Machine Gun Kelly parte copo no rosto e fica repleto de sangue em palco

Machine Gun Kelly protagonizou um momento insólito na noite...

SAJ: Assaltante morre de infarto após fugir da polícia; homem roubava em rodoviária

Um homem morreu após assaltar diversas pessoas no...

Justiça obriga Unifacs a criar setor para atender alunos por erros em sistema

Por decisão judicial, a Unifacs deverá criar um...

Copa 2 de Julho começa neste sábado em Salvador e Região Metropolitana

Maior competição de futebol de base do Brasil,...

Cinco novos envolvidos na morte de Bruno Pereira e Dom Phillips são identificados

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

Mais cinco suspeitos de terem participado do assassinato do indigenista Bruno Pereira e do repórter britânico Dom Phillips foram identificados pela Polícia Federal (PF) neste domingo, 19. O crime aconteceu na região do Vale do Javari, no Amazonas, e os suspeitos teriam ajudado a ocultar os corpos. “As investigações continuam no sentido de esclarecer todas as circunstâncias, os motivos e os envolvidos no caso”, diz o comunicado divulgado pela corporação. A PF não informou a identidade dos suspeitos. Até o momento, três pescadores foram presos na investigação. Amarildo da Costa Oliveira, o Pelado, que confessou o crime e indicou o local onde os corpos foram enterrados; o irmão dele, Oseney da Costa de Oliveira, conhecido como Dos Santos; e Jeferson da Silva Lima, conhecido Pelado da Dinha, que se entregou ontem na Delegacia de Atalaia do Norte. 

Todos teriam participado diretamente do duplo homicídio e tiveram a prisão temporária de 30 dias decretada pela Justiça do Amazonas. A Polícia Civil do Amazonas também confirmou que “investiga a participação de mais pessoas no crime”. O trabalho de investigação continua em duas frentes. No Amazonas, o comitê de crise criado para encontrar Bruno e Dom continua em busca de elementos que possam ajudar a esclarecer a dinâmica do crime, incluindo a embarcação usada pelo indigenista e pelo repórter quando eles foram assassinados. Em Brasília, peritos do Instituto Nacional de Criminalística examinam os restos mortais recolhidos pela PF. Os exames já confirmaram que os corpos são do indigenista e do jornalista. Os peritos também concluíram que eles foram assassinados a tiros: Bruno foi baleado três vezes, na cabeça e no tórax, e Dom uma vez, no peito.

*Com informações do Estadão Conteúdo.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Lei do assédio ainda não protege mulheres, mesmo em vigor há duas décadas

O olhar indiscreto, o convite insistente, o gesto inconveniente, a proposta incômoda — são alguns dos sinais do assédio sexual. Embora exista uma lei...

Barroso prorroga suspensão de despejos e desocupações até depois das eleições

Famílias que tiveram problemas com os pagamentos de imóveis durante a pandemia ganharam mais prazo para acertar as prestações. Isso porque o ministro do...

Ministério da Justiça deflagra nona fase da Operação Luz na Infância

O Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) deflagrou hoje (30) a nona fase da Operação Luz na Infância, destinada ao combate à exploração...