Quem é o zagueiro que renovou com o Galo e foi relacionado na Libertadores

Conforme apurou o Superesportes, o Atlético estendeu o contrato...

Veja os looks do live-action de ‘Barbie’ com Margot Robbie e Ryan Gosling

Margot Robbie encontra-se em gravações para o filme ‘Barbie’...

Zé Cocá busca apoio para avançar com PEC da Redução da Alíquota do INSS

O presidente da União dos Municípios da Bahia...

Presidente do Vitória confirma interesse no lateral Patric Calmon

O presidente do Vitória, Fábio Mota, confirmou o...

Juíza decreta prisão temporária de suspeito pelo desaparecimento de Dom e Bruno

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

A Justiça do Amazonas decretou na noite desta quinta-feira (9) a prisão temporária, pelo prazo de 30 dias, de Amarildo da Costa de Oliveira, o Pelado, que é suspeito envolvimento no desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips, na região do Vale do Javari, no Amazonas.

A prisão foi determinada pela juíza Jacinta Silva dos Santos, da Vara Única de Atalaia do Norte, em audiência de custódia. As audiências de custódia servem para o juiz analisar a legalidade das prisões em flagrante e a necessidade de continuidade da detenção ou a possibilidade de eventual concessão de liberdade.

Após os 30 dias, a prisão temporária pode ser renovada ou convertida em preventiva, que não tem prazo determinado. A manutenção da medida depende das eventuais provas reunidas pelos investigadores. O processo é sigiloso.

Normalmente, as prisões temporárias têm duração de cinco dias, mas no caso de crimes hediondos o prazo pode ser de um mês.

Pelado foi preso em flagrante na terça-feira, 7, por porte ilegal de munições. Neste ponto, a juíza impôs medidas cautelares. A prisão temporária foi determinada pela suspeita de envolvimento com o desaparecimento do indigenista e do jornalista.

Em buscas nesta semana, a Polícia Federal (PF) encontrou vestígios de sangue na embarcação dele. O material genético foi enviado para perícia. Uma testemunha também o colocou no centro das suspeitas pelo desaparecimento.

Embora autoridades federais estejam envolvidas nas buscas, coube à Justiça do Estado decretar a prisão porque há suspeita de homicídio doloso. Nesse caso, a competência para investigação é da Justiça comum.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Justiça nega pedido de liberdade a empresário acusado de atropelar e matar dentista na Bahia

A Justiça negou, nesta terça-feira (28), o pedido de liberdade para o empresário Tharcísio Aguiar, suspeito de atropelar e matar a dentista Ranitla Bonella, de 23...

Procurador que espancou a chefe em Registro vira réu por tentativa de feminicídio

A Justiça de São Paulo aceitou nesta terça-feira, 28, a denúncia do Ministério Público do Estado contra o procurador municipal de Registro, no...

Pedido para criação da CPI do MEC é protocolado no Senado

Com 31 assinaturas, quatro a mais que o mínimo de 27 necessárias, senadores da oposição protocolaram nesta terça-feira (28), na Secretaria-Geral da Mesa do Senado,...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com