Boris Johnson é pressionado a deixar liderança do Partido Conservador do Reino Unido

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, é pressionado a renunciar...

Walter Casagrande deixa a Rede Globo após 25 anos: ‘Alívio para os dois lados’

Walter Casagrande Júnior anunciou nesta quarta-feira, 6, que está...

Senado autoriza projeto que garante IPVA zero para motos de até 170 cilindradas

O plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (6)...

Horóscopo de 7/7: veja previsões para esta quinta-feira

Data estelar: Lua quarto crescente em Libra. O olhar...

Rodrigo Caetano explica

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
Atacante Diego Tardelli em 30 de maio de 2021, quando se despediu do Atlético
foto: Pedro Souza/Atlético

Atacante Diego Tardelli em 30 de maio de 2021, quando se despediu do Atlético

É uma clássica história de amor: grandes momentos, idas e vindas, problemas e, no fim, um sentimento que parece nunca se apagar. A relação entre Atlético e Diego Tardelli teve episódios marcantes desde o primeiro ‘flerte’ em 2009. O mais recente foi o pedido do atacante para reatar. Mas o Galo disse ‘não’.

Em participação no podcast Superesportes Entrevista, o diretor de futebol alvinegro, Rodrigo Caetano, explicou os motivos que levaram o Atlético a rejeitar o retorno do ídolo de 37 anos. A dupla trabalhou junto no início de 2021 até que Tardelli deixasse o clube ao fim de maio daquele ano, quando acabou seu contrato.

“É um baita cara, considero um amigo. O Diego, quando cheguei aqui, estava voltando de uma lesão, ainda na época do Sampaoli. Nós estendemos o vínculo dele até o meio do ano e fizemos a despedida dele do Galo. Infelizmente, não tinha público por conta da pandemia. Mas ele é merecedor de todo reconhecimento. Depois ele foi para o Santos”, iniciou Caetano.

“Nas vezes em que conversou conosco, o entendimento foi que tínhamos muitos atletas no setor e que esse retorno poderia não ser bom para ele e nem para o clube. Porque ele é merecedor de todo reconhecimento, de toda a gratidão que o Galo e a massa atleticana têm por ele. Vai ficar guardado na memória, apenas isso. Mas é um grande amigo. Ele não ligou para mim só para falar disso. Inclusive, sempre que pode vai aos jogos. É uma relação que vai ser eterna com o clube. É isso”, completou.

A ligação de Tardelli

O próprio Tardelli revelou ter ligado ao diretor atleticano para falar sobre um possível retorno. “Tive uma conversa com o Rodrigo Caetano em fevereiro. Manifestei minha vontade de retornar para o Atlético. Não entendi direito minha saída em 2021. Manifestei o desejo de retornar, é um clube que tenho maior carinho, maior respeito. Minha identificação com o Atlético, com a torcida, é muito grande”, afirmou o atacante, que está sem clube, em entrevista à ESPN.

“Falei para ele: ‘Rodrigo, aceito qualquer condição para poder voltar a jogar em alto nível. Estar nesse grupo do Atlético, estou em casa, tenho carinho e respeito da torcida’. Infelizmente, em um primeiro momento, não foi possível, porque tem outras pessoas acima do Rodrigo que entenderam que não é o momento. Entendo perfeitamente e fico tranquilo em relação a isso”, completou.

