Deslizamento de terras no Peru deixa cerca de 150 casas soterradas

O pânico e o desespero apoderaram-se dos habitantes do...

Está estressado? Veja 20 formas para se ver livre

Acorda estressado, toma o café da manhã estressado, fica...

Machine Gun Kelly parte copo no rosto e fica repleto de sangue em palco

Machine Gun Kelly protagonizou um momento insólito na noite...

SAJ: Assaltante morre de infarto após fugir da polícia; homem roubava em rodoviária

Um homem morreu após assaltar diversas pessoas no...

STF: Nunes Marques ignora Fux e leva à 2ª Turma caso de Francischini

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Kassio Nunes Marques decidiu, nesta segunda-feira (6/6), levar para análise da 2ª Turma da Corte, nesta terça-feira (7/6), a decisão individual que devolveu o mandato do deputado estadual Fernando Francischini (União-PR).

Fernando Francischini teve o mandato cassado por propagar desinformação contra as urnas eletrônicas. Ele foi o primeiro parlamentar condenado por fake news contra as urnas. Na última quinta-feira (2/6), Nunes Marques suspendeu a cassação do parlamentar.

Além do próprio Nunes Marques, que presidente a 2ª Turma, os ministros Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Edson Fachin e André Mendonça votarão.

A decisão de levar o processo para a 2ª Turma veio após o ministro Luiz Fux ter marcado também para esta terça o julgamento do mandado de segurança impetrado pelo suplente de Francischini e que pede a anulação da decisão de Nunes Marques. O julgamento acontecerá em plenário virtual, em que os ministros apenas depositam os votos e não há debate.

Mais sobre o assunto Brasil PGR recorre da decisão de Nunes Marques de devolver mandato a deputado Política STF: plenário analisará devolução de mandato a deputado cassado na 3ª Política PT recorre ao STF de decisão que devolveu mandato a bolsonarista Justiça Nunes Marques vai levar à 2ª Turma decisão que devolveu mandatos A sessão marcada por Nunes Marques também acontecerá nesta terça, mas em formato presencial, a partir das 14h.

Nesta segunda, a Procuradoria-Geral da República (PGR) entrou com um recurso para manter a cassação do deputado Francischini. No documento enviado ao STF, o vice-procurador-geral Eleitoral, Paulo Gonet, defende a cassação, determinada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em outubro de 2021.

Mandato cassado Em outubro do ano passado, o TSE decidiu, por 6 votos a 1, punir Francischini por ter publicado um vídeo, no dia das eleições de 2018, em que afirma que as urnas foram fraudadas para impedir o voto no então candidato Jair Bolsonaro.

O deputado foi eleito em 2018 com 427.749 votos – a maior votação da história do Paraná para um político estadual. Na época do julgamento, junto à cassação do mandato, o TSE decidiu que o parlamentar ficaria inelegível por 8 anos. A Justiça Eleitoral ainda determinou que os votos obtidos por ele na eleição fossem anulados e uma nova totalização fosse feita pelo TRE-PR.

Fernando Francischini (PSL-PR) Fernando Francischini foi o primeiro político do país a ser cassado por fake news Reprodução/Twitter

Fernando Francischini Deputado estadual Fernando Francischini Memória EBC/Divulgação

fernando francischini Francischini foi investigado pelo uso indevido dos meios de comunicação e abuso de autoridade Geraldo Magela/Agência Senado

0 A decisão de Nunes Marques Ao suspender a cassação do deputado federal, Nunes Marques atendeu a um pedido da defesa de Francischini e da Comissão Executiva do PSL, que recorreu ao STF contra a decisão do TSE.

“É evidente que as redes sociais contribuem para o exercício da cidadania e enriquecem o debate democrático e a disputa eleitoral, dado o potencial de expressão plural de opiniões, pensamentos, crenças e modos de vida. Não cabe, sob o pretexto de proteger o Estado Democrático de Direito, violar as regras do processo eleitoral, ferindo de morte princípios constitucionais como a segurança jurídica e a anualidade”, justificou o ministro.

Segundo Nunes Marques, o vídeo do deputado não demonstrou impacto nas eleições que justificasse a cassação do mandato. “Faltam elementos mínimos aptos a comprovarem o comprometimento da disputa eleitoral em decorrência do que veiculado na transmissão”, disse o magistrado.

“As gravíssimas consequências atribuídas à configuração da utilização indevida dos meios de comunicação cassação de parlamentar eleito e declaração de inelegibilidade por oito anos requerem a demonstração de provas robustas e incontestes relativamente à quebra da normalidade e legalidade das eleições”, acrescentou.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

O post STF: Nunes Marques ignora Fux e leva à 2ª Turma caso de Francischini apareceu primeiro em Metrópoles.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RJ: Câmara põe sigilo sobre atuação de Carlos Bolsonaro na pandemia

Rio de Janeiro – A Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro negou um pedido de acesso a registros de participação remota de Carlos...

PEC Kamikaze: Novo deve ir ao STF contra a proposta

O Partido Novo deve ingressar com uma  Ação Direta de Inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a PEC Kamikaze, aprovada nesta quinta (30) no Senado....

Bolsonaro se irrita com eleitor em evento por pedir apoio a candidato ao governo do MS

Em evento na última quinta-feira, 30, em Campo Grande, o presidente Jair Bolsonaro (PL) se irritou com um apoiador que cobrou apoio a um...