Ofensiva do Congresso contra a Petrobras expõe novo descompasso entre Câmara e Senado

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

A ofensiva de líderes partidários contra a Petrobras, exemplificada pela coleta de assinaturas para a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) e a discussão sobre a mudança da Lei das Estatais, expõe um novo descompasso entre deputados e senadores. Enquanto o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), defendeu publicamente a edição de uma medida provisória (MP) para alterar diretrizes da lei que rege critérios de governança das empresas públicas, e o líder do governo na Casa, Ricardo Barros (PP-PR), iniciou a busca por apoio para a criação da CPI, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), se opôs às movimentações.

Na noite da segunda-feira, 20, após reunião de líderes, Arthur Lira fez um pronunciamento à imprensa e pediu que o Ministério da Economia encaminhe o mais rápido possível um texto que altere a Lei das Estatais com o objetivo de garantir “uma maior sinergia” entre as empresas e o governo no momento. Na tarde desta terça-feira, 21, Pacheco foi na contramão. “Não me parece que seja a solução diante de um problema casuístico e circunstancial haver uma alteração em uma lei concebida e que foi dentro de critérios para poder se ter regras em relação às estatais para diminuir a interferência política e dar mais governança a essas empresas. Me parece que isso não é necessariamente uma solução para o problema que nós enfrentamos hoje”, disse o parlamentar mineiro.

Mais cedo, Pacheco já havia se posicionado contra a criação de uma CPI para investigar a Petrobras. Em coletiva, o presidente do Congresso afirmou que a proposta “não tem a mínima razoabilidade”. “Não sou favorável. Acho que não tem a mínima razoabilidade uma CPI em um momento desse por conta de um fato desse. Acho que há outras medidas, inclusive de índole legislativa e do Poder Executivo muito mais úteis para resolver o problema do que uma CPI”, declarou.

Esta não é a primeira vez que Pacheco se distancia das articulações capitaneadas por Lira, aliado do presidente Jair Bolsonaro. Na sexta-feira, 17, na esteira das críticas de ministros e líderes governistas à Petrobras, o parlamentar do PSD disse, em nota, que “não há dicotomia entre Petrobras e governo”, destacando que cabe ao Planalto a escolha do presidente e do conselho da estatal. “É inexistente a dicotomia Petrobras e Governo, pois a União é a acionista majoritária da estatal e sua diretoria indicada pelo Governo”, escreveu o mineiro. O comandante do Congresso também tem cobrado que os deputados votem o projeto de lei que cria uma conta de estabilização para os preços dos combustíveis. Aprovado em abril pelo Senado, o texto direciona dividendos da Petrobras para um fundo que seria aplicado na amortização dos preços em momentos de crise. A proposta, no entanto, está parado na Câmara.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Degradação e vidas em perigo rondam a polícia baiana

Todos os policiais já têm o risco como função, mas a tropa da Companhia Independente de Proteção Ambiental (Cippa) de Lençóis, na Chapada...

Que tal Michelle na TV?

Você gostaria de ver Michelle Bolsonaro na televisão fazendo campanha para reeleger seu marido? Respostas de 3.286 leitores: Sim – 29,4% Não – 70,6% O...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com