Ponte Salvador – Ilha de Itaparica: MP recomenda realização de estudos técnicos

Os promotores de Justiça Cristina Seixas Graça, Ivan...

Brasil avança em 2º do grupo e pega a Colômbia nas quartas do Mundial sub-20 feminino

A seleção brasileira feminina sub-20 terminou na segunda...

SAJ: Estudante é baleado após assalto a mulher em frente a colégio

Um estudante foi baleado na noite desta terça-feira...

Como você deve entender os ataques de Bolsonaro à democracia

Esqueça todos os ataques de Bolsonaro às urnas eletrônicas...

Hamilton, Mercedes e FIA respondem Piquet após uso de termo racista

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
A fala com termo racista usada pelo ex-piloto Nelson Piquet para se referir ao britânico Lewis Hamilton foi repudiada pelos principais agentes da Fórmula 1. Hamilton, inclusive, mandou o recado em português, pelas redes sociais, de forma objetiva e direta, e depois postou outra mensagem, em inglês. 

“O ‘neguinho’ meteu o carro e não deixou (desviar). O Senna não fez isso. O Senna saiu reto. O ‘neguinho’ deixou o carro, e é uma curva muito de alta, não tem como passar dois carros. Ele (Hamilton) fez de sacanagem. Sorte que foi que só o outro (Max Verstappen) que se f***”, disse Piquet ao jornalista Ricardo Oliveira, do Canal Enerto.

O trecho compara o acidente entre Ayrton Senna e Alain Prost, durante a largada do GP do Japão de 1990, e o choque entre Hamilton e Max Verstappen no início do Grande Prêmio de Silverstone de 2021. Nesse último, em julho, o inglês tocou o pneu no carro do holandês, que acertou a barreira de proteção, gerou a interrupção da corrida.
A entrevista foi gravada em novembro de 2021 e ganhou muito destaque nos últimos dias, após ser divulgada nas redes sociais.

Nesta terça-feira (28), Hamilton respondeu um seguidor que sugeriu ao piloto que ele “apenas tuitasse ‘quem é Nelson Piquet?’ e, então, fechasse o Twitter”. “Imagine”, escreveu Lewis, que também publicou uma mensagem em português: “Vamos focar em mudar a mentalidade”.

“É mais do que linguagem. Essas mentalidades arcaicas precisam mudar e não têm lugar no nosso esporte. Eu fui cercado por essas atitudes e alvo na minha vida toda. Houve muito tempo para aprender. Chegou a hora da ação”, concluiu Hamilton, em inglês.

Entidades repudiam declaração de Piquet

Com a grande repercussão, os organizadores da Fórmula 1 repudiaram, no perfil oficial da entidade, o termo “neguinho” utilizado pelo ex-piloto.

“A linguagem discriminatória ou racista é inaceitável sob qualquer forma e não tem parte na sociedade. Lewis é um embaixador incrível do nosso esporte e merece respeito. Seus incansáveis esforços para aumentar a diversidade e a inclusão são uma lição para muitos e algo com o qual estamos comprometidos na F1”, escreveu no Twitter.

“A FIA condena veementemente qualquer linguagem e comportamento racista ou discriminatório, que não tem lugar no esporte ou na sociedade em geral. Expressamos nossa solidariedade a Lewis Hamilton e apoiamos totalmente seu compromisso com a igualdade, diversidade e inclusão no esporte a motor”, acrescentou a Federação Internacional de Automobilistmo.

A Mercedes, equipe de Hamilton, também se posicionou sobre a fala de Piquet, afirmando que condena “nos termos mais fortes qualquer uso de linguagem racista ou discriminatória de qualquer tipo”.

“Lewis liderou os esforços do nosso esporte para combater o racismo, e ele é um verdadeiro campeão da diversidade dentro e fora das pistas. Juntos, compartilhamos a visão de automobilismo diversificado e inclusivo, e este incidente destaca a importância fundamental de continuar lutando por um futuro melhor”, publicou no Twitter, recebendo o apoio da Ferrari por meio da resposta “estamos com vocês” e de uma mensagem dizendo que é “contra qualquer forma de descriminação”.

Cidadão honorário do Brasil

Em 9 de junho, Lewis Hamilton recebeu o título de Cidadão Honorário do Brasil da Câmara dos Deputados.

A distinção foi aprovada em votação simbólica. O projeto teve autoria do deputado federal André Figueiredo (PDT-CE). Um dos argumentos do parlamentar foi de que a devoção de Hamilton ao tricampeão mundial de Fórmula 1 Ayrton Senna.
“O vencedor do mais recente GP de Interlagos foi o piloto britânico, Sir Lewis Carl Davidson Hamilton, que utilizou um capacete especial, homenageando Ayrton Senna com as cores nacionais que o piloto brasileiro tão bem representava. Ao fim da corrida, Hamilton repetiu Senna ao carregar a bandeira brasileira em uma volta de consagração pelo autódromo e ergueu o pavilhão nacional no pódio durante a premiação”, justificou o deputado.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Fittipaldi se candidata ao Senado da Itália pela extrema direita

 O bicampeão mundial de Fórmula 1 Emerson Fittipaldi será candidato ao Senado da Itália pelo partido da deputada de extrema direita Giorgia Meloni, que lidera as pesquisas de intenção...

Alex Albon renova com a Williams até 2023

 "Entendo que a Williams Racing, com meu acordo, publicou um comunicado de imprensa esta tarde indicando que pilotarei para eles no ano que vem. Isso está certo e assinei...

Alpine anuncia Oscar Piastri para substituir Alonso na Fórmula 1 em 2023

 A Alpine anunciou nesta terça-feira (2) que o australiano Oscar Piastri será o companheiro de equipe de Esteban Ocon para a próxima temporada da Fórmula 1 em 2023.O piloto...