Texto da PEC que amplia benefícios vai ser mantida pelo relator na Câmara

O deputado Danilo Forte (União-CE), relator da PEC...

Lucas Selfie faz piada após treta entre Dynho e Christian Figueiredo

Lucas Selfie foi o co-host da entrevista de Christian...

Godoy sobre caso MEC: “Só Milton Ribeiro pode dizer o que aconteceu”

Em audiência pública na Câmara dos Deputados, o ministro...

‘Bostil’: dualidade do termo provoca críticas ao governo Bolsonaro

O termo “bostil” tem se popularizado com a insatisfação...

Guto critica vaias da torcida na derrota do Bahia: ‘Querem o lateral do Liverpool?’

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O técnico Guto Ferreira saiu em defesa do time e criticou parte da torcida que vaiou o Bahia na derrota para o Athletico-PR por 2 a 1, de virada, na noite desta quarta-feira (22), na Arena Fonte Nova, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil.

 

“Quero agradecer ao torcedor que defendeu o Luiz Henrique, encobrindo as vaias injustas que ele recebeu, e lamentar que continuamos tendo, a cada erro, uma situação lamentável onde através das vaias parte da torcida tira toda a tranquilidade do jogador que errou e de todo o grupo, pois o grupo sente pelo companheiro. Quem fez isso não veio torcer para o Bahia. Veio torcer para si próprio. Torcer para um time que está vencendo é muito fácil. Agora torcer quando se precisa ultrapassar etapas… hoje era um situação dessa. Uma equipe que é terceiro na Série B, jogando contra um time que está em terceiro na Série A. Jogando de igual para igual saímos na frente. Erramos, mas não deixamos de lutar”, criticou na entrevista coletiva.

 

Guto também defendeu o lateral Douglas Borel, que foi alvo das vaias dos torcedores. O comandante ironizou questionando se querem a contratação de um atleta do Liverpool para a posição.

 

“Lamentável aqueles que vaiaram, e obrigado aqueles que aplaudiram. Se cada um que tiver um erro for vaiado da maneira que está sendo e eu tiver que poupar, nós não vamos ter time para terminar a competição. Muitas vezes o jogador não entende. Está treinando para caramba e não recebe oportunidade. O Borel tem 19 para 20 anos, é um ativo do clube. Quem que nós vamos trazer aqui? O lateral do Liverpool? Vamos trazer quem para a zaga? Os melhores do mundo? Quem que a torcida quer? Jogador que há dez partidas era o craque. Aí teve uma lesão, vem em uma evolução, mas não fez gol ainda. Aí o que acontece? Já tem gente querendo vaiar. Onde vamos chegar? Sei que 70% da torcida está do nosso lado, peço que eles encubram quem não vem para torcer pelo Bahia”, continuou. “Nesse momento é apoio, não é vaia. Se a equipe não estivesse se esforçando, eu seria o primeiro a aceitar a vaia. Nos jogos dentro de casa, nenhum nós ficamos devendo em termos de empenho. Podemos não ter ganho, mas não ficamos devendo em empenho. Não estou querendo criticar. Estou querendo chamar para uma reflexão”, completou.

 

Sobre a escalação do Tricolor, Guto explicou a opção por Mugni, Rezende e Patrick no meio. Porém, ele admitiu a dificuldade da equipe na marcação.

 

“A busca foi de tentar ganhar mais força defensiva e ter um poder de ataque com mais movimentação da bola. Por isso a entrada de Luiz Henrique, que a ultrapassagem é mais rápida que a do Djalma. O Mugni teve muita coisa positiva, e o posicionamento que a gente tentou, em determinado momento, ficou um pouco sacrificante para ele e para o Patrick. Porque, em algum momento, a gente não conseguiu compensar o lado oposto para fechar os laterais na virada da bola. O primeiro gol acontece em uma jogada onde o Mugni está distante e o cara cruza lá de trás. Não deu tempo de fechar. Se ele segue com a bola, o Mugni fecha, mas não deu tempo porque ele cruzou de longe. No segundo gol, foi uma infelicidade do Luiz [Henrique] ter escorregado. O Luiz Henrique fecha certinho, faz a antecipação, mas, na hora que vai tocar na bola, escorrega. No segundo tempo, retomamos o posicionamento de 4-2-3-1 para fechar os lados deles. Resumindo, teve coisas muito boas, conseguimos agregar coisas importantes, mas também tiveram coisas ruins. É normal acontecer isso. Vamos ver como vai ser no próximo jogo, até porque não vamos ter o Patrick”, analisou.

 

Com a derrota, o Bahia precisa vencer o Athletico-PR por dois gols de diferença no jogo de volta para avançar de fase na Copa do Brasil. A partida será no dia 12 de julho, às 20h30, na Arena da Baixada. O triunfo do Tricolor por um tento a mais leva a decisão para os pênaltis. Porém, o time baiano, terceiro colocado na tabela com 25 pontos, volta seu foco para a Série B, onde volta ao gramado no próximo sábado (25), às 16h, contra o Novorizontino, novamente na Fonte Nova, pela 14ª rodada.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Aporte da CBF à Série D ajuda a ‘manter prática do futebol viva’, diz presidente da FTF

O aporte designado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) aos clubes da Série D (veja aqui) serve para "manter a prática do futebol...

Corinthians, Atlético-PR, Galo e Inter decidem futuro na Libertadores e Sul-Americana

Nesta terça-feira, 5, serão decididos os quatro primeiros classificados para as quartas das competições intercontinentais sul-americanas. Corinthians, Atlético-MG e Athlético Paranaense decidem as vagas...

Da quadra para o campo: Novo contratado do Vitória, Honório começou no futsal

Os primeiros aprendizados dele com a bola não foram no gramado, mas sim na quadra. Novo contratado do Vitória, Gabriel Honório começou no...