Aporte da CBF à Série D ajuda a ‘manter prática do futebol viva’, diz presidente da FTF

O aporte designado pela Confederação Brasileira de Futebol...

Texto da PEC que amplia benefícios vai ser mantida pelo relator na Câmara

O deputado Danilo Forte (União-CE), relator da PEC...

Lucas Selfie faz piada após treta entre Dynho e Christian Figueiredo

Lucas Selfie foi o co-host da entrevista de Christian...

Godoy sobre caso MEC: “Só Milton Ribeiro pode dizer o que aconteceu”

Em audiência pública na Câmara dos Deputados, o ministro...

TSE: partidos devem seguir mesmas coligações para governo e Senado

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

Por quatro votos a três, o plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu que partidos coligados para concorrer aos governos dos estados não podem fazer outra aliança para o cargo de senador. Os ministros mantiveram a jurisprudência da Corte no sentido de vedar a possibilidade de que as siglas que se uniram para disputar a vaga de governador formem coligações distintas para concorrer ao Senado.ebcebc

Na sessão dessa terça-feira (21), nos casos em que a coligação não abranja as duas vagas, de governador e senador, o TSE autorizou os partidos a lançarem candidaturas próprias – fora da aliança – para o cargo remanescente. Assim, também foi confirmada a possibilidade de uma agremiação, sem integrar qualquer coligação, lançar candidata ou candidato ao cargo de senador individualmente.

Motivação

A decisão foi motivada por uma consulta feita pelo deputado federal Waldir Soares de Oliveira (União Brasil – GO). Ele pediu esclarecimentos sobre as possibilidades de lançamento de candidaturas de senadores quando já houver aliança definida em torno da candidatura ao governo do estado. Entre elas, se partidos coligados ao cargo de governador podem lançar individualmente candidatos para senador.

Ele também cobrou posição se um partido sem coligação pode lançar candidato ao Senado e se é obrigatório que as coligações firmadas na disputa ao governo do Estado sejam seguidas em relação ao Senado.

Foram favoráveis à medida os ministros Mauro Campbell, Benedito Gonçalves, Carlos Horbach e Alexandre de Moraes.  Os votos contrários foram dados pelos ministros Ricardo Lewandowski, Sergio Banhos e pelo presidente do TSE, Edson Fachin.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Decisão do TJ-SP a favor de criança autista abre caminho jurídico contra rol taxativo

O caso em que a 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) manteve a obrigação da cobertura...

Deputado é denunciado no Rio por violência política de gênero

O deputado estadual Rodrigo Amorim, do PTB-RJ, foi denunciado pela Procuradoria Regional Eleitoral no Rio de Janeiro, órgão do Ministério Público Eleitoral. De acordo...

Barra: MP-BA denuncia pai de santo e auxiliar por estupro de vulnerável e violência sexual

O Ministério Público do Estado (MP-BA) formalizou nesta segunda-feira (4) uma denúncia contra Claudimilson Ferreira Rodrigues, conhecido como "Pai Café". O líder religioso...