História de Tardelli pelo Atlético

25 momentos marcantes de Tardelli pelo Atlético

1 - Chegada: A história de Diego Tardelli no Atlético começa em 9 de janeiro de 2009. Naquele dia, o clube anunciou a contratação do atacante e do volante Renan. A operação para adquirir 50% dos direitos econômicos do ex-jogador do Flamengo custou R$ 2 milhões, na cotação da época. Foram pagos R$ 300 mil ao Rubro-Negro e R$ 400 mil ao São Paulo (por uma dívida contraída pelo Flamengo). O Atlético ainda perdoou um débito de 440 mil euros do Fla pela compra do goleiro Bruno.
1 – Chegada: A história de Diego Tardelli no Atlético começa em 9 de janeiro de 2009. Naquele dia, o clube anunciou a contratação do atacante e do volante Renan. A operação para adquirir 50% dos direitos econômicos do ex-jogador do Flamengo custou R$ 2 milhões, na cotação da época. Foram pagos R$ 300 mil ao Rubro-Negro e R$ 400 mil ao São Paulo (por uma dívida contraída pelo Flamengo). O Atlético ainda perdoou um débito de 440 mil euros do Fla pela compra do goleiro Bruno. – foto: Jorge Gontijo/EM/D.A Press
2 - Estreia com gols no clássico: Tardelli jogou pela primeira vez com a camisa alvinegra em 17 de janeiro, quatro dias depois de ter sido oficialmente apresentado. O atacante marcou dois gols na estreia, a derrota por 4 a 2 para o Cruzeiro em Montevidéu, pelo Torneio de Verão, competição amistosa disputada no Uruguai.
2 – Estreia com gols no clássico: Tardelli jogou pela primeira vez com a camisa alvinegra em 17 de janeiro, quatro dias depois de ter sido oficialmente apresentado. O atacante marcou dois gols na estreia, a derrota por 4 a 2 para o Cruzeiro em Montevidéu, pelo Torneio de Verão, competição amistosa disputada no Uruguai. – foto: Pablo Porciúncula/AFP
3 - Artilharia do Mineiro: O primeiro ano de Tardelli no Atlético foi brilhante. Em 2009, o atacante - maior artilheiro do Brasil naquela temporada - marcou 42 gols em 56 jogos. Foram 16 bolas nas redes em 16 partidas do Campeoanto Mineiro, marca impressionante que lhe rendeu o posto de principal goleador da competição. Era um presságio do que viria por aí...
3 – Artilharia do Mineiro: O primeiro ano de Tardelli no Atlético foi brilhante. Em 2009, o atacante – maior artilheiro do Brasil naquela temporada – marcou 42 gols em 56 jogos. Foram 16 bolas nas redes em 16 partidas do Campeoanto Mineiro, marca impressionante que lhe rendeu o posto de principal goleador da competição. Era um presságio do que viria por aí… – foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press
4 - Convocação: O ótimo início de trajetória no Atlético levou Tardelli à Seleção Brasileira. O artilheiro alvinegro foi a grande novidade da lista do técnico Dunga para o amistoso contra a Estônia, disputado em 12 de agosto de 2009.
4 – Convocação: O ótimo início de trajetória no Atlético levou Tardelli à Seleção Brasileira. O artilheiro alvinegro foi a grande novidade da lista do técnico Dunga para o amistoso contra a Estônia, disputado em 12 de agosto de 2009. – foto: Ints Kalnins/Reuters
5 - Artilharia do Brasileiro: Em 2009, o Atlético brigou pelo título do Campeonato Brasileiro, mas perdeu força no fim e acabou em sétimo lugar. O grande nome da campanha foi Diego Tardelli, artilheiro da competição ao lado de Adriano, do Flamengo, com 19 gols.
5 – Artilharia do Brasileiro: Em 2009, o Atlético brigou pelo título do Campeonato Brasileiro, mas perdeu força no fim e acabou em sétimo lugar. O grande nome da campanha foi Diego Tardelli, artilheiro da competição ao lado de Adriano, do Flamengo, com 19 gols. – foto: Ricardo Matsukawa/Futura Press
6 - Título mineiro: As grandes atuações individuais empolgavam, mas faltava uma conquista coletiva para coroar o bom momento de Tardelli. E o primeiro título veio em 2010. Capitão do time, o atacante fez gol nos dois jogos da final do Campeonato Mineiro contra o Ipatinga, levantou a taça estadual e festejou com a torcida no Centro de Belo Horizonte.
6 – Título mineiro: As grandes atuações individuais empolgavam, mas faltava uma conquista coletiva para coroar o bom momento de Tardelli. E o primeiro título veio em 2010. Capitão do time, o atacante fez gol nos dois jogos da final do Campeonato Mineiro contra o Ipatinga, levantou a taça estadual e festejou com a torcida no Centro de Belo Horizonte. – foto: Beto Magalhães/EM/D.A Press
7 - Provocação: Diego Tardelli se eternizou na história do Atlético com gols, títulos e provocações. Antes de levantar a taça do Campeonato Mineiro de 2010, o atacante tirou do bolso uma flanela e lustrou o troféu. O Atlético tinha sido alvo de 'zoeira' de torcedores do Cruzeiro, já que havia passado a maior parte do Brasileiro de 2009 na zona de classificação à Libertadores, mas, no fim, viu o rival ultrapassá-lo e ficou fora da competição continental.
