Aporte da CBF à Série D ajuda a ‘manter prática do futebol viva’, diz presidente da FTF

O aporte designado pela Confederação Brasileira de Futebol...

Texto da PEC que amplia benefícios vai ser mantida pelo relator na Câmara

O deputado Danilo Forte (União-CE), relator da PEC...

Lucas Selfie faz piada após treta entre Dynho e Christian Figueiredo

Lucas Selfie foi o co-host da entrevista de Christian...

Godoy sobre caso MEC: “Só Milton Ribeiro pode dizer o que aconteceu”

Em audiência pública na Câmara dos Deputados, o ministro...

Com R$ 1,2 mi em multas, mineradora segue escavando

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

 

O incessante escavar do solo para remover minério e despejar em caçambas de caminhões em área considerada tombada por Belo Horizonte da Serra do Curral já rendeu mais de R$ 1,2 milhão em multas para a mineradora Gute Sicht, segundo informações da fiscalização da prefeitura da capital mineira.

 

O empreendimento Mina Boa Vista foi interditado pela Prefeitura de BH em 25 de maio e, apesar de a Advocacia-Geral do Estado (AGE) defender o Termo de Ajustamento de Condutas (TAC) que permitiu a atividade – e o estado inclusive cancelar multas e embargos de seus próprios fiscais –, a Procuradoria-Geral do Município contesta a manifestação da empresa e da AGE na 5ª Vara da Fazenda.

 

A PBH informa que a mineradora Gute Sicht já acumula 18 autuações, que totalizam R$1.268.656,75 em multas, por provocar degradação ambiental e por descumprimento da interdição municipal. A reportagem esteve na mina e constatou que as atividades prosseguem a pleno vapor.

 

As autuações, interdição e ação civil pública movidas pelo município ocorrem depois que a reportagem do EM denunciou que a mineradora operava na Serra do Curral, em 4 de maio, em momento em que todas as atenções estavam voltadas para o licenciamento da Taquaril Mineração S/A (Tamisa) concedido pelo Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam) e pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad).

 

De acordo com a contestação sustentada pelo procurador do município e subprocurador-geral do contencioso, Caio Perona, “a Mina Boa Vista já causou danos irreversíveis à Serra do Curral”. 

 

“A permissão (para minerar por meio do TAC) esvazia o regramento da legislação nacional, ao admitir a continuidade da operação, preterindo a exigência de prévio licenciamento ambiental, em clara violação ao artigo 24 da Constituição Federal”, afirma.

 

A Procuradoria da capital aponta também para violação constitucional “na medida em que o dispositivo da lei estadual viola os princípios da prevenção, precaução e da proporcionalidade na acepção da proteção insuficiente. Isso porque o afastamento da exigência de prévio licenciamento ambiental como requisito indeclinável ao desempenho de atividades potencialmente danosas ao meio ambiente enfraquece a proteção constitucional ao meio ambiente ecologicamente equilibrado”, justifica.

 

Para a PBH, o empreendimento não poderia ser licenciado sem a anuência dos órgãos municipais, entre eles os órgãos de proteção ao patrimônio público, já que se trata de área tombada pelo município de Belo Horizonte. “Ao contrário do que argumenta o estado de Minas Gerais, o TAC foi firmado com finalidade de substituir o licenciamento ambiental, diante da impossibilidade de o Município de Belo Horizonte anuir com a exploração minerária, uma vez que o empreendimento se localiza no perímetro de tombamento municipal da Serra do Curral”, sustenta a contestação.

 

DOIS ANOS DE
EXPLORAÇÃO

 

Já são mais de dois anos extraindo minério de ferro, empilhando rejeitos e estéril na Serra do Curral, apenas no último ano sob amparo do TAC celebrado em 2021 com a Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Semad) e renovado em 2022, sem a anuência da Prefeitura de BH.

 

O mapeamento de satélites mostra atividades minerárias em 5 hectares (ha) – (71,4%) – dos 7ha já tratorados e escavados dentro da área da capital mineira, que é tombada pelo município. Isso representa apenas uma fração da concessão de lavra registrada para a empresa na Agência Nacional de Mineração (ANM), que chega a ser cinco vezes maior, alcançando 34,4ha.

 

De acordo com a Semad, a primeira fiscalização ao empreendimento ocorreu em 18 de maio de 2020. Na época, a empresa já minerava na porção de Belo Horizonte, como mostram imagens de satélites, em uma área total de 4,84ha, na capital e em Sabará.

 

Foram constatadas irregularidades e falta de licença ambiental. A empresa foi autuada e, depois de recursos, apresentou justificativas de que tinha a “necessidade de efetuar ações emergenciais para controle e mitigação dos impactos ambientais no empreendimento”, segundo consta no termo.

 

Para sanar as emergências e impactos, a mineradora sugeriu a pactuação do TAC com a Semad. Após processo que mudou de entendimento várias vezes, sendo mediado pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), em 7 de maio de 2021, a Mineração Gute Sicht celebrou com a Semad o TAC que lhe permitiria permanecer com suas atividades sob as restrições de condicionantes.

 

Na época, contudo, a empresa já tinha ampliado sua operação para 7ha. Ou seja, após a fiscalização e durante a tramitação do acordo para celebrar os ajustes emergenciais, a área do empreendimento avançou mais 2,16ha, acréscimo de 45% ao espaço que tinha sido originalmente autuado, mais de 50% disso em território de BH.

