Exército não tem dados sobre idade de atiradores e caçadores do Brasil

O Exército Brasileiro indicou não ter uma base...

Aumento de casos da covid força organização à adiar a realização da 8ª corrida do soldado

A 8ª Corrida do Soldado seria realizada em 28...

Diretor explica papel dos clubes na contenção da violência no Mineirão

O diretor do Mineirão, Samuel Lloyd, disse em entrevista...

Líder da oposição considera “boa notícia” eventual demissão de Boris

Em comunicado, Starmer considerou que o Reino Unido "não necessita...

Seabra: Pais de estudantes pedem volta de aulas; prefeitura e professores seguem em impasse por negociação salarial

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

Seabra: Pais de alunos pedem volta de aulas em impasse entre prefeitura e professores

Foto: Reprodução / Editora Apcon

Um grupo de pais de estudantes da rede municipal de Seabra, na Chapada Diamantina, se reúne nesta terça-feira (3) com vereadores e o sindicato dos professores. O motivo do encontro é o retorno às aulas normais.

Desde o dia 28 de março, as atividades estão paralisadas após um impasse entre a prefeitura e os professores. À época, o sindicato cobrava a atualização do piso nacional da categoria, com o reajuste de 33,24%.

A prefeitura aceitou, mas a verba viria de outra reivindicação da categoria, o percentual destinado aos docentes oriundo do precatório – dívida a ser paga por ente público – do Fundef, que depois virou Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica).

O projeto do prefeito Fábio Lago Sul (PP), que autorizava o uso do dinheiro do Fundeb para reajuste do piso nacional, foi para a Câmara de Vereadores, que votou e aprovou a medida, mas os professores não aceitarem a condição. Havia uma discordância pontual na origem do recurso para aumentar o salário da categoria.

Na ocasião, os legisladores alegaram que não sabiam do teor do projeto de lei, que autorizava o aumento nos salários, usando os 60% do precatório do Fundef destinado aos docentes. Sem retorno às aulas, a prefeitura adotou o que chamou de ações pedagógicas, para não interromper as ações nas escolas.

No entanto, o formato das atividades é criticado por um grupo de pais e mães. Eles afirmam que as atividades não cumprem os mesmos objetivos das aulas.

Ao Bahia Notícias, uma das mães que integram o grupo de pais, Ana Carolina, declarou que o prejuízo tem sido significativo para os estudantes.

“Nós queremos o retorno das aulas. Nosso objetivo é esse. Essas ações pedagógicas são importantes, mas não como aulas, e sim como reforço, dentro do calendário escolar. A situação já está muito difícil por conta da pandemia. Tem meninos no sétimo ano que não sabem ler. Isso de substituição das aulas por essas ações é como se fosse um cala boca, um tapa buraco da prefeitura”, criticou Carolina.

Seabra tem pouco mais de sete mil estudantes na rede municipal. Conforme Ana Carolina, os pais já tentaram debater o caso com a prefeitura, mas não tem tido retorno da gestão. (Atualizado às 10h03)

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

PGR pede arquivamento de pedido de investigação ligada à vacinação

A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) o arquivamento de uma petição apresentada contra o presidente Jair Bolsonaro e o...

TJ-BA derruba liminar e determina retomada de licitação de ampliação da Ceasa

O presidente do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), desembargador Nilson Castelo Branco, suspendeu a liminar da  6ª Vara de Fazenda Pública da...

Oposição faz as contas da PEC Eleitoral e ainda crê vencer no 1º turno

A oposição já jogou a toalha e dá como derrotada na PEC Eleitoral, que será aprovada hoje na Câmara, e nos dois turnos. Uma...