BH celebra Dia do Rio da Velhas com projeções em prédios do Centro

No dia 29 de junho é celebrado o...

G7 lança programa para investir US$ 600 bilhões em países em desenvolvimento

Os países do G7 lançaram um grande programa de...

‘Objetivo da prisão de Milton Ribeiro é constranger o governo e igualá-lo ao de Lula’, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que o caso...

Empresas reduzem embalagens e qualidade para repassar custos

Cada vez mais empresas estão recorrendo à redução do...

Ações judiciais e tratamento no DF reduziram em 39% eutanásia em cães

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

As cenas do resgate da cadela Marvel da fila da eutanásia reacenderam o debate sobre o sacrifício de cães para o controle da leishmaniose no Distrito Federal. Segundo levantamento da Secretaria de Saúde do DF, entre 2019, 2020, 2021, foram registrados, respectivamente, 214, 141 e 130 procedimentos em cachorros. É uma redução de 39,25% no período. A retração coincide com a chegada do tratamento para a doença e ações judiciais para suspender a eutanásia.

Apesar da redução, o número de eutanásias ainda chama atenção. Entre entre 1º janeiro de 2017 e 5 de junho de 2022, 813 cachorros diagnosticados com a doença foram submetidos à eutanásia. A leishmaniose é uma infecção grave, não tem cura e também infecta o ser humano. O vetor infeccioso não é cão, mas sim o mosquito Palha. Há décadas, o Brasil utiliza a eutanásia em cães com diagnóstico de infecção para controle da doença.

Veja o vídeo da cadela Marvel:

No entanto, para defensores dos direitos dos animais, o sacrifício não é solução. Segundo especialistas, embora não exista cura, com o devido acompanhamento veterinário, os cães infectados conseguem viver com qualidade e sem risco de transmissão para o ser humano.

Mais sobre o assunto Distrito Federal Vídeo: na fila da eutanásia, cadela tem vida salva pela Justiça no DF Distrito Federal Por maus-tratos ou morte de donos, Justiça manda animais à Zoonoses Distrito Federal Vídeo: casinha comunitária para cães de rua é incendiada no DF Marvel, por exemplo, foi salva por ação judicial apresentada pela advogada do Projeto Adoção São Francisco, Ana Paula Vasconcelos. A cachorrinha estava assintomática e com boas condições para tratamento. Em maio deste ano, Boris, um buldogue-francês, de 3 anos, também foi salvo pela Justiça. Segundo a defensora da causa animal, nestes casos, a eutanásia não é caminho adequado.

“A eutanásia não pode ser medida de controle da leishmaniose. É inacreditável que na capital do país não tenhamos políticas públicas para a erradicação de uma doença em que o animal é tão vítima quanto o humano. A matança de animais infectados é o atestado de incompetência do Estado”, afirmou.

Falso negativo e positivo Pelo diagnóstico de Paulo Tabanez, veterinário, mestre em imunologia e infectologia pela Universidade de Brasília (UnB), eutanásia humanitária de cães com o diagnóstico laboratorial de leishmaniose deveria ser abolida, como já foi em outros países. O especialista também é membro do Grupo Brasileish, fundado em 2011 para estudar a doença.

Segundo Tabanez, o diagnóstico é feito por testes sorológicos de anticorpos. No entanto, o procedimento pode apresentar falsos negativos e até mesmo falso positivos, pois a produção de anticorpos após a infecção pode demorar até 22 semanas.

“A decisão sobre quem vive ou quem morre está pautada em um exame que tem uma falha importante”, alertou. Para o pesquisador, a técnica deveria ser empregada apenas como uma etapa de triagem. Por outro lado, de acordo com Tabanez, o tratamento não oferece a cura parasitológica, mas proporciona a cura clínica e epidemiológica.

Com o devido monitoramento veterinário, os medicamentos proporcionam qualidade de vida para os cães, enquanto vacina e repelentes evitam a infectância para o mosquito Palha. “Aproximadamente 70% dos animais infectados não tem sinais clínicos. É uma infecção silenciosa”, contou.

Versão do governo Segundo a Secretaria de Saúde, as eutanásias humanitárias somente são realizadas conforme recomendação do Ministério da Saúde para animais diagnosticados com doenças infectocontagiosas.  Os procedimentos ocorrem às segundas, terça e sextas-feiras. De acordo com a pasta, todos os animais passam por anestesia geral.

“A eutanásia humanitária somente é realizada em casos confirmados de leishmaniose e outras doenças e após dar a opção de tratamento para que o tutor o faça em clínica veterinária particular”, afirmou a pasta, em nota enviada ao Metrópoles. No entanto, a secretaria enfatizou que segue todas as decisões judiciais.

Quer ficar ligado em tudo o que rola no quadradinho? Siga o perfil do Metrópoles DF no Instagram.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

O post Ações judiciais e tratamento no DF reduziram em 39% eutanásia em cães apareceu primeiro em Metrópoles.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Hernane Brocador marca duas vezes e Brasiliense bate o Operário

Jogando no Abadião na tarde deste domingo (26/6), o Brasiliense Futebol Clube venceu o Operário-MT e se distanciou na liderança do Grupo A5 da...

Capotamento de Porsche: policial penal atropelado tem perna amputada

O policial penal Gueltz Costa Pinto é a terceira vítima do capotamento de Porsche na via de acesso ao Palácio do Jaburu, residência do...

DF: morre mulher internada em estado grave após capotamento de Porsche

O grave capotamento de Porsche na via de acesso ao Palácio do Jaburu, residência do vice-presidente Hamilton Mourão (Republicanos), resultou em mais uma morte...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com