Oito homens morrem em troca de tiros com a Polícia Militar em Curitiba

Oito homens foram mortos pela Polícia Militar do Paraná...

Confira na íntegra as cartas da USP e da Fiesp pela democracia

Na manhã dessa quinta-feira, 11, foi realizada a leitura...

Frente fria pode trazer ventania e ressaca à cidade do Rio de Janeiro

O Sistema Alerta Rio informa que a passagem de...

Uber se posiciona sobre a denúncia do golpe do cheiro em carros de transporte por aplicativo

Após veiculação da matéria sobre nutricionista passar mal em...

Feira: Pessoas ‘madrugam’ em busca de atendimento na Defensoria

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

Quem precisou de atendimento na manhã desta quarta-feira (29), na sede da Defensoria Pública de Feira de Santana, localizada na Avenida Maria Quitéria, teve que ter paciência e aguardar na fila, com um frio beirando cerca de 18º C.

 

Analice Lima das Virgens, foi uma das pessoas que estava no aguardo do atendimento. Segundo ela, precisava resolver uma situação vinculada ao cartão de crédito.

 

“Hoje eu vim aqui na Defensoria para buscar orientações, porque eu fiz um pagamento e a empresa parcelou a minha fatura, sendo que eu não tinha solicitado. Então estou aqui para colher estas orientações, para saber o que devo fazer. Deveria ter chegado um pouco mais cedo, porém tive um atraso e acabei pegando esta fila aqui, ainda mais, de manhã cedo com este frio que está fazendo na cidade”, contou.

 

Também no aguardo do atendimento, Karine Siqueira, informou ao Acorda Cidade, parceiro do BN, que foi acompanhar o processo de divórcio. “Eu dei entrada no mês de fevereiro, mas como ainda não tive nenhum resultado, hoje eu vim buscar uma resposta, saber como está o andamento do processo”, disse.

 

Em busca de apoio através de políticas públicas, Kelly Alves, contou à reportagem que o município deveria ter um olhar também voltado para o público LGBTQIAP+.

 

“Eu vim aqui na Defensoria Pública em busca de um apoio do promotor público, para resolver ações do LGBT, políticas públicas, estou vindo buscar apoio porque a gente não tem apoio dos vereadores, dos deputados, do prefeito, não querem ajudar esta população LGBT, e ficam se afastando, enrolando. Marcam reunião e nunca acontece, porque eles inventam histórias e estou aqui procurando a Defensoria Pública para nos apoiar”, relatou.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Expediente Jurídico: Diversidade e inclusão, um caminho sem volta

Diversidade e inclusão nas empresas é um tema urgente e desafiador. Podemos descrever como um movimento global e um conjunto de estratégias para aumentar a presença de diversos...

STF adia retomada de julgamento sobre Lei de Improbidade

O Supremo Tribunal Federal (STF) adiou, hoje (10), a retomada do julgamento sobre a constitucionalidade das alterações promovidas na Lei de Improbidade Administrativa (Lei 8.429 de 1992). A norma...

Exército não indicará substituto para fiscalizar sistema de votação

O Exército informou hoje (10) que não vai indicar um substituto para o coronel que foi descredenciado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) da equipe que inspeciona os códigos-fonte da...