Disputa pelo Planalto traz debate sobre desigualdade de gênero na política

Pela primeira vez, o Brasil terá, desde a redemocratização,...

Nove bairros ficam sem água em Belo Horizonte neste domingo (07/08)

Nove bairros da região Oeste tiveram o fornecimento de...

Lutador Leandro Lo é baleado por policial militar durante show em SP

O lutador e oito vezes campeão mundial de jiu-jitsu,...

Cônsul alemão preso por suspeita na morte do marido é transferido para presídio

O cônsul Uwe Herbert Hahn, do Consulado da...

G7 lança programa para investir US$ 600 bilhões em países em desenvolvimento

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

Os países do G7 lançaram um grande programa de investimento de US$ 600 bilhões para as nações em desenvolvimento, destinado a responder às grandes obras financiadas pela China, anunciou neste domingo, 26, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. “Com os parceiros do G7, buscamos mobilizar US$ 600 bilhões até 2027 para investimentos globais em infraestrutura”, declarou a Casa Branca pouco antes de um discurso do político democrata, no qual ele apresentou essa proposta, durante a cúpula dos sete países mais industrializados do mundo, no sul da Alemanha. O G7 “estabeleceu como ambição fazer no mundo uma melhor oferta em matéria de investimento em infraestrutura”, ressaltou o chanceler alemão Olaf Scholz, que apresentou o projeto ao lado do presidente americano.

Os Estados Unidos prometeram mobilizar cerca de “US$ 200 bilhões” em cinco anos para esse programa. Mas essa palavra, “mobilizar”, não significa que os Estados aportarão essas enormes quantias. Os países do Ocidente desejam se destacar em relação à China, que investiu maciçamente em muitos países para construir infraestruturas através do programa chamado de “Novas Rotas da Seda” e para garantir acesso a algumas matérias-primas. Pequim é acusada de realizar projetos através de empréstimos pouco vantajosos, que podem agravar os problemas de endividamento dos países mais vulneráveis.

A ofensiva chinesa “existe há alguns anos e se traduz por muitos investimentos em dinheiro e investimentos múltiplos”, disse neste domingo um alto responsável da Casa Branca. “Mas ainda não é tarde”, assegurou, em relação à iniciativa do G7. “A África Subsaariana será claramente uma prioridade maior” da ação lançada pelo G7, acrescentou. Além disso, ele assegura que a América Central, o Sudeste Asiático e a Ásia Central são também “regiões bastante importantes”.

*Com informações da AFP

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Israel e palestinos negociam cessar-fogo; número de mortos sobe para 31

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Israelenses e palestinos concordaram com uma trégua em Gaza a partir da noite desde domingo (horário local, 14h de Brasília), mediada pelo Egito, disseram...

Ataques de Israel na Faixa de Gaza deixam quase 30 pessoas mortas

O Ministério da Saúde da Faixa de Gaza informou neste domingo, 7, que a Operação Amanhecer – deflagrada pelas Forças Armadas israelenses contra possíveis ataques da Jihad Islâmica –...

Disputa dos direitos de Taiwan por EUA e China marca início de mais um capítulo da Guerra Fria 2.0

A visita da presidente da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, a Taiwan deu início a mais um capítulo da Guerra Fria 2.0 e aumentou as tensões...