Apple está interessada em transformar podcasts em séries

A Apple acaba de assinar um acordo com uma...

É pra ontem! Três dicas para sair da friend zone

Você tem uma relação com uma pessoa, que já...

Dia dos Pais está chegando! Veja os famosos que têm muitos filhos

Criar uma criança é um trabalho árduo. Com dois...

Segundo SMS, agentes foram orientados sobre protocolo de ação contra a varíola

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Salvador...

Entenda as medidas que governo e Congresso têm trabalhado para baixar os preço dos combustíveis

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
fup20201126224

Controlar a escalada dos preços dos combustíveis é um dos grandes desafios do governo, principalmente com a proximidade das eleições. O presidente Jair Bolsonaro (PL) sabe o quanto essa conquista poderia favorecê-lo junto à opinião pública – os coordenadores da campanha à reeleição admitem, nos bastidores, que o aumento das tarifas da gasolina e do diesel impedem o crescimento do mandatário do país nas pesquisas. De acordo com o levantamento mais recente divulgado pelo Datafolha, seu principal oponente na disputa pela reeleição, o ex-presidente Luíz Inácio Lula da Silva, está com 47% das intenções de voto, ante 28% do chefe do Executivo federal. Com uma inflação de 12,4% nos últimos 12 meses corroendo o salário dos contribuintes, as altas dos preços são vistas politicamente como um dos grandes entraves para o presidente deslanchar.

Desde o ano passado, lideranças governistas e a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, vêm trabalhando em uma série de propostas que vão desde medidas para reduzir o preço do combustível no posto de abastecimento a políticas de ajuda financeira. Guedes propõe, por exemplo, um Auxílio-Caminhoneiro de R$ 1.000, para compensar a alta dos preços do diesel, a ampliação do Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família, e do Vale-Gás. Há ainda a possibilidade da criação de um fundo de amortização de preços, constituído a partir do lucro que o governo tem na Petrobras.

Na quinta-feira, 23, Bolsonaro conseguiu sua primeira vitória nessa guerra e sancionou a lei que cria um teto de 17% para cobrança do Imposto sobre o Comércio de Mercadoria e Serviços (ICMS) que incide combustíveis, energia, transporte e telecomunicações – essa alíquota é variável conforme a região e, em alguns lugares, como no Rio de Janeiro, ultrapassa a casa dos 30%. Em reação, 11 Estados entraram com ação de inconstitucionalidade contra a medida no Supremo Tribunal Federal (STF). Em entrevista à Jovem Pan, Alexandre Chaia, professor de Economia do Insper, fez um balanço da viabilidade das propostas que têm sido citadas como alternativas para debelar a inflação.

Redução do ICMS 

“Ele reduz o preço do combustível, mas não necessariamente para o consumidor. A diferença pode virar margem de lucro para o comerciante. Essa é uma discussão que acontece agora nos Estados Unidos. O presidente Joe Biden reduziu US$ 0,18 o litro do combustível. A medida é ineficiente no Brasil, porque o dólar continua pressionado. O preço do combustível é dolarizado. Vai chegar uma hora que o aumento será inevitável. Outro ponto problemático está diretamente ligado à diminuição definitiva na receita dos Estados e municípios. Atualmente, como diz Bolsonaro, eles estão em situação financeira confortável, mas ao longo de um ano ou mais, com a diminuição do recurso, haverá o impacto negativo no repasse às pastas da Educação e da Saúde.

Auxílio financeiro

“Ele é adequado e efetivo a curto prazo. Ajuda quem tem menos recursos para lidar com a alta dos preços. Além de tudo, é uma medida temporária. O Brasil precisa recompor os salários. O governo conseguiu diminuir o desemprego, mas os salários diminuíram”.

Fundo amortecedor 

“Considero o melhor de todos. A Petrobras é uma empresa privada. O Brasil é um dos acionistas e recebe dividendos. O governo poderia pegar o lucro que recebe para diluir os aumentos. Essa é uma solução de longo prazo para conseguir um equilíbrio nos preços.”

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Consórcio Novo Caracol vence leilão de concessão de parques no RS

O Consórcio Novo Caracol foi o vencedor do leilão do projeto da Concessão dos Parques Estaduais do Caracol e do Tainhas, no Rio Grande do Sul (RS), com a oferta de R$ 150.000.000,50, o que representa um deságio de 5.341,15% em...

Petrobras reduz preço do diesel vendido às distribuidoras em R$ 0,22 por litro

A Petrobras anunciou nesta quinta-feira, 11, que a partir de amanhã, sexta-feira, 12, o preço médio de venda de diesel para as distribuidoras passará de R$ 5,41 para R$...

Guedes prepara propostas para contas públicas de 2023

O ministro Paulo Guedes disse em evento que novas propostas estão sendo preparadas para aumentar o desempenho das contas públicas. Gudes voltou a afirmar que o teto de gastos...