Como será distribuída a fortuna de Chadwick Boseman (sem testamento)

Em agosto de 2020, o mundo do cinema ficou...

Dias D’Ávila: Câmara rejeita indicação de título de cidadão a ACM Neto

A Câmara de Dias D'Ávila rejeitou o projeto...

Juiz condena antiga Odebrecht a pagar R$ 28,3 mi de aluguel por ocupação ilegal de terreno

O juízo da 6ª Vara da Fazenda Pública...

Inscrições para a Copa Governador do Estado 2022 se encerram nesta sexta-feira

Prevista pela Federação Bahiana de Futebol (FBF) (veja...

Na Câmara, Petrobras afirma que não repassa oscilações do câmbio ao consumidor

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

Em audiência pública na Câmara dos Deputados sobre o aumento dos preços dos combustíveis e seus cálculos, o representante da Petrobras disse aos deputados da Comissão de Finanças e Tributação que a estatal mantém o equilíbrio com os preços praticados no mercado internacional e que não repassa oscilações do câmbio ao consumidor. O gerente de Previsão de Preços de Mercado e Vendas da empresa, Diogo Gonçalves Bezerra, afirmou ainda que a empresa responde por apenas uma parcela do preço da bomba.

“Hoje, a gente tem posicionamento de buscar esse equilíbrio acompanhando essas variações tanto para cima quanto para baixo, mas evitando o repasse da volatilidade do mercado internacional, e ainda mais com esse efeito da taxa de câmbio, é extremamente bolacha. A Petrobras, no passado, já teve uma prática de ajustes diários, isso já evoluiu e, hoje, a gente tem um posicionamento de não repassar essa volatilidade”, afirmou Bezerra. Segundo o executivo da Petrobras, desde janeiro de 2020, parcela de preços da estatal nas refinarias aumentou R$ 1,42 enquanto o preço de revenda subiu R$ 2,74.

O deputado Luiz Miranda (Republicanos-DF), que solicitou  a audiência, cobrou uma postura mais ativa da Agência Nacional do Petróleo (ANP) em relação à política de preços do setor. “Hoje, o mercado de energia tem lucro limitado a 15%. Uma das formas da gente regular, porque a ANP que aqui também participa [da audiência] não regula os preços, mas a Aneel regula os preços das distribuidoras de energia, que ela tenha uma lucratividade garantida de 15%, tanto para cima como para baixo. É um caso a se pensar, pegar o mercado de energia e transferir para um mercado que não deixa de ser de energia, está dentro do mesmo ministério, diga-se de passagem. Tratar a forma que é feita hoje no mercado de energia passar para os combustíveis. Aqui é uma ideia de alguém que não entendeu nada sobre como uma empresa que teve uma lucratividade tão alta e continua dizendo que o problema não é dentro da Petrobras”, disse. Um representante da ANP que participou da audiência esclareceu aos parlamentares que uma das responsabilidades da agência é a proteção do consumidor, mas sem interferir nos preços.

*Com informações da repórter Iasmin Costa

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Confiança aumenta na indústria, no comércio e nos serviços em junho, aponta FGV

A confiança dos empresários do comércio, da indústria e dos serviços aumentou no mês de junho, informou nesta quarta, 29, o Instituto Brasileiro de...

Confiança de serviços sobe 0,4 ponto em junho

O Índice de Confiança de Serviços (ICS), da Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 0,4 ponto de maio para junho deste ano. O ICS atingiu 98,7 pontos, em...

Inflação pelo IGP-M sobe para 0,59% em junho

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) registrou inflação de 0,59% em junho deste ano, percentual  maior que o de maio: 0,52%. Segundo informou hoje (29), a...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com