7 – Provocação: Diego Tardelli se eternizou na história do Atlético com gols, títulos e provocações. Antes de levantar a taça do Campeonato Mineiro de 2010, o atacante tirou do bolso uma flanela e lustrou o troféu. O Atlético tinha sido alvo de ‘zoeira’ de torcedores do Cruzeiro, já que havia passado a maior parte do Brasileiro de 2009 na zona de classificação à Libertadores, mas, no fim, viu o rival ultrapassá-lo e ficou fora da competição continental. – foto: Bruno Cantini/Atlético
8 - Hat-trick no clássico: 'Queria passar um pouco do que o Obina passou ano passado, fazer três gols no clássico para ser lembrado'. Dois dias depois de ter dado essa declaração, Diego Tardelli fazia três gols na vitória por 4 a 3 no clássico contra o Cruzeiro, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, em fevereiro de 2011. Aquela atuação histórica seria um dos últimos 'atos' do atacante na primeira passagem pela Cidade do Galo.
8 – Hat-trick no clássico: ‘Queria passar um pouco do que o Obina passou ano passado, fazer três gols no clássico para ser lembrado’. Dois dias depois de ter dado essa declaração, Diego Tardelli fazia três gols na vitória por 4 a 3 no clássico contra o Cruzeiro, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, em fevereiro de 2011. Aquela atuação histórica seria um dos últimos ‘atos’ do atacante na primeira passagem pela Cidade do Galo. – foto: Renato Weil/EM/D.A Press
9 - Comemoração machista: O hat-trick de Diego Tardelli no clássico ficou marcado, também, por uma comemoração machista, lembrada até hoje. O atacante foi em direção à torcida do Cruzeiro e simulou que estava passando maquiagem.
9 – Comemoração machista: O hat-trick de Diego Tardelli no clássico ficou marcado, também, por uma comemoração machista, lembrada até hoje. O atacante foi em direção à torcida do Cruzeiro e simulou que estava passando maquiagem. – foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press
10 - O primeiro 'até logo': Em março de 2011, a diretoria do Atlético liberou Diego Tardelli para viajar até a Rússia e acertar com o Anzhi. O clube alvinegro, na ocasião, informou ter pedido cinco milhões de euros (aproximadamente R$ 11,5 milhões na cotação da época) por 62,5% dos direitos do jogador, que se despediu da Cidade do Galo.
10 – O primeiro ‘até logo’: Em março de 2011, a diretoria do Atlético liberou Diego Tardelli para viajar até a Rússia e acertar com o Anzhi. O clube alvinegro, na ocasião, informou ter pedido cinco milhões de euros (aproximadamente R$ 11,5 milhões na cotação da época) por 62,5% dos direitos do jogador, que se despediu da Cidade do Galo. – foto: Divulgação/Anzhi
11 - O retorno: Depois de uma longa negociação, o Atlético conseguiu contratar Diego Tardelli, em 2 de fevereiro de 2013. Para ter o atacante de volta, o clube topou pagar um valor de aproximadamente 5 milhões de euros ao Al-Gharafa, do Catar. Era o início da passagem mais vitoriosa do artilheiro pela Cidade do Galo. 'Minha parte está pronta. Torcida chata tá tá tá tá tá tá tá. É nosso de novo! Agora tô de férias', anunciou o então presidente Alexandre Kalil.
11 – O retorno: Depois de uma longa negociação, o Atlético conseguiu contratar Diego Tardelli, em 2 de fevereiro de 2013. Para ter o atacante de volta, o clube topou pagar um valor de aproximadamente 5 milhões de euros ao Al-Gharafa, do Catar. Era o início da passagem mais vitoriosa do artilheiro pela Cidade do Galo. ‘Minha parte está pronta. Torcida chata tá tá tá tá tá tá tá. É nosso de novo! Agora tô de férias’, anunciou o então presidente Alexandre Kalil. – foto: Euler Junior/EM/D.A Press
12 - Volta com título: Pouco mais de três meses depois de retornar ao Atlético, Diego Tardelli levantou uma taça. O atacante marcou um dos gols da vitória por 3 a 0 sobre o Cruzeiro, no jogo de ida da final do Campeonato Mineiro de 2013. No duelo de volta, o time alvinegro perdeu por 2 a 1, mas levou o título.
12 – Volta com título: Pouco mais de três meses depois de retornar ao Atlético, Diego Tardelli levantou uma taça. O atacante marcou um dos gols da vitória por 3 a 0 sobre o Cruzeiro, no jogo de ida da final do Campeonato Mineiro de 2013. No duelo de volta, o time alvinegro perdeu por 2 a 1, mas levou o título. – foto: Rodrigo Clemente/EM/D.A Press
