Congo (África Central).

Embora a varíola na África Ocidental às vezes gravidade a alguns indivíduos, a doença geralmente é autolimitada (não exige tratamento).

A taxa de mortalidade para o vírus da África Ocidental é de 1% para não imunizados, enquanto para o vírus da Bacia do Congo pode chegar a 10%.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as crianças também estão em maior risco, e a varíola na gravidez pode levar a complicações, varíola congênita ou morte do bebê.

Atualmente, a OMS trabalha com especialistas para a adoção de um novo nome para a Monkeypox, já que o termo “varíola dos macacos” é considerado discriminatório e estigmatizante.

Sintomas

Os sintomas iniciais da ‘varíola dos macacos’ são:

  • febre
  • dor de cabeça
  • dores musculares
  • dor nas costas
  • gânglios (linfonodos) inchados
  • calafrios
  • exaustão
Além disso, a doença pode causar lesões na pele que se desenvolvem primeiramente no rosto e depois se espalham para outras partes do corpo, incluindo os genitais.

As lesões na pele são similares às da catapora ou da sífilis. Há ainda formação de crostas, que, com o passar do tempo, acabam caindo.

Contágio

De acordo com o Butantan, a fonte de infecção nos casos relatados ainda não foi confirmada pela OMS.

No geral, a varíola dos macacos pode ser transmitida pelo contato com gotículas exaladas por alguém infectado (humano ou animal) ou pelas lesões na pele, além de materiais como roupas e lençóis.

O período de incubação é geralmente de seis a 13 dias, mas pode variar de cinco a 21 dias. Por isso, pessoas infectadas precisam ficar isoladas e em observação por três semanas.

Vacina

Pensando em tratamentos, o Butantan informa que a vacinação contra a varíola comum mostrou ser protetora contra a varíola dos macacos.

Embora uma vacina (MVA-BN) e um tratamento específico (tecovirimat) tenham sido aprovados em 2019 e 2022, as contramedidas ainda não estão amplamente disponíveis.

No mundo, populações com idade inferior a 40 ou 50 anos não tomam mais a vacina, pois as campanhas foram descontinuadas.

No Reino Unido, a imunização contra varíola está sendo oferecida a pessoas de maior risco e com comorbidades.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Incêndio na Serra do Cipó: brigadas voluntárias combatem focos

Brigadas voluntárias combateram focos de incêndio na Serra do Cipó nessa sexta-feira (1/7), entre o Alto Palácios e a Serra dos Alves. "Nem...

Minas é o estado com mais registros de feminicídios, aponta levantamento

Minas Gerais é o estado com maior número de registros de feminicídios em todo o país no ano passado. As informações são do levantamento...

Fogo na Serra do Cipó liga alerta para risco em alta nas reservas

Perigo da temporada da seca, que costuma ser ampliado pela ação humana, muitas vezes de forma criminosa, está de volta às matas de Minas...