Coritiba x Atlético: onde assistir ao jogo pela Série A do Brasileirão

Coritiba e Atlético se enfrentarão neste domingo (14/8), às...

São Paulo x Bragantino: onde assistir ao jogo pela Série A do Brasileirão

São Paulo e Red Bull Bragantino se enfrentarão neste...

O português Vítor Pereira definitivamente “subiu no telhado”

O Palmeiras é um líder cada vez mais tranquilo;...

Eduardo Bolsonaro ironiza live de Lula: ‘Alguém do marketing vai rodar’

O deputado Eduardo Bolsonaro (PL-SP) foi às redes sociais,...

BH: ritmo de novos casos de COVID acelera e comitê faz apelo por vacinação

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
O Comitê Popular de Belo Horizonte de Combate à COVID-19 lançou, nesta sexta-feira (24/6), a quarta edição do boletim de monitoramento da doença na capital. O documento registra uma tendência de aumento no número de casos na cidade e faz um apelo para que os moradores atualizem o calendário vacinal.
De acordo com o documento elaborado pelo comitê, a taxa de transmissão da COVID em BH está em 1,5. O número indica que cada 100 pessoas contaminadas têm potencial para transmitir o vírus para outras 150. 
Segundo o comitê, nas últimas duas semanas (entre 9 e 22 de junho), a capital está com status de risco muito alto para a transmissão do vírus. A taxa de novos casos registra este cenário. Entre 28 de abril e 11 de maio foram registradas 57 novas infecções a cada 100 mil habitantes. Na última quinzena, o número foi cerca de 6 vezes maior.
Taxa de novos casos a cada 100 mil habitantes:
  • 28/4 a 11/5 = 57
  • 12/5 a 25/5 = 112
  • 26/5 a 8/6 = 305
  • 9/6 a 22/6 = 348
Por outro lado, o número de óbitos em decorrência da COVID segue estável, mantendo BH com um status de risco muito baixo de mortalidade.

Apelo para a vacinação

Em editorial publicado no boletim, o Comitê Popular apresentou uma comparação entre o risco de reações adversas causadas pelas vacinas contra a COVID e o potencial da doença levar à morte.
“As vacinas têm risco? Sim, assim como qualquer outro fármaco. Entretanto, enquanto os efeitos adversos pós-vacina ocorrem a uma taxa de 1 a 158 casos por milhão de doses, e sua maioria são leves/moderados, com menos de 10 casos por milhão de pessoas vacinadas, o risco de morrer por causa da COVID-19 é de, no mínimo, 380 óbitos por milhão em pessoas entre 12 a 39 anos, subindo para 970 óbitos por milhão de casos em crianças de 0 a 11 anos e mais de 20.000 mortes por milhão de casos, em indivíduos acima de 65 anos de idade”, informa.
O texto ainda critica a forma como o governo federal geriu a crise sanitária provocada pela pandemia, negligenciando o papel das vacinas no controle de casos graves de COVID. Intitulado como “O Silêncio Tóxico”, o editorial alerta para a importância de acompanhar o calendário de aplicações dos imunizantes contra o coronavírus.
Números do boletim do Comitê Popular apontam que, até 21 de junho, apenas 9% da população da capital já havia recebido a 2ª dose de reforço, ou 4ª dose, da vacina contra a COVID.
Na segunda-feira (20/6), o Ministério da Saúde liberou a 4ª dose do imunizante contra a COVID para maiores de 40 anos. Em Belo Horizonte, a convocação chegou até a faixa dos 50 anos de idade, que podem se proteger do coronavírus nos pontos de vacinação da cidade nesta sexta-feira. 
Todos os grupos que já foram convocados também podem comparecer aos pontos de vacinação.

O Comitê

Fundado no início de junho, o Comitê Popular de Belo Horizonte de Combate à COVID-19 se propõe a divulgar dados atualizados da pandemia na capital. Sua formação se deu após a dissolução do comitê de enfrentamento à doença na prefeitura de BH e ao novo formato de divulgação do boletim epidemiológico no município, com duas edições semanais e menos informações em comparação ao modelo utilizado nos dois primeiros anos de pandemia.
O comitê reúne os infectologistas que formavam o extinto grupo da prefeitura da capital para o enfrentamento da doença: Carlos Starling, Estêvão Urbano e Unaí Tupinambás e grupos da área da saúde como a Associação Brasileira de Médicos e Médicas pela Democracia, o Instituto Helena Greco, o Sindicato dos Enfermeiros de Minas Gerais, o Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte, o Conselho Regional de Psicologia e o Observatório de Políticas e Cuidados em Saúde da UFMG.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

BH terá sábado com temperaturas entre 12ºC e 26ºC, diz Defesa Civil

O sábado (13/08) em Belo Horizonte é de céu claro a parcialmente nublado, segundo previsão meteorológica da Defesa Civil municipal. A temperatura mínima, alcançada no início da manhã, foi...

Jovem que já estava imobilizado é espancado pela PM em Minas

Um jovem de 23 anos foi espancado após ser imobilizado durante uma ação policial na noite dessa sexta-feira (12/8), no município de Paineiras, na região Central de Minas Gerais....

Estado e PBH não comentam bloqueio de contas para repasse à Santa Casa

A Prefeitura de Belo Horizonte e o Governo de Minas Gerais não comentaram sobre a decisão judicial que prevê bloqueio de contas públicas para pagamento do piso salarial de...