13 - 'Batalha' no México: O título mais importante de Tardelli pelo Atlético seria conquistado meses depois, em 24 de julho. Mas, para chegar até a final contra o Olimpia-PAR, o time precisou superar fortes equipes pelo caminho. Vice-artilheiro da competição, com seis gols, Tardelli foi importante ao longo da trajetória e marcou um importante gol no empate por 2 a 2 com o Tijuana-MEX, fora de casa, pela partida de ida das quartas de final. No jogo de volta, 'São' Victor foi 'canonizado' ao defender o pênalti cobrado por Riascos nos minutos finais.
13 – ‘Batalha’ no México: O título mais importante de Tardelli pelo Atlético seria conquistado meses depois, em 24 de julho. Mas, para chegar até a final contra o Olimpia-PAR, o time precisou superar fortes equipes pelo caminho. Vice-artilheiro da competição, com seis gols, Tardelli foi importante ao longo da trajetória e marcou um importante gol no empate por 2 a 2 com o Tijuana-MEX, fora de casa, pela partida de ida das quartas de final. No jogo de volta, ‘São’ Victor foi ‘canonizado’ ao defender o pênalti cobrado por Riascos nos minutos finais. – foto: Ramiro Fuentes/AFP
14 - A glória eterna: Diego Tardelli foi um dos protagonistas de um dos times mais importantes da história do Atlético. Após uma primeira passagem com muitos gols, mas só um título, o atacante voltou ao clube para, em julho, conseguir a 'glória eterna': a Copa Libertadores da América.
14 – A glória eterna: Diego Tardelli foi um dos protagonistas de um dos times mais importantes da história do Atlético. Após uma primeira passagem com muitos gols, mas só um título, o atacante voltou ao clube para, em julho, conseguir a ‘glória eterna’: a Copa Libertadores da América. – foto: Bruno Cantini/Atlético
15 - Decepção no Mundial: Tardelli também esteve na decepcionante campanha no Mundial de Clubes de 2013. Na foto, o atacante aparece carregando a bola na derrota por 3 a 1 para o Raja Casablanca-MAR, na semifinal.
15 – Decepção no Mundial: Tardelli também esteve na decepcionante campanha no Mundial de Clubes de 2013. Na foto, o atacante aparece carregando a bola na derrota por 3 a 1 para o Raja Casablanca-MAR, na semifinal. – foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press
16 - América alvinegra: O continente voltou a ser pintado de alvinegro em julho de 2014. Diego Tardelli foi peça fundamental da conquista da Recopa Sul-Americana ao marcar nos dois jogos contra o Lanús-ARG. No duelo de volta, no Mineirão, o atacante chegou à marca de 100 gols pelo clube.
16 – América alvinegra: O continente voltou a ser pintado de alvinegro em julho de 2014. Diego Tardelli foi peça fundamental da conquista da Recopa Sul-Americana ao marcar nos dois jogos contra o Lanús-ARG. No duelo de volta, no Mineirão, o atacante chegou à marca de 100 gols pelo clube. – foto: Rodrigo Clemente/EM/D.A Press
17 - Volta à Seleção Brasileira: Após quatro anos, Diego Tardelli foi lembrado novamente numa convocação da Seleção Brasileira. Em agosto de 2014, o atacante do Atlético entrou na lista do técnico Dunga para amistosos contra Colômbia e Equador.
17 – Volta à Seleção Brasileira: Após quatro anos, Diego Tardelli foi lembrado novamente numa convocação da Seleção Brasileira. Em agosto de 2014, o atacante do Atlético entrou na lista do técnico Dunga para amistosos contra Colômbia e Equador. – foto: Fred Dufour/AFP
18 - Nova provocação: Diego Tardelli se caracterizou por ser decisivo contra o Cruzeiro. Em 19 partidas diante do maior rival, o atacante fez nove gols - sexta maior marca entre todos os jogadores do Atlético. Ao deixar sua marca na vitória por 3 a 2, pelo Brasileiro de 2014, o ídolo alvinegro voltou a provocar o adversário: juntou-se ao lateral-direito Marcos Rocha e, pelos números das camisas que vestiam, fez menção à goleada atleticana por 9 a 2, em 1927, placar mais elástico da história centenária da rivalidade.
18 – Nova provocação: Diego Tardelli se caracterizou por ser decisivo contra o Cruzeiro. Em 19 partidas diante do maior rival, o atacante fez nove gols – sexta maior marca entre todos os jogadores do Atlético. Ao deixar sua marca na vitória por 3 a 2, pelo Brasileiro de 2014, o ídolo alvinegro voltou a provocar o adversário: juntou-se ao lateral-direito Marcos Rocha e, pelos números das camisas que vestiam, fez menção à goleada atleticana por 9 a 2, em 1927, placar mais elástico da história centenária da rivalidade. – foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press
19 - Título contra o rival: Atlético e Cruzeiro decidiram um campeonato nacional apenas uma vez. E deu Atlético. Na final da Copa do Brasil de 2014, Diego Tardelli marcou no jogo de volta, no Mineirão, e assegurou a taça.
19 – Título contra o rival: Atlético e Cruzeiro decidiram um campeonato nacional apenas uma vez. E deu Atlético. Na final da Copa do Brasil de 2014, Diego Tardelli marcou no jogo de volta, no Mineirão, e assegurou a taça. – foto: Bruno Cantini/Atlético
