Rayssa Leal vence etapa de Seattle no Mundial de Skate Street; Pâmela Rosa fica no 2º lugar 

O Brasil conseguiu uma “dobradinha” na etapa de Seattle...

Tom Holland anuncia afastamento das redes sociais para cuidar da saúde mental

Tom Holland anunciou que irá ficar um tempo...

Baile Favellê reúne 25 artistas em apresentação exclusiva em Salvador 

Vinte e cinco artistas que integram o selo Favellê...

Filhote de baleia jubarte é encontrado morto na Praia de Ipitanga

Equipe do Projeto Baleia Jubarte esteve no...

Prévia da inflação de junho atinge 0,69%; alta em 12 meses é de 12,04%

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), considerado uma prévia oficial da inflação (IPCA), teve avanço de 0,69% no mês de junho, divulgou nesta sexta, 24, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número representa uma aceleração, após este índice registrar 0,59% em maio. Em junho de 2021, a taxa foi de 0,83%. Considerando o período de 12 meses, a taxa é 12,04%, bastante acima da meta do Banco Central (BC) de 3,5% para a inflação em 2022, com variações admitidas de 1,5% para mais ou para menos (ou seja, com piso em 2% e teto em 5%). No acumulado dos seis meses do ano até agora, o IPCA-15 registrou alta de 5,65%.

Os principais “culpados” pelo resultado foram o aumento nos planos de saúde, que ficaram em média 2,99% mais caros e responderam por 0,10% no aumento do IPCA-15, e o setor de Transportes, que ficou 0,84% e representou 0,19% do total; no entanto, o número é uma desaceleração em relação a maio, quando ficaram 1,8% mais caros. A desaceleração foi causada principalmente pelos combustíveis: embora o diesel tenha subido 2,83%, o etanol e a gasolina caíram 4,41% e 0,27%, respectivamente; por outro lado, outras partes do setor tiveram altas, como as passagens aéreas (11,36%), o seguro voluntário de veículo (4,20%) e o emplacamento e licença (1,71%). As motocicletas (1,66%), os automóveis novos (1,46%) e os automóveis usados (0,12%) também subiram. A conta de luz ficou 0,68% mais barata com o fim da bandeira ‘escassez hídrica’, mas o item ‘habitação’ teve alta de 0,66%. Todos os grupos monitorados pelo IBGE no IPCA-15 tiveram aumentos.

  • Vestuário: 1,77%
  • Saúde e cuidados pessoais: 1,27%
  • Artigos de residência: 0,94%
  • Transportes: 0,84%
  • Habitação: 0,66%
  • Despesas pessoais: 0,54%
  • Comunicação: 0,36%
  • Alimentação e bebidas: 0,25%
  • Educação: 0,07%

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Preço dos combustíveis pode registrar nova queda, dizem especialistas

Após quedas recentes, os preços dos combustíveis devem cair ainda mais. O valor do barril de petróleo sofreu uma diminuição de 1,5% na sexta-feira, 12, e o valor do...

‘O teto de gastos acabou, precisa pensar em nova alternativa’, afirma Maílson da Nóbrega

O ministro da Economia Paulo Guedes defende adotar a meta da dívida pública no lugar do teto de gastos. A regra constitucional está em vigor desde 2016. Em entrevista...

Lula promete manter o auxílio emergencial de R$ 600 em 2023

Em live ao lado do deputado André Janones (Avante), o ex-presidente Lula (PT) prometeu continuar com o auxílio emergencial em 2023. Janones abandonou a disputa para apoiar o petista...