Ex-sem-teto Givaldo Alves vende ‘Pau de Mendigo’ sem aval da Anvisa

Após ficar famoso por ter mantido relações sexuais...

Anna Catarina emociona público no São João de Lafaiete Coutinho

A cantora Anna Catarina foi uma das principais...

Que tal Michelle na TV?

Você gostaria de ver Michelle Bolsonaro na televisão fazendo...

Segunda Turma do STF vai analisar decisão de Nunes Marques que derrubou cassação de deputado bolsonarista

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O ministro Nunes Marques decidiu levar para a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) a análise da decisão que devolveu o mandato ao deputado federal Valdevan de Jesus Santos, conhecido como Valdevan Noventa (PL-SE), cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por abuso de poder econômico e compra de votos. O julgamento ocorrerá nesta sexta-feira, 10, em sessão extraordinária do plenário virtual, com início à meia-noite e encerramento às 23h59 desta sexta-feira, 10. A liberação para a pauta foi feita dois dias depois de o colegiado analisar o caso do deputado estadual bolsonarista Fernando Francischini (União Brasil-PR), que também teve o mandato restabelecido por uma liminar do magistrado, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) para a Corte.

Após a decisão de Nunes Marques, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afastou o deputado federal Márcio Macêdo (PT-SE), que assumiu o mandato com a cassação de Valdevan Noventa, aliado de Bolsonaro na Casa. O parlamentar do PL foi cassado porque, de acordo com o TSE, moradores de municípios sergipanos foram pressionados para simular doações ao então candidato a deputado federal. A investigação mostrou dezenas de doações de R$ 1.050, feitos na mesma agência bancária e em dias próximos. Como a Jovem Pan mostrou, o Partido dos Trabalhadores (PT) já havia questionado a decisão de Nunes Marques no Supremo. Na sexta-feira, 3, a sigla pediu ao presidente da Corte, ministro Luiz Fux, a suspensão da liminar concedida por Marques. Na petição, o PT afirmava que o magistrado violou a competência do TSE. “A supressão de instância, no presente caso, viola a ordem pública, motivo pelo qual a decisão liminar do eg. Min. Nunes Marques deve ser cassada e representa uma afronta às regras processuais impostas, além de violar a competência do Tribunal Superior Eleitoral e o princípio da segurança jurídica”, diz um trecho do documento.

Leia também Bolsonaro pede ‘menor lucro possível’ a empresários do setor de alimentos MP-RJ entra com recurso de embargos de declaração antes de reiniciar investigação contra Flávio Bolsonaro

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Que tal Michelle na TV?

Você gostaria de ver Michelle Bolsonaro na televisão fazendo campanha para reeleger seu marido? Respostas de 3.286 leitores: Sim – 29,4% Não – 70,6% O...

Bolsonaro defende voto impresso e ataca ministro: ‘Barroso mente’

Em entrevista ao Programa 4x4, no Youtube, na noite deste domingo (26/6), o presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a defender o voto impresso e...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com