Rildo conta com apoio da torcida para Bahia voltar a vencer em casa

O Bahia encara neste sábado (25) o Novorizontino...

Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (24) que o...

Dólar sobe para R$ 5,25 e tem quarta semana seguida de alta

Apesar do alívio no exterior, as incertezas domésticas prevaleceram e...

Bezerra apresenta na segunda proposta para compensar aumento do diesel

O Senado corre contra o tempo para conseguir aprovar,...

Bruno e Dom foram mortos com tiros de arma de caça

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

A Polícia Federal (PF) concluiu a análise da causa da morte do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips. Em nota divulgada neste sábado (18), a PF informou que Bruno Pereira foi morto com dois tiros na região abdominal e torácica e um na cabeça. Dom Phillips levou um tiro no abdômen/tórax. A munição usada no assassinato foi típica de caça.ebcebc

A munição de caça utilizada no crime dispara projéteis múltiplos, chamados de balins. Assim, um único tiro pode causar uma série de perfurações provocadas por pequenas esferas de chumbo. Nos últimos dias, a PF já havia confirmado a identidade de Phillips e Pereira nos restos mortais enviados a Brasília para a perícia.

Os corpos foram encontrados após a confissão do pescador Amarildo da Costa Pereira, conhecido como Pelado. Ele indicou à polícia o local onde os corpos foram enterrados. Até o momento, três pessoas estão presas por suspeita de participação no crime.

Ontem, Jefferson da Silva Lima entregou-se na Delegacia de Polícia de Atalaia do Norte, região do Vale do Javari, oeste do Amazonas. Lima tinha mandado de prisão expedido pela Justiça do Amazonas e estava foragido.

Além dele, estão presos por envolvimento na morte e na ocultação dos corpos os pescadores Amarildo e seu irmão Oseney da Costa de Oliveira, conhecido como Dos Santos.Até o momento, apenas Amarildo confessou o crime.

Dom Phillips, que era colaborador do jornal britânico The Guardian, e Bruno Pereira, servidor licenciado da Fundação Nacional do Índio (Funai), foram vistos pela última no dia 5 de junho, na região da reserva indígena do Vale do Javari, a segunda maior do país, com mais de 8,5 milhões de hectares. Eles se deslocavam da comunidade ribeirinha de São Rafael para a cidade de Atalaia do Norte, no Amazonas, quando sumiram sem deixar vestígios.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Macaco é flagrado ‘amolando’ faca em um prédio no Sul do Piauí

Um macaco foi flagrado na última terça-feira (22/6) carregando uma faca em um prédio do centro comercial no Piauí. A cena foi registrada por...

Ministério da Saúde vai debater condutas e diretrizes em casos de aborto

O Ministério da Saúde planeja realizar uma audiência pública na próxima semana para discutir condutas e diretrizes em casos de abortos no Brasil. Em...

‘Precedente perigoso’: decisão de aborto nos EUA preocupa ativistas

A decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos na manhã desta sexta-feira (24/6)  que acabou com a garantia do direito ao aborto legal no...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com