COVID-19: BH tem 3.114 novos casos e oito mortes em três dias

A pandemia de COVID-19 não chegou ao fim, como...

Bill Clinton critica decisão da Suprema Corte dos EUA que reverte legalização do aborto

O ex-presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, usou sua...

Brasileiro é escolhido pelo Golden State Warriors no Draft da NBA

O Brasil terá mais um representante na NBA. Gui...

Bolsa tem leve alta, mas não recupera quedas da semana; dólar sobe pelo terceiro dia consecutivo

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de...

Milton Ribeiro recebeu R$ 50 mil na conta de sua mulher, admite advogado

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

A defesa do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, preso nesta quarta-feira (22), admitiu que houve um depósito de R$ 50 mil na conta de Myriam Ribeiro, mulher do ex-chefe da pasta. O advogado Daniel Bialski alegou que o valor seria oriundo da venda de um carro.

O valor estaria ligado aos pastores. O criminalista não comentou a relação do depósito com o ex-ministro, nem nomeou o autor do depósito.

Milton Ribeiro, Arilton Moura, o pastor Gilmar Santos, o advogado Luciano Musse e o ex-assessor da Prefeitura de Goiânia Helder Bartolomeu foram presos nesta quarta-feira, 22. Contra o ex-ministro recaem suspeitas de corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência. Todos são investigados pelo ‘gabinete paralelo’ instalado no MEC, com favorecimento de pastores na distribuição de verbas – caso revelado pelo Estadão.

Musse foi nomeado gerente de projetos em abril do ano passado pelo próprio ministro e atuava como apoio aos religiosos. Helder Bartolomeu é ligado a Arilton Moura.

A operação que apura a prática de tráfico de influência e corrupção para a liberação de recursos públicos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) foi batizada como ‘Acesso Pago’ cumpre, ao todo, cinco ordens de prisão, solicitadas pela PF à Justiça. Além de Ribeiro, foram presos os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura, que estão no centro do esquema sob suspeita.

A Polícia Federal informou que, com base em documentos, depoimentos e relatório de investigação preliminar da Controladoria-Geral da União (CGU), ‘foram identificados possíveis indícios de prática criminosa para a liberação das verbas públicas’.

Em nota, a CGU declarou que abriu uma investigação preliminar sumária em 23 de março de 2022 para “apurar a possível atuação irregular de agentes públicos e privados na intermediação de políticas públicas vinculadas ao Ministério da Educação”. A investigação terminou em 23 de maio.

“No decurso da Investigação Preliminar Sumária também foi identificada a prática de atos suspeitos por pessoas que não se submetem à competência correcional da Controladoria-Geral da União”, informou a CGU.

“Os indícios relacionados às condutas de tais pessoas foram, conforme a legislação de regência, devidamente encaminhados à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal.”

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Carro destrói casa após colisão às 7h da manhã

Por volta das 7h da manhã, um HB20 vermelho se chocou com casa na esquina da rua Direta do Uruguai com a rua...

Homens armados fazem reféns em imóvel em Conceição do Jacuípe

Homens armados e encapuzados invadiram uma casa em Conceição do Jacuípe, no centro-norte do estado, na madrugada desta sexta-feira (24). Um grupo de...

São João: Nove pessoas são presas na Bahia com ajuda do reconhecimento facial

Nove pessoas já foram presas durante as festas de João na Bahia com ajuda do Sistema de Reconhecimento Facial da Secretaria da Segurança...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com