Prefeito de Itaberaba rebate Rui e diz que gestão de hospital não será privatizada

O prefeito de Itaberaba, Ricardo Mascarenhas (PP), rebateu...

Feirenses presas na Tailândia ficaram isoladas em presídio por 2 semanas, diz site

As duas irmãs feirenses presas na Tailândia por...

Defensoria pede nova reinterpretação de norma de colégio militar sobre penteado de alunos

A Defensoria Pública da Bahia (DP-BA) quer que...

‘É o momento de ajudar e dar o meu melhor’, diz Matheus Bahia sobre volta ao time

O lateral-esquerdo Matheus Bahia voltou a ser figura...

MP notifica condomínios de Praia do Forte por irregularidades

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

Moradores de dois condomínios de luxo na Praia do Forte, no Litoral Norte baiano, foram notificados pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) por irregularidades ambientais na região. O local é palco da principal área de desova de tartarugas do Atlântico Sul.

 

De acordo com o MP, entre as infrações está o desmate de vegetação nativa, sem autorização, por campos de grama sintética e quadras de tênis. Um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) foi enviado na última quarta-feira (15) a parte das pessoas citadas em um relatório elaborado no ano passado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano Mata de São João.

 

O documento apontou irregularidades em 90 casas de quatro condomínios (Acácias, Ipês, Jacarandás e Jangadas). Caso os danos não comecem a ser reparados no prazo de 30 dias proposto no TAC, os donos dos imóveis nos condomínios Ipês e Jaracandás podem ser indiciados por crime ambiental pelo Ministério Público da Bahia.

 

Segundo publicação do jornal Estadão, a decisão de notificar as partes por meio de TAC ocorreu em uma audiência realizada no dia 3 de junho, promovida pelo MP em Mata de São João, com participação do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) e do Projeto Tamar. De acordo com a informação, as infrações ambientais cometidas por condôminos do Acácias e do Jangadas ainda serão discutidas.

 

Um documento produzido pela Sedur de Mata de São João, em 2021, aponta que houve supressão de mata nativa sem licença ambiental, além de introdução de espécies exóticas e invasão de área de proteção ambiental nos condomínios.

 

As penalidades para as irregularidades apontas podem variar entre R$ 1 mil e R$ 5 mil por hectare a depender da área afetada, segundo lei vigente no município. Ainda conforme a publicação, a prefeitura de Mata de São João afirmou que contribui com o MP de acordo com as solicitações, mas que cabe ao Inema apurar as denúncias de supressão da vegetação.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

SAJ: Assaltante morre de infarto após fugir da polícia; homem roubava em rodoviária

Um homem morreu após assaltar diversas pessoas no terminal rodoviário de Santo Antônio de Jesus, no Recôncavo. O fato ocorreu na tarde desta...

Curaçá: Presidente Bolsonaro cancela visita à Festa do Vaqueiro

O presidente Jair Bolsonaro (PL) cancelou a visita à cidade de Curaçá, no Sertão do São Francisco, que estava marcada para este sábado...

Itororó: Fogo atinge área de fazenda de familiares de ator Marcos Palmeira

Um incêndio atingiu uma área da fazenda de familiares do ator Marcos Palmeira, em Itororó, no Sudoeste baiano, no final da tarde desta...