 

A Mineração Gute Sicht se defende afirmando que “não realiza e nunca realizou exploração mineral sem as autorizações dos órgãos responsáveis.” “Prestamos todos os esclarecimentos necessários ao estado e toda a documentação ambiental apresentada foi reconhecidamente lícita. Reafirmamos que nosso empreendimento está inteiramente de acordo com as leis e normas vigentes e nossa atividade está em conformidade com as exigências necessárias.”

 

 

Estado cancela ação de agentes estaduais

 

Mais uma manobra salvou o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que permite à mineradora Gute Sicht Ltda. escavar em área considerada tombada da Serra do Curral, em Belo Horizonte. A empresa foi multada pela própria fiscalização estadual, por meio de fiscais da Superintendência Regional de Meio Ambiente (Supram) Central. A companhia foi punida em R$ 107 mil e deveria ter suas atividades embargadas. Mas, em vez disso, a autuação foi cassada.

 

Em 12 de junho deste ano, foi indexado ao sistema da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) o Auto de Infração (AI) 296.500/2022 da Supram/Central, que previa a multa e a determinação de embargo das atividades da empresa.

 

A reportagem do EM teve acesso ao auto de infração, documento que descreve que a empresa transgrediu cláusulas da legislação ambiental, por “causar intervenção que resulte em degradação ou dano ao patrimônio natural ou cultural; violar ou adulterar ou apresentar informação total ou parcialmente falsa, enganosa ou omissa no licenciamento ou qualquer outro procedimento administrativo ambiental”.

 

Somente isso seria teoricamente suficiente para encerrar o TAC que a empresa celebrou com o governo de Minas Gerais e o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), em 2021, e que foi renovado em 4 de maio de 2022, mesmo diante das denúncias do Estado de Minas sobre a atuação da mineradora em área restrita, e apesar de até a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) ter multado e embargado o empreendimento, por entender que atuava na área tombada da formação montanhosa que é um dos símbolos da capital mineira.

 

De acordo com o termo, “o descumprimento total ou parcial do compromisso assumido pelo TAC implicará sua rescisão, resultando em suspensão ou embargo total e imediato das atividades”. Uma vez descumprido o TAC, segue-se, também, de acordo com a documentação, multa de R$ 10.733,17 (correção de 2022) por obrigação descumprida. “Caberá, ainda, a adoção imediata das sanções administrativas previstas na legislação e o encaminhamento imediato de cópia do processo administrativo que contém o TAC à Advocacia-Geral do Estado para execução”, salienta o termo.

 

Apesar dessa autuação, a Semad seguiu um entendimento que se assemelha ao da Advocacia-Geral do Estado (AGE), que vem defendendo a legalidade do TAC por considerar a empresa de “utilidade pública” e a localização de suas atividades não estar ainda determinada, apesar de o próprio Termo localizá-la entre Belo Horizonte, onde a Serra do Curral é tombada, e Sabará.

 

Isso depois de o Decreto 48.443/2022, do governador Romeu Zema (Novo), reconhecer a Serra do Curral como bem de relevante interesse cultural, que foi seguido do acautelamento da formação pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha), o que impede expansão e novas instalações de atividades.

 

“Análise mais
aprofundada”

 

De acordo com a Semad, o auto de infração que poderia pôr fim ao TAC foi desconsiderado. “O referido auto de infração foi cancelado pela Supram Central para uma análise mais aprofundada em relação a questões de uso e ocupação do solo, devido à localização do empreendimento, que está no limite dos municípios de Belo Horizonte e Sabará”, argumentou a secretaria.

 

No próprio dia 12, quando a autuação passou a constar no sistema da Semad, a reportagem do Estado de Minas informou que vários itens estabelecidos no TAC assinado entre a Mineração Gute Sicht e a Semad eram questionados pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) e órgãos ambientais.

 

No segundo parágrafo da primeira cláusula, o TAC é claro ao determinar que “não antecipa ou afasta a necessidade de obtenção de certidões, alvarás, licenças e autorizações de qualquer natureza exigidos pela legislação federal, estadual ou municipal, marcadamente licença ambiental, autorização para intervenção ambiental e outorga de direito de uso de recursos hídricos que, porventura, façam-se exigíveis”. A PBH alega não ter autorizado qualquer intervenção na sua área tombada da Serra do Curral.

 

No quarto parágrafo da segunda cláusula do Termo, foi determinado que a Mineração Gute Sicht “deverá comunicar ao órgão ambiental todos os desdobramentos das investigações policiais e ações judiciais que pendem contra si, especialmente no que concerne a eventual decisão que possa determinar a suspensão, no todo ou em parte, do regular exercício de suas atividades, para fins de avaliação quanto aos impactos em autorizações ambientais porventura existentes”.

A empresa se encontra com a atividade interditada pela PBH e há uma ação civil pública proposta contra o acordo que lhe permite minerar na área. A empresa, porém, reitera que opera “inteiramente de acordo com as leis e normas vigentes”.  

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Destruição de casa pela PBH indigna moradores da Vila do Carrapato, em BH

Após uma casa em construção ser destruída pela PBH em uma ocupação no bairro Santa Lúcia, em Belo Horizonte, os moradores protestaram, indignados. Eles...

Suspeito de render e assaltar família em Betim é morto a tiros

Um dos homens suspeitos de render uma família em uma casa em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e roubar diversos itens do...

Ônibus com 43 passageiros pega fogo na BR-050, em Uberaba

Um ônibus com 43 passageiros pegou fogo na madrugada dessa segunda-feira (4) na BR-050, altura de Uberaba, no Triângulo Mineiro. O coletivo teria saído...