Ex-sem-teto Givaldo Alves vende ‘Pau de Mendigo’ sem aval da Anvisa

Após ficar famoso por ter mantido relações sexuais...

São João de Porto Seguro recebe 80 mil pessoas em show de Amado Batista

O cantor Amado Batista, que completa 47 anos...

Bolsonaro diz que anunciará Braga Netto como candidato a vice

Jair Bolsonaro (PL) afirmou na noite deste domingo (26/6)...

Inflação de maio desacelera, mas acumula alta de 11,73% em 12 meses

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
A inflação oficial perdeu força em maio, mas continua na casa de dois dígitos no acumulado em 12 meses, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgado nesta quinta-feira (09/06).

De acodo com os números do órgão ligado ao Ministério da Economia, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) registrou alta de 0,47% em maio, dado 0,59 ponto percentual abaixo da taxa de 1,06% de abril.

 
O resultado ficou abaixo do esperado pelo mercado (0,60%) e foi puxado, principalmente, pelo grupo Transportes, responsável por 0,30 ponto percentual – ou seja, mais da metade (63%), do indicador de inflação -, com avanço de 1,34%.  Em maio de 2021, o IPCA havia registrado alta de 0,83%.
No acumulado do ano, o IPCA acumula alta de 4,78%, acima do centro da meta de inflação determinada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), de 3,5%, e cada vez mais próximo do teto da meta, de 5%.
Em 12 meses até maio, o IPCA acumulou elevação de 11,73%, abaixo dos 12,13% registados no mesmo período até abril. O indicador de dois dígitos ainda demanda uma política monetária mais contracionista do Banco Central para conter a alta do custo de vida em 2023, uma vez que analistas consideram a meta deste ano perdida pelo segundo ano consecutivo. Em 2021, o IPCA foi de 10,06%, quase o dobro do teto da meta, de 5,25%.
Dos nove grupos pesquisados para o IPCA, oito registraram alta de preços. A exceção foi no grupo Habitação, que recuou 1,70%, impactando negativamente no indicador em 0,26% ponto percentual, devido ao fim da bandeira extra de escassez hídrica e o retorno da bandeira verde na conta de luz.
O grupo Vestuário registrou alta de 2,11%, influenciado pelas altas de 2,65% nas roupas masculinas e de 2,18% nas roupas femininas. No grupo Transportes, a maior contribuição da alta de 1,34% foi decorrente das passagens aéreas, que dispararam 18,33%, em maio, após terem subido 9,48% em abril.
 
Os combustíveis desaceleraram em relação ao mês anterior, com alta de 1% após subir 3,20% em abril, por conta do ritmo menor de reajustes da gasolina e do etanol, que passaram de 2,48% e de 8,44%, em abril, para 0,92% e -0,43%, em maio, respectivamente.
“O resultado corrobora para a leitura de que alguns grupos atingiram em parte certo teto uma vez que já subiram de maneira relevante, logo não é razoável supor altas ainda maiores na margem. Este parece ser o caso do grupo alimentação por exemplo que após subir 2,06% no mês anterior avança apenas 0,48% em maio”, destacou o economista André Perfeito, economista-chefe da Necton Investimentos. Com esse resultado, ele aposta que o Banco Central deverá elevar a taxa básica de juros (Selic) “em apenas mais uma alta de 50 pontos base”, levando a Selic para 13,25% e parando neste patamar.

Entre as capitais, Fortaleza registrou a maior variação do IPCA em maio, de 1,41%. Já Vitória ficou na lanterna entre as 16 regiões metropolitanas pesquisadas com deflação de 0,08%. Contudo, apenas uma capital, Belém, registrou alta acumulada do IPCA abaixo de 10%.

 
Belém, com variação de 0,36% na inflação oficial de maio, registrou 9,52% de elevação no IPCA acumulado em 12 meses. Brasília registrou inflação abaixo da média, de 0,31%, em maio. No acumulado em 12 meses, o indicador registrou elevação de 10,85%.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Entenda as medidas que governo e Congresso têm trabalhado para baixar os preços dos combustíveis

Controlar a escalada dos preços dos combustíveis é um dos grandes desafios do governo, principalmente com a proximidade das eleições. O presidente Jair Bolsonaro...

Entenda as medidas que governo e Congresso têm trabalhado para baixar os preço dos combustíveis

Controlar a escalada dos preços dos combustíveis é um dos grandes desafios do governo, principalmente com a proximidade das eleições. O presidente Jair Bolsonaro...

Pressionada, Petrobras se tornou ‘bode expiatório’ do governo e do Congresso; troca de presidente não deve ter efeito

O aumento no preço dos combustíveis se tornou uma das principais preocupações do governo federal e do Congresso Nacional nos últimos dias. Segundo dados...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com