Ministro da Justiça nega ter falado com Bolsonaro sobre operação da PF contra Ribeiro

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson...

Olivia Rodrigo e Billie Eilish protestam contra suspensão do direito ao aborto

As cantoras Olivia Rodrigo e Billie Eilish se...

Incêndio atinge dois laboratórios do Instituto de Ciências da Saúde da Ufba

Dois laboratórios no Instituto de Ciências da Saúde...

Al-Rayyan aceita proposta, mas James Rodríguez recusa oferta do Botafogo

A imprensa colombiana noticiou que o Al-Rayyan-CAT aceitou proposta...

Convocação de ministro da Justiça causa bate-boca em comissão na Câmara

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
A comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (1º/6), requerimento para ouvir o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, a respeito da abordagem de policiais rodoviários federais, em Sergipe, que resultou na morte de Genivaldo de Jesus. O pedido foi feito em requerimento pelos deputados da oposição Talíria Petrone (PSol-RJ), Túlio Gadêlha (Rede-PE) e Alexandre Frota (PSDB-SP).
A tratativa para a aprovação foi marcada por uma discussão acalorada entre os parlamentares governistas e a oposição. Petrone acusou os deputados, sem citar nomes, de estarem a mando dos milicianos. “Não é possível que tenha tanta desumanidade na fala de quem acha natural esse tipo de atitude. Espero que essa comissão esteja a serviço do povo e não da lógica de enxugar sangue”, declarou.
A base aliada a Jair Bolsonaro (PL) alegou que não precisaria ser feita uma convocação, porque o ministro aceitaria ir até a comissão se fosse convidado. Na prática, o argumento é uma tentativa de não desgastar a imagem do governo, que é candidato à reeleição.
O líder da Frente Parlamentar Evangélica, Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), saiu rapidamente da reunião para levar um pedido de retirada de convocação ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).
Enquanto isso, deputados da oposição, como o líder do PSB, Bira do Pindaré (MA), defendem a ideia de que a convocação serviria de defesa para a própria instituição da polícia. “Crimes praticados por agentes do Estado são mais impactantes. Eles devem dar o exemplo. É estranho se não fizermos nada a respeito”, disse ao Correio.
De acordo com ele, o ministro foi convocado para explicar também sobre o motivo da retirada das disciplinas de direitos humanos da grade curricular de formação da PRF e sobre como está sendo o treinamento dos policiais. Além de ouvir o ministro sobre providências e estratégias para prevenir crimes como o cometido a Genivaldo, os parlamentares querem entender como podem auxiliar no tema dentro do Congresso.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Ministro da Justiça nega ter falado com Bolsonaro sobre operação da PF contra Ribeiro

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, negou neste domingo, 26, que tenha conversado com o presidente Jair Bolsonaro sobre a...

‘Sinal que vem das ruas é de esperança com a volta de Lula’, afirma Jerônimo no interior

A correria do pré-candidato a governador do Estado pelo PT, Jerônimo Rodrigues, tem sido intensa durante os festejos juninos. "A caminhada junto com...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com