Com hat-trick de Morata, Atlético de Madrid goleia Juventus em amistoso

O Atlético de Madrid não tomou conhecimento da Juventus,...

Cônsul da Alemanha no Rio é preso por suspeita de matar o marido

O cônsul da Alemanha na cidade do Rio de...

Colônia domina Schalke e vence em sua estreia no Campeonato Alemão

O Colônia recebeu o Schalke, neste domingo, e saiu...

China expande exercícios em áreas a norte de Taiwan, e ilha critica desinformação

GUARULHOS, SP (FOLHAPRESS) - Os exercícios militares promovidos pela...

‘Objetivo da prisão de Milton Ribeiro é constranger o governo e igualá-lo ao de Lula’, diz Bolsonaro

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que o caso do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, acusado de denúncias de corrupção enquanto esteve à frente da pasta, é uma tentativa de constranger o governo atual. Ribeiro foi preso preventivamente na última quarta, acusado de corrupção, tráfico de influência e advocacia administrativa – segundo a Polícia Federal (PF), ele permitiu que pastores usassem o Ministério para pedir propina a prefeitos, em troca de levar os pedidos deles adiante. No dia seguinte, o ex-ministro foi libertado por um habeas corpus. Para Bolsonaro, a prisão foi injusta e, até o momento, não encontrou evidências de que Milton tenha cometido atos de corrupção. O presidente também se defendeu da acusação de que teria interferido nas investigações ao informar Ribeiro com antecedência que ele ser preso.

Inicialmente, Bolsonaro relembrou a acusação do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro de que ele havia tentado interferir na PF – um inquérito foi aberto em 2020 e ainda não foi concluído, e o vídeo de uma reunião ministerial que segundo Moro, teria provas da interferência, não as trouxe. Depois, o presidente comentou diretamente o caso de Ribeiro. “No caso do Milton agora, quem começou a investigação foi a Controladoria-Geral da União (CGU) a pedido do próprio Milton. O Milton achou que alguma coisa estava errada com as pessoas ao seu lado, a forma como era assediado, e pediu à CGU para que fizesse ali um pente fino em contratos e observasse a ação dessas pessoas na medida do possível e dentro da legalidade. E assim foi feito. Logo depois, a PF pegou esse relatório feito pela CGU e abriu uma investigação. Até que abriu o dia D, o dia da prisão do Milton. Deixo claro que o Ministério Público foi contra a prisão, não tinha indícios mínimos de corrupção por parte dele, e no meu entender, ele foi preso injustamente. O objetivo é constranger, humilhar, dizer que o governo é corrupto, que é igual ao do Lula. São narrativas que tentam a todo momento desgastar o governo, nada além disso. O que eu sei até o momento é que nenhum ministro meu errou, até porque nós temos mecanismos de filtros de ministérios que impedem a corrupção. Se acontecer algo de errado, a gente colabora com a investigação. Até o momento, não tem o mínimo indício de alguma coisa contra o ministro Milton”, garantiu Bolsonaro.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Bolsonaro define plano e aposta em candidatura de senador do PL para ‘amarrar’ Zema em segundo turno

O fim do prazo das convenções partidárias e a consequente definição das candidaturas expõem as estratégias do Partido Liberal (PL) e da campanha do presidente Jair Bolsonaro em Minas...

Sucesso de vídeo na Lapa mostra força do voto casado de Neto com presidenciáveis

Uma onda que já vinha sendo detectada nos eventos do candidato da União Brasil ao governo do estado, o ex-prefeito de Salvador ACM Neto, agora começa a tomar...

Tribunal Superior Eleitoral divulga patrimônio de sete presidenciáveis

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) disponibilizou, neste domingo (7), o patrimônio de sete dos 12 postulantes ao Palácio do Planalto para as eleições de 2022.  Na lista, Felipe...