Assaltantes devolvem celular e dinheiro após descobrir que vítima era esposa de líder do PCC

Criminosos que roubaram celular e dinheiro de uma...

Paula Belmonte aguarda TSE para saber se sairá candidata ao GDF

Nos 45 minutos do segundo tempo para o fim...

A empresa com lucro recorde maior que o PIB de mais de metade dos países do mundo

A gigante petrolífera saudita Saudi Aramco bateu seu próprio...

Eduardo Bolsonaro reclama da Anvisa por máscaras em voos: ‘Será eterna?’

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) foi às redes...

Subsídio aos ônibus de BH passa por discussão final antes de ir à Câmara

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
O Projeto de Lei para pagamento de subsídios a empresas de ônibus de Belo Horizonte passará por discussão final nesta segunda-feira (16). Equipes técnicas da prefeitura e da Câmara Municipal da capital se reúnem para a finalização do texto que será entregue à presidente da Casa Legislativa, Nely Aquino (Podemos), na manhã de terça-feira (17). A proposta prevê a manutenção do preço das passagens e o aumento na oferta de horários dos coletivos na cidade.
Empresas de ônibus e o Grupo de Trabalho para debater a mobilidade urbana na capital (GT-MOBBH) chegaram a um acordo sobre valores e contrapartidas na última quinta-feira (12). 
As concessionárias receberão um subsídio de R$ 237,5 milhões até março de 2023. Em contrapartida, elas se comprometem a aumentar o número de viagens em dias úteis em, ao menos, 15% a partir do dia seguinte ao pagamento do primeiro aporte e em, ao menos, 30% após um mês. Além disso, o valor da tarifa principal na capital permanece em R$ 4,50.
Os vereadores tiveram um prazo para dar sugestões de mudança no texto do Projeto de Lei preliminar. Apenas dois parlamentares, Bráulio Lara (Novo) e Wesley Autoescola (PP), enviaram propostas.
À reportagem, o vereador Bráulio Lara disse que as propostas apresentadas têm dois pontos principais. O primeiro é estabelecer uma multa para as empresas quando as contrapartidas acordadas não forem aplicadas.
“Do jeito que o subsídio está, eu digo que é ‘pré-pago’, primeiro paga e depois tem o aumento nas viagens. A ideia é estabelecer uma penalidade para quando a meta não for alcançada. No caso de nenhuma melhoria no serviço ser ofertada, o valor da multa deveria ser o total do repasse”, avalia o vereador.
A segunda sugestão do parlamentar é pedir às empresas que apresentem uma estratégia de operação, com as linhas e itinerários programados para que seja possível averiguar se o planejamento está sendo cumprido.
A reportagem entrou em contato com o vereador do PP e aguarda o retorno para que ele também apresente as sugestões feitas para o texto do projeto.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Taxista é encontrado morto com sinais de tortura em Minas

Um taxista de 57 anos foi encontrado morto dentro do próprio táxi na Região do Alto Santo Antônio, em Juiz de Fora, na Zona da Mata Mineira. O crime...

Itabirito: vigia de restaurante reage a assalto e baleia suspeitos

Um vigia noturno baleou dois assaltantes que, junto de um terceiro comparsa, invadiram o Restaurante e Churrascaria 4 Estações, na madrugada desta segunda-feira (15/8), em Itabirito, na Região...

Mulher baleada em baile funk se nega a entregar namorado

Uma mulher de 20 anos foi baleada em um dos ombros na madrugada desta segunda-feira (15/08) durante um baile funk no Aglomerado da Serra, maior conjunto de favelas de...