Está estressado? Veja 20 formas para se ver livre

Acorda estressado, toma o café da manhã estressado, fica...

Machine Gun Kelly parte copo no rosto e fica repleto de sangue em palco

Machine Gun Kelly protagonizou um momento insólito na noite...

SAJ: Assaltante morre de infarto após fugir da polícia; homem roubava em rodoviária

Um homem morreu após assaltar diversas pessoas no...

Justiça obriga Unifacs a criar setor para atender alunos por erros em sistema

Por decisão judicial, a Unifacs deverá criar um...

Senadores dos EUA anunciam acordo bipartidário para aumentar controle sobre armas de fogo

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
b1a2944b2b5e6a65bdbfb19133418e7e0e6e3312w

Um grupo bipartidário de senadores dos Estados Unidos anunciou neste domingo, 12, um acordo para limitar a violência com armas de fogo após tiroteios no Texas e em Nova York, mas as medidas incluídas estão longe das demandas apresentadas pelo presidente Joe Biden. O acordo inclui mais rigor no controle de antecedentes para os compradores de armas com menos de 21 anos, o aumento dos recursos para que os estados mantenham tais armamentos fora das mãos de pessoas consideradas de risco e o combate ao comércio ilegal.

“Hoje anunciamos uma proposta bipartidária de senso comum para proteger as crianças americanas, manter nossas escolas seguras e reduzir a ameaça da violência em todo o país”, afirma um comunicado conjunto do grupo de 20 congressistas, democratas e republicanos. “Nosso plano aumenta os recursos necessários para saúde mental, melhora a segurança escolar e o apoio aos estudantes, além de ajudar a garantir que os criminosos perigosos e os que são considerados como pacientes mentais não possam comprar armas”, afirma o texto. Os senadores também pediram um investimento maior em serviços de saúde mental e para a segurança nas escolas, assim como a inclusão das condenações por violência doméstica e as ordens de restrição no banco de dados nacional de verificação de antecedentes.

Biden celebrou o anúncio e pediu aos congressistas que aprove o acordo rapidamente, mas deixou claro que as medidas não são tão profundas como gostaria. “Obviamente, não inclui tudo o que acho necessário, mas reflete passos importantes na direção correta e seria a legislação sobre segurança de armas mais significativa a ser aprovada no Congresso em décadas”, disse o presidente em um comunicado. “Com o apoio bipartidário, não há desculpas para o atraso e nenhuma razão para que passe rapidamente pelo Senado e pela Câmara”, acrescentou. O presidente havia solicitado reformas ainda mais profundas, como a proibição das vendas públicas de fuzis ou pelo menos o aumento da idade mínima de compra de tais armas, assim como reforço dos comprovantes de antecedentes do cliente.

*Com informações da AFP

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Novos ataques russos deixam 18 mortos na Ucrânia

Novos ataques russo na região de Odessa, na Ucrânia, deixou ao menos 18 mortos e dezenas de feridos. Os bombardeios aconteceram nesta sexta-feira, 1º,...

Rússia abandona ilha da Cobra, símbolo da resistência da Ucrânia

IGOR GIELOW (FOLHAPRESS) - Em mais um episódio da Guerra da Ucrânia engolfado pelo conflito de versões, a Rússia abandonou na madrugada desta quinta...

Hong Kong, 25 anos após retorno à China, tem mais de 1.000 prisioneiros políticos

(FOLHAPRESS) - Desde que entrou em vigor a Lei de Segurança Nacional em Hong Kong, em 2020, que tipificou e endureceu a pena para...