20 - Mais um 'até logo': Em janeiro de 2015, o Atlético topou vender Diego Tardelli ao Shandong Luneng-CHI. Os valores foram pouco inferiores a 8 milhões de euros. Era o segundo 'até logo' do ídolo atleticano.
20 – Mais um ‘até logo’: Em janeiro de 2015, o Atlético topou vender Diego Tardelli ao Shandong Luneng-CHI. Os valores foram pouco inferiores a 8 milhões de euros. Era o segundo ‘até logo’ do ídolo atleticano. – foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press
21 - 'Novela' e polêmica: Desde que deixou a Cidade do Galo, em 2015, Diego Tardelli recebeu diversas sondagens e propostas para retornar ao Atlético. Ao voltar ao Brasil, em 2019, optou por defender o Grêmio, que topou pagar mais. Não conseguiu engrenar no Sul e ficou livre no mercado. Era a chance do Atlético. Porém, o então presidente alvinegro, Sérgio Sette Câmara, tratou de descartar a contratação do atacante, então com 34 anos. 'Fazer asilo aqui agora?', bradou, em vídeo gravado por um torcedor durante um voo.
21 – ‘Novela’ e polêmica: Desde que deixou a Cidade do Galo, em 2015, Diego Tardelli recebeu diversas sondagens e propostas para retornar ao Atlético. Ao voltar ao Brasil, em 2019, optou por defender o Grêmio, que topou pagar mais. Não conseguiu engrenar no Sul e ficou livre no mercado. Era a chance do Atlético. Porém, o então presidente alvinegro, Sérgio Sette Câmara, tratou de descartar a contratação do atacante, então com 34 anos. ‘Fazer asilo aqui agora?’, bradou, em vídeo gravado por um torcedor durante um voo. – foto: Reprodução/Twitter
22 - De volta: Os atritos com Sette Câmara foram superados, e o Atlético anunciou, em fevereiro de 2020, a volta do ídolo. Tardelli foi recebido por uma multidão de atleticanos no Aeroporto de Confis, cena parecida com a registrada em 2013, quando retornou pela primeira vez.
22 – De volta: Os atritos com Sette Câmara foram superados, e o Atlético anunciou, em fevereiro de 2020, a volta do ídolo. Tardelli foi recebido por uma multidão de atleticanos no Aeroporto de Confis, cena parecida com a registrada em 2013, quando retornou pela primeira vez. – foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press
23 - Problemas físicos: Cercada de grande expectativa da torcida, a terceira passagem de Tardelli pelo Atlético foi melancólica. O atacante pouco conseguiu jogar, já que sofreu uma série de lesões. A mais grave delas exigiu uma cirurgia no tornozelo direito, em julho de 2020, e o afastou da maior parte da temporada passada. Em 2021, o contrato foi ampliado, mas o jogador voltou a ter problemas médicos e quase não entrou em campo. Desde o retorno, foram apenas dois gols e 11 jogos.
23 – Problemas físicos: Cercada de grande expectativa da torcida, a terceira passagem de Tardelli pelo Atlético foi melancólica. O atacante pouco conseguiu jogar, já que sofreu uma série de lesões. A mais grave delas exigiu uma cirurgia no tornozelo direito, em julho de 2020, e o afastou da maior parte da temporada passada. Em 2021, o contrato foi ampliado, mas o jogador voltou a ter problemas médicos e quase não entrou em campo. Desde o retorno, foram apenas dois gols e 11 jogos. – foto: Reprodução/Instagram
24 - Mais títulos: Mesmo com poucos minutos em campo, Tardelli conseguiu aumentar a galeria de troféus conquistados pelo Atlético. O atacante fez parte do elenco bicampeão mineiro em 2020 e 2021. Nesta temporada, contribuiu com dois gols na fase classificatória.
24 – Mais títulos: Mesmo com poucos minutos em campo, Tardelli conseguiu aumentar a galeria de troféus conquistados pelo Atlético. O atacante fez parte do elenco bicampeão mineiro em 2020 e 2021. Nesta temporada, contribuiu com dois gols na fase classificatória. – foto: Pedro Souza/Atlético
25 - A despedida: 230 jogos, 112 gols (nove em clássicos), sete títulos conquistados e a idolatria eterna. Nesta quinta-feira, 27 de maio de 2021, Diego Tardelli recebeu a notícia de que não teria o contrato renovado pelo Atlético. O atacante se despede pela terceira vez do clube em que tanto brilhou. O último 'ato' será neste domingo, quando receberá homenagens na partida diante do Fortaleza, no Mineirão, na primeira rodada do Brasileirão. Será mais um 'até logo'?
25 – A despedida: 230 jogos, 112 gols (nove em clássicos), sete títulos conquistados e a idolatria eterna. Nesta quinta-feira, 27 de maio de 2021, Diego Tardelli recebeu a notícia de que não teria o contrato renovado pelo Atlético. O atacante se despede pela terceira vez do clube em que tanto brilhou. O último ‘ato’ será neste domingo, quando receberá homenagens na partida diante do Fortaleza, no Mineirão, na primeira rodada do Brasileirão. Será mais um ‘até logo’?

