Salvador amplia 4ª dose de vacina contra Covid-19 para população com 18 anos ou mais

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) anunciou a...

Relação de gestores com contas reprovadas pelo TCE-BA tem 543 nomes; veja lista

Entre os gestores baianos, 543 deles estão na...

Na 5ª colocação, técnico do Londrina se mantém confiante no acesso: ‘Vamos jogo a jogo’

Atualmente na quinta colocação da Série B, com...

Jequié: PM apreende cerca de 130 quilos de maconha em bagageiro de ônibus turístico

128 tabletes de maconha foram apreendidos na noite...

Brumadinho: tecnologia ajuda a combater estigma na produção de mexerica

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
Fruticultores de mexerica, em Brumadinho, Região Metropolitana de Belo Horizonte, estão usando a tecnologia de rastreabilidade para derrubar o estigma de contaminação de seus produtos e ingressar em mercados mais potentes e rigorosos.  Após o rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, em janeiro de 2019, produtores locais passaram a sofrer com o estigma de contaminação e tiveram retração significativa no escoamento da produção agrícola.
 
Com cerca de 970 hectares de lavouras de mexerica atualmente, Brumadinho chegou, na década de 90, à posição de principal produtor da fruta no estado, posição ocupada atualmente por Belo Vale. No ano passado, foram 5 mil toneladas. Este ano, apesar da expectativa de queda significativa na safra estadual devido a eventos climáticos, o município deve manter sua posição de liderança.
As frutas colhidas em Brumadinho levarão uma etiqueta com código de barras e QR Code. Os dois recursos oferecem informações detalhadas sobre o produto que está sendo comercializado. Os agricultores recebem ainda apoio nas áreas de licenciamento e documentação, manejo, comunicação, escoamento e comercialização
 
Os fruticultores contam com apoio de um programa de fomento à agricultura desenvolvido pela Vale com a empresa contratada NMC Projetos e Consultoria e que, desde 2020, atende 300 produtores rurais de Brumadinho e Mário Campos.
 
Durante o processo, os produtos passam por estudos de tecido vegetal. São realizados três tipos de análises e, mediante qualquer inconformidade, é feita a correção do manejo. A análise microbiológica indica se há micro-organismos. A química aponta se o tipo e a dosagem dos defensivos utilizados no plantio estão adequados. E a de metais pesados identifica qualquer indício de contaminação por esses materiais nas plantações. “Foram realizadas 309 análises desde o início do programa e, nunca foi encontrado nenhum vestígio de metais pesados nos produtos agrícolas de Brumadinho”, afirma o gestor do Programa, Ivan Bosio.
 
De acordo com o técnico, além de atendimento à legislação, a iniciativa da rastreabilidade veio  oferecer mais confiança ao consumidor. “A rastreabilidade funciona como um selo de garantia de qualidade. Por meio do QR Code é possível ter informações detalhadas sobre o produto que está sendo comercializado, como origem, produtor responsável, data do plantio e da colheita”, detalha.
 

Busca de confiança dos consumidores 

 
“Com a rastreabilidade, transmitimos mais confiança para quem está comprando”, explica Marcelo Gustavo de Oliveira, que, com o pai, é responsável pela gestão da maior fazenda de mexerica do município. São 35 mil pés da fruta espalhados por 70 hectares de terra e uma produção média anual de mil toneladas. Recentemente, a propriedade concluiu o processo de rastreabilidade de seus produtos.
 
Segundo Ivan Bosio, o produto rastreado gera benefícios tanto para o comprador como para o produtor. “Por um lado, a tecnologia garante ao consumidor final transparência em relação ao que está sendo consumido. Por outro, incentiva o produtor a seguir as melhores práticas de cultivo e facilita sua entrada nos mercados mais exigentes”. A expectativa, revela, é que até o fim do ano, todos os agricultores de produtores vegetais apoiados pelo Programa tenham concluído a implantação da rastreabilidade.
 
João Carlos Monteiro Maciel é produtor agrícola há mais de 27 anos. Começou plantando bucha vegetal, agora tem a mexerica e a lichia como principais cultivos. Ele conta que, em 2019, perdeu praticamente todos os mercados com os quais comercializava. “As pessoas simplesmente assumiram que tudo o que era produzido aqui estava contaminado”, lembra. João Carlos defende que a rastreabilidade é um importante aliado do produtor rural. “Tem mercado que só compra assim.”
 

Diversificação da produção 

 
Os agricultores locais estão apostando na diversificação do cultivo como forma de garantir seu sustento e ampliar a renda. “Os produtores normalmente já chegam com uma ideia. Nós estudamos a viabilidade daquilo de acordo com as características da propriedade e o perfil do produtor, fazemos um estudo de mercado e orientamos todo o processo de migração para o novo cultivo. Ter um plano B é muito importante na agricultura”, explica Bosio.
 
João Carlos Maciel já se prepara para o retorno ao cultivo da bucha vegetal. “O mercado está muito bom e serei o único do município a oferecer esse produto”. Já Marcelo Gustavo de Oliveira aposta no milho e no abacate como alternativas à mexerica. “Não podemos depender somente de um produto. Se diversificamos a produção, garantimos outra fonte de renda caso haja algum problema com a safra principal”, justifica.
 
A expectativa é de que a produção de tangerina em Minas Gerais, que tem a ponkan como a variedade mais cultivada, seja de 250 mil toneladas, quase 12% a menos que em 2021, devido a variações climáticas.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Presidente do BC diz que inflação está alta e enxerga sinais de estabilização

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou, nesta segunda-feira, 15, que a inflação no Brasil está alta, mas que enxerga sinais de estabilização. Para ele, as...

‘Transformei R$ 3.000 em R$ 34.140’: analista choca mercado ao revelar como multiplicou seu dinheiro por mais de 11 vezes

Já pensou em multiplicar seu dinheiro por mais de 11 vezes? Foi exatamente isso que esse analista fez nos últimos 176 dias (e ele quer que você faça a...

A empresa com lucro recorde maior que o PIB de mais de metade dos países do mundo

A gigante petrolífera saudita Saudi Aramco bateu seu próprio recorde com um lucro de US$ 48,4 bilhões no segundo trimestre de 2022.É um aumento de 90% em relação ao...