Prefeito de Itaberaba rebate Rui e diz que gestão de hospital não será privatizada

O prefeito de Itaberaba, Ricardo Mascarenhas (PP), rebateu...

Feirenses presas na Tailândia ficaram isoladas em presídio por 2 semanas, diz site

As duas irmãs feirenses presas na Tailândia por...

Defensoria pede nova reinterpretação de norma de colégio militar sobre penteado de alunos

A Defensoria Pública da Bahia (DP-BA) quer que...

‘É o momento de ajudar e dar o meu melhor’, diz Matheus Bahia sobre volta ao time

O lateral-esquerdo Matheus Bahia voltou a ser figura...

FGV: Indicador Antecedente de Emprego sobe 1,4 ponto

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp), divulgado hoje (7) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV/Ibre) atingiu em maio o maior nível desde dezembro, ao subir 1,4 ponto, para 80,9 pontos. Em dezembro de 2021, o indicador ficou em 81,8 pontos.ebcebc

O IAEmp combina séries de dados extraídas das Sondagens da Indústria, de Serviços e do Consumidor, para antecipar as tendências do mercado de trabalho no país, se relacionando com o nível de emprego.

Em médias móveis trimestrais, o IAEmp chegou a 78,5 pontos em maio, um aumento de 2,0 pontos. De acordo com o economista da FGV/Ibre Rodolpho Tobler esta segunda alta seguida do indicador sugere um cenário mais favorável para o mercado de trabalho no segundo trimestre.

“A melhora do quadro sanitário, após o surto do início do ano, e um certo aquecimento da atividade econômica parecem contribuir para a melhora do indicador. Ainda é preciso cautela, dado que o indicador ainda se mantém em patamar baixo e com perspectivas de recuperação lenta”.

Tobler avalia que a atividade econômica segue com projeção baixa para o ano de 2022 por causa da inflação alta e da política monetária mais restritiva.

Componentes

No mês de maio, cinco dos sete componentes do IAEmp contribuíram para o resultado positivo. O destaque foi a Indústria, cujos indicadores de Situação Atual dos Negócios e de Tendência dos Negócios contribuíram com 0,9 e 0,5 ponto, respectivamente.

Sondagem de Serviços – Emprego Previsto e Sondagem de Serviços – Tendência dos Negócios variaram 0,1 ponto. Sondagem do Consumidor – Emprego Local Futuro variou 0,3 no mês.

Tiveram contribuição negativa os indicadores de Situação Atual dos Negócios de Serviços e o de Emprego Previsto da Indústria, que variaram -0,2 e -0,1 ponto.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Minas Gerais, Rio de Janeiro e Santa Catarina anunciam redução no ICMS

Os Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Santa Catarina anunciaram nesta sexta, 1º de julho, uma redução na alíquota do Imposto sobre Circulação...

Banco Central aumenta projeção de inflação

O Banco Central (BC) atualizou as projeções macroeconômicas no Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado ontem, reforçando o aumento dos riscos e das pressões...

STF dá mais prazo para RJ tentar se manter em regime de recuperação fiscal

O Estado do Rio de Janeiro e a União assinaram o acordo de adesão do Estado ao plano de regime de recuperação fiscal. O...