Nas três passagens pelo Atlético, Diego Tardelli disputou 230 jogos e marcou 112 gols. O atacante é o 15º maior artilheiro da história do clube. Pelo Galo, o camisa 9 ganhou sete títulos:  Copa Libertadores (2013), Copa do Brasil (2014), Recopa Sul-Americana (2014) e Campeonato Mineiro (2010, 2013, 2020 e 2021).

Tardelli também é o sexto maior artilheiro atleticano em clássicos contra o Cruzeiro, com nove gols. Foi dele o gol do título da Copa do Brasil de 2014, na vitória por 1 a 0 sobre o rival, no Mineirão. O goleador havia defendido o Atlético de 2009 a 2011 e de 2013 a 2014.


O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Reforço do Cruzeiro, Luís Felipe revela ansiedade por estreia

O zagueiro Luis Felipe foi anunciado nesta quarta-feira (6) como novo reforço do Cruzeiro e mandou recado para a torcida. O atleta de 21...

Libertadores: Abel, do Palmeiras, projeta duelo contra o Atlético, de Turco

Depois da goleada por 5 a 0 sobre o Cerro Porteño, nesta quarta-feira (6), o Palmeiras garantiu vaga para as quartas de final da...

Palmeiras: veja o golaço de bicicleta de Rony sobre o Cerro Porteño

Rony marcou dois gols na goleada por 5 a 0 sobre o time paraguaio. Para fechar o placar elástico, o atacante marcou um belo...