‘Aqui não é comício’, diz Elba Ramalho em meio a gritos de ‘Fora, Bolsonaro’

A cantora Elba Ramalho interrompeu um coro de...

Último dia de festa junina em Salvador tem público animado

Forró, brincadeiras, comidas típicas e vontade de que...

PM morre em batida entre moto e carro na BR-030, em Brumado

Um policial militar morreu ao bater a moto...

P

Na tarde deste domingo, o Palmeiras visitou o Avaí,...

Entidade indígena classifica assassinato de Bruno e Dom como ‘crime político’

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

A União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja) classificou o assassinato do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips como “crime político”. De acordo com o movimento, que representa os sete povos que habitam as terras indígenas na região, desde 2021 as autoridades sabiam sobre as invasões no Vale Javari, por parte de uma quadrilha de pescadores e caçadores profissionais, que resultaram na morte das vítimas. O grupo também ressaltou que teme a continuidade das investigações.

Em nota divulgada nesta quarta-feira, 15, a Univaja destacou que Bruno e Dom eram defensores dos direitos humanos e morreram desempenhando atividades em benefício dos povos indígenas. O documento também relata que o movimento, por meio da Equipe de Vigilância da Univaja (EVU), colheu informações sobre as invasões na região do Vale do Javari. “Enviamos uma série de ofícios com informações qualificadas ao Ministério Público Federal, à Polícia Federal e à Fundação Nacional do Índio”, informa. O grupo afirma que nos ofícios estão indicados a formação de uma quadrilha de pescadores e caçadores profissionais, vinculados a narcotraficantes, que entraram no território para extrair recursos e vendê-los em regiões próximas. “Fornecemos informações através de nossas denúncias às autoridades competentes. Mas as providências não foram tomadas com a devida rapidez. Por isso, hoje assistimos ao assassinato de nossos parceiros”, lamenta.

A Univaja ainda manifestou a preocupação com a continuidade das investigações. “Pelado e Dos Santos (suspeitos presos na terça-feira,14, por envolvimento no crime) fazem parte de um grupo maior”. O grupo finaliza fazendo um apelo as autoridades, solicitando maior aprofundamento nas investigações. “Precisamos de fiscalização territorial efetiva no interior da Terra Indígena Vale do Javari. Precisamos que as Bases de Proteção Etnoambiental (Bapes) da Funai sejam fortalecidas”, concluiu em nota.

 

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Klara Castanho: hospital abre sindicância para apurar vazamento de dados

O hospital em que Klara Castanho ficou internada, na Região Metropolitana de São Paulo, informou, por meio de nota, que vai abrir uma sindicância...

Vereador de Porto Alegre morre durante prova de natação em Fortaleza

O vereador Mauro Zacher (PDT), de Porto Alegre, morreu, aos 46 anos, durante uma prova de natação na manhã deste domingo, 26, em Fortaleza....

Polícia prende três suspeitos de participar em assaltos a joalherias em shopping de Campinas

As Polícias Civil e Militar prenderam neste domingo, 26, três suspeitos de participar do assalto a duas joalherias no Shopping Dom Pedro II, em...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com