Canela é uma verdadeira aliada da boa saúde; saiba mais!

Poucos alimentos beneficiam tanto o metabolismo e a saúde...

Primo de Wanessa Camargo diz que cantora e Dado Dolabella assumiram namoro

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Se para o grande...

Após determinação da Anvisa, Sesab diz que ainda não irá apreender lotes da losartana

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou,...

Aramari: TJ-BA aceita novamente denúncia contra prefeito por manter lixão

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça...

“Hediondo”. Zelensky acusa Rússia de deportar à força 200 mil crianças

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky ressaltou nesta quarta-feira, que, pelo menos, 200 mil crianças foram deportadas para a Rússia desde o início da invasão russa da Ucrânia.

Na sua comunicação diária ao país sobre o 98.º dia da invasão, Zelensky acusou a Rússia de cometer um dos “crimes de guerra mais hediondos”: a “deportação à força tanto de adultos como crianças”. 

“No total, mais de 200 mil crianças ucranianas foram deportadas até agora. Estas são órfãs de orfanatos. Crianças com pais. Crianças separadas das suas famílias”, frisou. 

O objetivo, segundo Zelensky, é “fazer com que os deportados esqueçam a Ucrânia e não possam regressar”.

O chefe de Estado ucraniano revelou ainda que “durante os 98 dias da invasão russa, 689 crianças ficaram feridas como resultado dos ataques dos ocupantes”, alertando que o número pode aumentar, uma vez que não se dispõe ainda de “toda a informação do território que está atualmente ocupado”.

“Mas pelo que se sabe hoje – 446 crianças ficaram feridas, 243 crianças morreram. 139 desapareceram”, explicou.

Considerando que o dia 1 de junho é “um dia especial em que os adultos prestam atenção aos direitos das crianças, à segurança e ao desenvolvimento dos nossos filhos”, Zelensky sublinhou que, desde 24 de fevereiro, “todos os dias são agora um dia de proteção”  para os ucranianos. “Proteção de todo o nosso povo, das crianças, do nosso futuro. Proteção de um país livre onde cada criança possa, quando crescer, viver a vida que deseja. Sem coerção e opressão”, afirmou.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

EUA vai reforçar presença militar em seis países da Europa para fortalecer segurança no Báltico

Os Estados Unidos vão reforçar a presença militar em seis países da Europa – Polônia, Romênia, Espanha, Itália, Reino Unido e Alemanha -, além...

Incêndio em Paris faz uma dezena de feridos, três em estado grave

Um incêndio, ainda em curso, em Paris, França, fez já dezenas de feridos, três deles em estado grave. As chamas deflagraram num edifício no 16.º...

Nobel da Paz Maria Ressa diz que Filipinas mandou fechar site investigativo Rappler

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A dois dias do fim da Presidência de Rodrigo Duterte nas Filipinas, o governo emitiu uma ordem para fechar...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com