Salvador amplia 4ª dose de vacina contra Covid-19 para população com 18 anos ou mais

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) anunciou a...

Relação de gestores com contas reprovadas pelo TCE-BA tem 543 nomes; veja lista

Entre os gestores baianos, 543 deles estão na...

Na 5ª colocação, técnico do Londrina se mantém confiante no acesso: ‘Vamos jogo a jogo’

Atualmente na quinta colocação da Série B, com...

Jequié: PM apreende cerca de 130 quilos de maconha em bagageiro de ônibus turístico

128 tabletes de maconha foram apreendidos na noite...

Consequência do atual cenário econômico, demissões em massa ocorrem em startups brasileiras

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
student 849826 1280

Não são poucas as marcas bem sucedidas de fintechs, empresas de tecnologia que anunciaram demissões em massa na última semana. O momento não é bom para novos modelos de negócios. Inflação, alta da taxa selic, recessão econômica, incertezas têm afugentado investidores. Um levantamento feito por uma empresa de dados, revela que as startups brasileiras captaram menos da metade de investimentos que foram negociados no mesmo mês do ano passado. No acumulado do ano até aqui, os valores também reduziram, passando de US$ 3,2 bilhões em 2021 para US$ 2,6 bilhões em 2022. A queda de investimentos em fintechs vem sendo registrada também fora do Brasil. O relatório do Sling Hub, plataforma de inteligência para a América Latina, mostra que, em abril, os valores caíram 12% em abril na comparação com março e 35% em relação ao mesmo período em 2021

A sócia de uma startup que ajuda a alavancar outros negócios e especialista em marketing em comunidades, Adriana Almires, observou um aumento de clientes, pois, sem investidores, as fintechs estão migrando ainda mais para estratégias de venda. “Temos uma mudança de cultura. As pessoas viveram um modelo de startups até agora, que seria um modelo muito parecido com o modelo americano, e agora existe uma mudança, que é uma tendência normal da economia. A gente percebeu, sim, uma mudança geral de comportamento das startups e de outros clientes em geral”, afirma.

Na contramão da realidade desse nicho de mercado está a empresa de Fábio Ieger que, ao invés de demitir, está contratando, além de ter conseguido fechar negócio com um grande parceiro do ramo de bancos. O motivo é que a startup dele foi criada para oferecer crédito aos pequenos empreendedores, uma grande demanda do mercado atualmente. “Hoje, 90% dos negócios são formados por uma pequena empresa, ela é uma MEI, uma MI ou uma EPP. Estamos falando de 18 milhões de CNPJ. Somente no ano passado a gente criou novos quatro milhões de CNPJ”, lembra.

*Com informações da repórter Carolina Abelin

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Presidente do BC diz que inflação está alta e enxerga sinais de estabilização

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou, nesta segunda-feira, 15, que a inflação no Brasil está alta, mas que enxerga sinais de estabilização. Para ele, as...

‘Transformei R$ 3.000 em R$ 34.140’: analista choca mercado ao revelar como multiplicou seu dinheiro por mais de 11 vezes

Já pensou em multiplicar seu dinheiro por mais de 11 vezes? Foi exatamente isso que esse analista fez nos últimos 176 dias (e ele quer que você faça a...

A empresa com lucro recorde maior que o PIB de mais de metade dos países do mundo

A gigante petrolífera saudita Saudi Aramco bateu seu próprio recorde com um lucro de US$ 48,4 bilhões no segundo trimestre de 2022.É um aumento de 90% em relação ao...