Mulher mata marido asfixiado e chama a polícia para se entregar

Um homem de 51 anos foi morto asfixiado pela...

Protestos no Equador já duram mais de duas semanas e causaram mais de R$ 500 milhões em prejuízos

Os milhares de manifestantes indígenas que seguem mobilizados em...

Tropicalismo, parceria com Caetano e governo Lula: Relembre a carreira e os 80 anos de Gilberto de Gil

Neste domingo, 26, Gilberto Gil, completa 80 anos. Bom...

Marcus D’Almeida faz história e conquista medalha de ouro inédita no Mundial de Tiro com Arco

Marcus D’Almeida brilhou na manhã deste domingo, 26, ao...

Projeto Prato Solidário distribui 200 cobertores na Praça da Estação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

Ajudar a quem precisa. E as ruas de BH estão cada dia mais cheias de quem procura por um prato de comida, uma garra de água, roupa limpa e cobertor para se proteger do frio. Neste domingo (12/6), na Praça da Estação, no centro da capital, integrantes do Projeto Prato Solidário distribuíam refeições, kits de higiene, cobertores, roupas, pares de meia e toucas para quem vive em total vulnerabilidade.

Marcos Aurélio Figueiredo Prates, de 48 anos, comerciante e um dos integrantes do projeto, tem como missão de vida estender a mão a quem precisa. Com ele, 49 participantes fazem o Prato Solidário ser presente na vida dos mais necessitados.

Marco Aurélio conta que todos os domingos, sempre na Praça da Estação, eles estão distribuindo o que é mais necessário para a sobrevivência de quem não tem nada ou quase nada: “Representamos diversos bairros e só não aparecemos nos domingos de evento na praça. Se não, estamos sempre lá.”

Ele conta que o Projeto Prato Solidário nasceu há oito meses, “após uma divergência de ideias e propósito do Projeto Macarronada Solidária”. 

Marco Aurélio destaca que toda semana tem o projeto tem uma meta, divulgada no Instagram do grupo @pratosolidariobh e @fraternidadebh, mas que não tem sido fácil: “A rua está cada dia mais cheia, muitos com fome, frio, sede. As doações caíram muito, pela metade. E quando não conseguimos, compramos do nosso bolso. Precisamos que a sensbilidade das pessoas retornem com mais força. Tem muita gente precisando de ajuda”.

Leia também:  A fome dispara no Brasil e atinge 33 milhões de pessoas.

Hoje (12), na Praça da estação, foram disponibilizados 200 cobertores. Teve ainda canjica, para aquecer ainda mais com a queda da temperatura.

 

 

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

AstraZeneca: validade estendida é eficaz e segura, diz professor da UFMG

Quem foi aos pontos de vacinação contra a COVID nas últimas semanas pode ter sido informado de que o imunizante ofertado era uma dose...

Cresce o uso de máscara na Feira Hippie, em Belo Horizonte

O aumento do uso de máscaras como proteção contra a COVID-19 e outras doenças respiratórias pode ser observado na feira da Avenida Afonso Pena,...

Polícia prende suspeitos de participar de explosão em agência do BB

 Dois suspeitos de participar de uma explosão a uma agência do Banco do Brasil, em abril de 2021, em Jacuí, foram presos neste sábado...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com