Hospital municipal da Bela Vista funciona de maneira irregular em São Paulo

Um hospital público funciona de maneira irregular na capital...

União Brasil vai anunciar apoio à candidatura de Rodrigo Garcia em SP

O União Brasil vai declarar apoio à candidatura de...

Alta no querosene fará preço de passagens aéreas subir, diz Abear

O reajuste de 3,9% no preço do metro...

Osid está com 64 vagas de trabalho temporário no Centro de Panificação

As Obras Sociais Irmã Dulce estão disponibilizando 64...

Rendimento domiciliar brasileiro tem queda recorde e atinge menor valor desde 2012

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
money 1632055 1920

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta sexta-feira, 10, dados que mostram que o rendimento médio mensal domiciliar caiu 6,9% no segundo ano da crise provocada pela pandemia de Covid-19, passando de R$ 1.454 em 2020 para R$ 1.353 em 2021. Este é o menor valor da série histórica, iniciada em 2012, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Os estados do Norte e Nordeste foram os mais prejudicados, apresentando queda de 9,8% e 12,5%, respectivamente, enquanto o Sul e Sudeste continuaram sendo os locais com maiores rendimentos (R$ 1.656 e R$ 1.645, respectivamente). Essa redução pode estar associada a ausência de renda extra, exceto as do aluguel, e a queda do rendimento médio do trabalho, explica a analista de pesquisa do IBGE, Alessandra Scalioni, que também aponta a mudança nos critérios de concessão do auxílio-emergencial ocorridas em 2021 como uma das principais causas.

PNAD grafico RendimentoMedio

Não foi só esse resultado que chama atenção, a queda no percentual de pessoas com algum rendimento também caiu. Saiu de 61% para 59,8%, retornando ao percentual de 2012, o menor da série. O rendimento médio mensal é calculado considerando pessoas que tenham algum tipo de rendimento, não importa qual seja ele. Agora, o domiciliar per capita considera a divisão do rendimento das pessoas que efetivamente o recebem entre as demais que vivem sob o mesmo teto.

O relatório do IBGE também apontou cinco tipos de renda que estão no nível mais baixo da série histórica, sendo que dois deles, Aposentadoria e Pensão e Outros rendimentos, apresentaram menor valor médio mensal. Desta forma, o item “Outras fontes”, que engloba, além desses, Aluguel e arrendamento (R$ 1.814) e Pensão alimentícia, doação e mesada de não morador (R$ 667), teve média de R$ 1.348, também atingindo o valor mais baixo.

PNAD grafico pessoas com rendimento

Para Scalioni, a inflação pode ser apontada como uma das responsáveis por essas quedas, uma vez que os valores da aposentadoria acompanham o reajuste do salário-mínimo e grande parte dos aposentados ganha o piso. “Como os reajustes não estão compensando a inflação, é natural essa perda de valor”, afirma a analista. Esses resultados contribuíram para o aumento da desigualdade de renda no país. Após relativa estabilidade em 2019 (0,544) e queda em 2020 (0,524), o índice de Gini do rendimento médio mensal domiciliar por pessoa aumentou em 2021, voltando ao patamar de dois anos antes (0,544). Quanto maior o Gini, maior a desigualdade.

Entre 2020 e 2021, todas as regiões apresentaram um aumento, mas o destaque fica novamente com o Norte e Nordeste onde “o recebimento do auxílio-emergencial atingiu maior proporção de domicílios durante a pandemia e que, por isso, podem ter sido mais afetadas com as mudanças no programa ocorridas em 2021”, explica Scalioni. Ou seja, no segundo ano de pandemia, o 1% da população brasileira com renda mais alta teve rendimento 38,4 vezes maior que a média dos 50% com as menores remunerações.

*Com informações do IBGE

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Planos de saúde registram aumento de clientes, mesmo com reajuste de preços

Mesmo diante de uma alta expressiva nos custos dos planos de saúde em junho, dados divulgados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) registram...

Brasil deve ter a maior temporada de cruzeiros dos últimos 10 anos

A temporada de cruzeiros 2022/2023 deverá ser a maior dos últimos dez anos, segundo estimativa da Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Clia Brasil, sigla...

Fome atingiu 828 milhões de pessoas em 2021, mostra relatório da ONU

O total de pessoas afetadas pela fome em todo o mundo aumentou em 150 milhões desde o início da pandemia do novo coronavírus, alcançando...