Ex-sem-teto Givaldo Alves vende ‘Pau de Mendigo’ sem aval da Anvisa

Após ficar famoso por ter mantido relações sexuais...

Caculé: Professor morre após ser atropelado por carro em alta velocidade

Um professor de 42 anos morreu na madrugada...

Luiz Flávio de Oliveira apita duelo entre Brusque e Bahia em Santa Catarina

O árbitro da Fifa Luiz Flávio de Oliveira,...

Opinião: A vidência mítica de Bolsonaro que nos ludibria o caos

A última semana foi...

‘Mais um escândalo de corrupção’, lamenta Bruno ao comentar prisão de Milton Ribeiro

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O prefeito de Salvador, Bruno Reis (União Brasil) lamentou que  o Brasil esteja diante de “mais um escândalo de corrupção” ao citar as denúncias que culminaram na prisão, na manhã desta quarta-feira (22), do ex-ministro da Educação do governo Bolsonaro, Milton Ribeiro. A Polícia Federal investiga a existência de um possível “gabinete paralelo”, no qual as verbas do FNDE eram repassadas a alguns municípios por intermédio de pastores evangélicos ligados ao governo, mediante pagamento de propina. 

O mandado de prisão preventiva foi expedido por ordem do juiz Renato Borelli, da 15ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal, e cita supostos crimes de corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência. Ribeiro foi localizado em Santos (SP). 

“Já acompanhei pela imprensa logo cedo. Eu vi as notícias. A gente lamenta mais um escândalo de corrupção. Esperamos que, havendo culpados, que eles possam ser responsabilizados”, comentou o prefeito durante entrevista coletiva. 

A operação que apura a prática de tráfico de influência e corrupção para a liberação de recursos públicos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação foi batizada como ‘Acesso Pago’ e ainda busca cumprir outras quatro ordens de prisão.

Entre os alvos das buscas estão o próprio Milton Ribeiro e os pastores Arilton Moura e Gilmar Santos – dupla que está no centro do esquema sob suspeita. O juízo da 15ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal também deferiu medida cautelar de proibição de contatos entre os investigados e envolvidos.

O inquérito foi aberto a pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, e por ordem do Supremo Tribunal Federal, em razão do foro privilegiado de Milton Ribeiro, à época ainda ministro da Educação. Após o aliado do presidente Jair Bolsonaro deixar o governo em meio ao escândalo, a ministra Cármen Lúcia remeteu o inquérito para primeira instância.

A Polícia Federal informou que, com base em documentos, depoimentos e relatório de investigação preliminar da Controladoria-Geral da União, ‘foram identificados possíveis indícios de prática criminosa para a liberação das verbas públicas’.
 

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Líder do tráfico de Várzea da Roça é preso durante festa junina em Mairi

Um homem que é apontado pela polícia como líder do tráfico de Várzea da Roça foi preso neste domingo (26) durante a festa...

Ativistas pedem Justiça por Phillips e Pereira e protestam pelo meio ambiente

Um ato reuniu manifestantes na Lapa, região central do Rio, na tarde deste domingo, 26, para pedir justiça pelas mortes do jornalista britânico...

PM morre em batida entre moto e carro na BR-030, em Brumado

Um policial militar morreu ao bater a moto que pilatava em um carro, na BR-030, em Brumado, no sudoeste baiano. O acidente que...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com