Ex-sem-teto Givaldo Alves vende ‘Pau de Mendigo’ sem aval da Anvisa

Após ficar famoso por ter mantido relações sexuais...

São João de Porto Seguro recebe 80 mil pessoas em show de Amado Batista

O cantor Amado Batista, que completa 47 anos...

Bolsonaro diz que anunciará Braga Netto como candidato a vice

Jair Bolsonaro (PL) afirmou na noite deste domingo (26/6)...

Randolfe pede suspensão imediata do reajuste de 15,5% nos planos de saúde

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

Os planos de saúde devem ficar até 15,5% mais caros a partir deste mês, segundo decisão da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). É o teto válido para o período entre maio de 2022 e abril de 2023. Para o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), a cobrança dos valores é inviável tendo em vista o cenário econômico do país. Nas redes sociais, o parlamentar disse que pediu a convocação do diretor presidente da ANS, Paulo Rebelo, no Senado para justificar a autorização desse aumento. O parlamentar apresentou também um projeto de lei e um projeto de decreto legislativo pedindo a suspensão do reajuste dos planos de saúde e do preço dos medicamentos, que poderão ter alta de mais 10% aprovada para este ano. No caso dos planos de saúde individuais e familiares, que são uma categoria regulada pela ANS diferente dos planos coletivos e empresariais, são oito milhões de beneficiários ou mais de 16% dos usuários da saúde suplementar. No total, há quase 50 milhões de beneficiários com planos de assistência médica no Brasil.

O reajuste poderá ser aplicado pelas operadoras a partir da data de aniversário do contrato, mas como há um prazo para ajustar os valores nas contas, o custo retroativo será incluído em faturas posteriores. Por exemplo, se o contrato foi assinado em maio, o aumento já passa a valer este mês, mas o valor só virá acrescido na conta de julho. O aumento de junho entrará como adicional na conta de agosto. A partir de setembro, o valor da conta já passa a ser somente com um total reajustado do mês. Em 2021, o reajuste foi negativo em 8,1% refletindo a queda no total de consultas, exames, terapias e cirurgias em 2020 por conta da pandemia e das medidas restritivas. A alta deste ano, segundo a ANS, é decorrente do aumento da inflação, do custo dos insumos e serviços e da retomada dos atendimentos. Esse é o maior valor desde 2000, de acordo com a série histórica da ANS.

*Com informações da repórter Katiuscia Sotomayor

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Bolsonaro diz que anunciará Braga Netto como candidato a vice

Jair Bolsonaro (PL) afirmou na noite deste domingo (26/6) que vai anunciar “nos próximos dias” o ex-ministro Walter Braga Netto como vice em sua...

Bolsonaro diz que foi obrigado a dar ‘graça’ a Daniel Silveira

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou, neste domingo (26/6), que foi obrigado a conceder a "graça presidencial" ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ). A declaração...

‘Aqui não é comício’, diz Elba Ramalho em meio a gritos de ‘Fora, Bolsonaro’

A cantora Elba Ramalho interrompeu um coro de "Fora, Bolsonaro" do público durante show no Parque de Exposições, em Salvador, neste domingo. Ela...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com