Luva de Pedreiro reclama que empresário bloqueou até seu TikTok 

Em mensagem postada na noite deste domingo (26/6), o...

Bolsonaro confirma Braga Netto como vice em sua chapa

O presidente Jair Bolsonaro (PL) confirmou, ao programa 4x4...

Mulher mata marido asfixiado e chama a polícia para se entregar

Um homem de 51 anos foi morto asfixiado pela...

Protestos no Equador já duram mais de duas semanas e causaram mais de R$ 500 milhões em prejuízos

Os milhares de manifestantes indígenas que seguem mobilizados em...

PF encontra vestígios de sangue em barco de suspeito do desaparecimento de indigenista e jornalista

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

A Polícia Federal (PF) informou nesta quinta, 9, ter encontrado vestígios de sangue no barco de Amarildo da Costa de Oliveira, 41 anos, conhecido como ‘Pelado’, que é tratado como suspeito no caso do desaparecimento do indigenista brasileiro Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips. Pelado foi preso em flagrante na terça, 7, e já foi requerida a prisão temporária dele. O material coletado na embarcação foi levado para Manaus de helicóptero para passar por perícia. Segundo a PF, também prosseguiram as buscas por ar e pelos rios na área em que Pereira e Phillips foram avistados pela última vez no domingo, 5. Na quarta, 8, a PF informou que trabalha com todas as hipóteses, incluindo com a de que os dois tenham sido assassinados.

Segundo a União das Organizações Indígenas do Vale do Javari (Univaja), Pereira e Phillips teriam visitado uma base da Funai em Lago do Jaburu, onde o jornalista fez algumas entrevistas com alguns indígenas no sábado, 4, para um livro que estava escrevendo. Na manhã de domingo, os dois iniciaram o retorno para a cidade de Atalaia do Norte; eles teriam combinado com antecedência uma visita  à comunidade São Rafael, onde Pereira se reuniria com um pescador apelidado de ‘Churrasco’, para consolidar trabalho conjunto entre indigenistas e a comunidade. Eles chegaram no local por volta das 6h da manhã, onde falaram com a esposa de ‘Churrasco’, já que o mesmo não estava lá, e, logo em seguida, continuaram o caminho rumo a Atalaia do Norte, onde deveriam ter chegado por volta das oito ou nove horas. Não houve mais contato com o brasileiro e o britânico desde então. Pereira, que era membro da Unijava, havia recebido ameaças de morte por seu trabalho em defesa dos indígenas e contra as atividades ilegais na área, que tem atividades de traficantes, garimpeiros, caçadores e pescadores.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Familiares se despedem de Dom Phillips em funeral em Niterói

Familiares e amigos se despediram do jornalista Dom Phillips em um funeral realizado na manhã de hoje (26), em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro....

Gilmar Mendes testa positivo para Covid-19 e cancela participação presencial em Fórum Jurídico

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), testou positivo para o coronavírus (Covid-19) neste domingo, 26, em Portugal. Por conta disso, ele...

Klara Castanho: hospital abre sindicância para apurar vazamento de dados

O hospital em que Klara Castanho ficou internada, na Região Metropolitana de São Paulo, informou, por meio de nota, que vai abrir uma sindicância...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com