Tom Holland anuncia afastamento das redes sociais para cuidar da saúde mental

Tom Holland anunciou que irá ficar um tempo...

Baile Favellê reúne 25 artistas em apresentação exclusiva em Salvador 

Vinte e cinco artistas que integram o selo Favellê...

Filhote de baleia jubarte é encontrado morto na Praia de Ipitanga

Equipe do Projeto Baleia Jubarte esteve no...

Bia Haddad perde a final do WTA de Toronto para Simona Halep

A final do WTA 1000 de Toronto não...

Custo de vida desacelera em maio na região metropolitana de São Paulo

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O Custo de Vida por Classe Social (CVCS) apontou alta de 0,6% em maio na região metropolitana de São Paulo. Mesmo assim o resultado demonstra uma desaceleração no custo de vida já que, no mês anterior, a variação registrada foi 1,33%.ebcebc

Segundo o índice da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), a desaceleração foi resultado, principalmente, da redução da tarifa da energia elétrica residencial (-11,7%), após o regresso à bandeira verde, o que refletiu nos custos ligados à habitação que recuaram 1,6%.

No grupo da habitação, a queda do preço do gás de botijão (-3%) também contribuiu para a menor alta do CVCS. A maioria dos outros grupos analisados teve aumento, sendo a mais significativa a dos transportes, de 1,99%. A alta foi puxada tanto pelo comércio quanto pelos serviços. No primeiro caso, houve elevações da gasolina (1,3%) e do óleo diesel (4,2%), além de alta das motocicletas (3,3%) e dos acessórios e peças (2%). Já no segundo, o que mais influenciou o resultado foi o aumento das passagens aéreas (21,6%), impactado, também, pela subida do preço do petróleo.

Segundo o índice, a alimentação, que subiu 0,66%, espalha a inflação em diversos itens, como o queijo (4,5%), o feijão (6,7%), o pão francês (1,6%) e a alcatra (3,4%). Produtos que subiram excessivamente nos últimos meses tiveram correções nos seus valores, como o tomate, que lidera a queda, com -25,2%, seguido da alface (-4,4%) e da cenoura (-17,5%).

O reajuste dos preços dos medicamentos no fim de abril impactou os custos ligados à saúde, que subiram 1,05%, encarecendo os anti-inflamatórios (3,8%); os analgésicos e antitérmicos (3,4%); os produtos de higiene e beleza (5,1%); e os sabonetes (2,8%). O impacto foi maior para as faixas de renda mais baixas: para as classes E e D houve avanços de 1,97% e de 1,68%. Já para a classe A, o aumento médio foi de 0,98%.

O vestuário apresentou alta de 1,88% em maio, com destaque para as camisas e as calças infantis, ambos com variação de 3,8%, seguidas das camisas masculinas e as calças femininas (3,7%). As outras altas foram verificadas nos artigos do lar (0,36%); nas despesas pessoais (0,45%); e na comunicação (0,17%). Apenas o grupo da educação apresentou queda (-0,05%).

“Ainda não é possível apontar a desaceleração como uma tendência para o custo de vida na região metropolitana de São Paulo. As commodities agrícolas e de energia continuam em alta no mercado internacional. Além disso, o câmbio sofre pressão, o que dificulta o cenário de redução dos importados e de produtos negociados e relacionados à moeda norte-americana internamente”, analisou a FecomercioSP.

Segundo a entidade, vale ressaltar o novo reajuste dos combustíveis feito pela Petrobras em junho, o que deve manter o CVCS pressionado. Ainda que os preços de alguns itens da alimentação, que tiveram grande aumento no início do ano, estejam voltando à normalidade, afetam menos o CVCS. Portanto, não há indicativo de melhora nos custos e no impacto do orçamento das famílias no curto prazo.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Preço dos combustíveis pode registrar nova queda, dizem especialistas

Após quedas recentes, os preços dos combustíveis devem cair ainda mais. O valor do barril de petróleo sofreu uma diminuição de 1,5% na sexta-feira, 12, e o valor do...

‘O teto de gastos acabou, precisa pensar em nova alternativa’, afirma Maílson da Nóbrega

O ministro da Economia Paulo Guedes defende adotar a meta da dívida pública no lugar do teto de gastos. A regra constitucional está em vigor desde 2016. Em entrevista...

Lula promete manter o auxílio emergencial de R$ 600 em 2023

Em live ao lado do deputado André Janones (Avante), o ex-presidente Lula (PT) prometeu continuar com o auxílio emergencial em 2023. Janones abandonou a disputa para apoiar o petista...