Cruzeiro x Chapecoense: veja as fotos do duelo no Mané Garrincha

Veja as fotos da partida entre Cruzeiro e Chapecoense,...

Coritiba x Atlético: onde assistir ao jogo pela Série A do Brasileirão

Coritiba e Atlético se enfrentarão neste domingo (14/8), às...

São Paulo x Bragantino: onde assistir ao jogo pela Série A do Brasileirão

São Paulo e Red Bull Bragantino se enfrentarão neste...

O português Vítor Pereira definitivamente “subiu no telhado”

O Palmeiras é um líder cada vez mais tranquilo;...

Dom e Bruno: trabalho da dupla terá continuidade

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
O trabalho feito pelo indigenista Bruno Pereira e o jornalista britânico Dom Phillips terá continuidade. Um livro sobre como salvar a Amazônia estava sendo produzido em uma expedição pelo Vale do Javari (AM), local onde os corpos foram localizados, apontando as violações de direitos humanos na região.
 
Dessa forma, com o “Programa Tim Lopes” da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), colegas estão na região para concluir as investigações.
 
Leia também: Histórico de mortes na defesa da Amazônia vai além de Dom e Bruno 
A dupla foi dada como “desaparecida” em 5 de junho, após dois meses de investigações a respeito de denúncias indígenas.
 
 Conforme a apuração do jornalista Sérgio Ramalho, da Abraji, Bruno teria identificado que um secretário municipal e três servidores nomeados pelo prefeito teriam participação em pesca e caça predatórias e invasão de Terra Indígena.
 
Entre esses servidores, está o parente de Amarildo da Costa Oliveira, o “Pelado”, que foi preso por suspeita de ter participado do assassinato da dupla. Ele, inclusive, é citado como o chefe local do principal grupo de invasores.
 
Leia também: Corpo de Bruno Pereira é cremado no Recife com homenagens de indígenas 
 
 

Caça e pesca predatórias 

Um dos colaboradores indigenistas, que mantém o anonimato, trabalhava com Bruno e deu detalhes à Abraji sobre a caça e pesca predatórias na região.
 
Vale ressaltar, antes de mais nada, que este é o nome dado à pesca que burla a legislação brasileira e provoca extinção de mamíferos aquáticos, diminuição de populações de quelônios, peixes e animais de valor econômico.
Entre eles, os pirarucus e tracajás são algumas dos mais valorizadas neste mercado clandestino. No entanto, no Vale do Javari, “o grupo também coleta ovos dessa espécie de cágado e caça mamíferos de médio porte, como a anta e o queixada, chamado de porcão pelos indígenas”.
 
Leia também:  Bruno e Dom: dupla foi morta por munição de caça
 
De acordo com a fonte ouvida pela Abraji, o “Pelado”, citado anteriormente, atuava como elo nessa cadeia de economia ilegal e atraía pescadores para expedições nas Terras Indígenas (que têm acesso proibido de não indígenas).
 
Assim, segundo a denúncia, ele “garantia um constante fluxo de mercadorias ao narcotraficante, que as enviava para a Colômbia e o Peru”. 
 
 
 

Prejuízo 

 
Essas expedições de grande porte têm um financiamento entre R$ 10 mil a R$ 20 mil, mas que tinha um lucro quatro vezes maior. Os grupos de pescadores chegam a ocultar as embarcações para não despertar atenção de fiscais, “sobretudo no período em que o indigenista Bruno Pereira coordenava o trabalho”.
 
Leia também:  

Povo Xukuru homenageia Bruno Pereira: ‘vive em cada um de nós’
 
“Rígido no cumprimento da lei, Bruno costumava impôr prejuízos a essa cadeia de economia ilegal. Contudo, além da apreensão dos peixes e quelônios, Bruno também danificava embarcações e seus motores, aumentando mais as perdas do grupo criminoso e a fúria dos predadores”, apontou o informante.
E continua: “O ativista conta que Bruno Pereira vinha fornecendo informações ao jornalista Dom Phillips sobre as relações suspeitas envolvendo pescadores ilegais com o narcotráfico e políticos da região. Dom estava escrevendo um livro sobre a TI do Vale Javari.”
 

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Mega-Sena 2510 e outras loterias: confira os números sorteados (13/8)

A Caixa sorteia neste sábado (13/8) a Mega-Sena 2510 que pode pagar R$ 27 milhões ao apostador que acertar sozinho as seis dezenas. O evento é realizado no Espaço da...

STF: maioria é contra ação para anular pagamento a profissionais de saúde

O Supremo Tribunal Federal formou maioria de seis votos para rejeitar a uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI) proposta pelo governo federal. A ação pretendia anular a lei que...

Ladrão armado invade escola e assusta alunos na Zona Norte de SP

Um homem armado invadiu uma escola em São Paulo durante o período de aulas. As câmeras de segurança captaram a ação do homem. O assalto aconteceu na sexta-feira, 12,...